Blog

[]
 

Categorias

FecharDoidices

FecharPensaMente

FecharTendências

FecharVale Mágico

Últimas Entradas
- 25/10/2020 • 16:22
Sócrates apaixonado ...
- 13/10/2020 • 12:33
História da trinca na maçã ...
- 12/10/2020 • 18:44
Duas formas de ver a mesma coisa ...
Todas as Entradas

InícioAnterior [ 1 2 ] SeguinteFim

Sócrates apaixonado -

A imagem mais comum que se tem de Sócrates é o de um pensador extraordinário que sempre foi pobre, velho e feio. O pouco que se sabe sobre ele começa quando ele era um homem de meia-idade e termina com o seu julgamento e sentença de morte.

 
Mas como foram os primeiros anos da sua vida? Que imagem podemos extrair da sua carreira pessoal para além dos retratos que Platão ou Xenofonte fizeram dele? Em quem se inspirou  o filósofo ateniense para configurar a sua doutrina do amor?
 
Nesta biografia surpreendente, que narra da infância de Sócrates à juventude e maturidade, Armand D'Angour responde a perguntas que pareciam intratáveis. Partindo de referências menos conhecidas, mas igualmente autoritárias, e com uma dose narrativa extraordinária que dá corpo às pistas oferecidas pelas principais fontes que conhecemos, o autor mostra-nos uma nova imagem de Sócrates, que foca a jornada iniciática do filósofo e acaba revelando a identidade da mulher que mais influenciou o seu pensamento.
 
O Sócrates amoroso 
 
Podemos reconhecer que Sócrates era um filósofo profundamente interessado no amor para aceitar a noção de Sócrates apaixonado? As implicações românticas dessa frase suscitam inevitavelmente uma série de implicações biográficas que são incertas. É-nos pedido que imaginemos o filósofo cativado por um objecto de desejo ou por um ente querido, enquanto a imagem persistente de Sócrates, derivada dos escritos de Platão e Xenofonte, é a de um homem cuja vida foi expressamente subordinada a objectivos superiores: ético, filosófico e educacional.
 
Esses autores pretendem mostrar-nos que foram as suas actividades relacionadas com a busca de algo superior e não outros episódios, de cunho erótico e mais pessoal, que o levaram a vivenciar os acontecimentos históricos pelos quais se tornou conhecido: o seu julgamento e a sua morte. Mas Platão também nos fala sobre um Sócrates que se gabava de estar "sempre apaixonado", enquanto Xenofonte diz que Sócrates afirmava que não era capaz de citar "um momento da sua vida em que não estava apaixonado por alguém".
 
Junto com muitos outros testemunhos, essas declarações confirmam que Sócrates não era estranho aos sentimentos e relacionamentos amorosos. Ambos os autores afirmaram que Sócrates amava uma pessoa: o belo Alcibíades, eternamente jovem. Sócrates era vinte anos mais velho do que ele, mas também o conheceu quando era jovem.
 
No Protágoras de Platão, cuja acção se passa em 435 AC (quando Alcibíades tinha cerca de quinze anos e Sócrates trinta e quatro) parece que já se conheciam há algum tempo. N'O banquete, Alcibíades (já na casa dos trinta) nega com pesar, mas também com energia, que Sócrates tenha sido seu amante em qualquer sentido diferente do espiritual. Daí, o nosso uso da expressão "amor platónico".
 
A própria insistência deixa claro, no entanto, que tanto os participantes daquele banquete quanto os leitores da obra acharam surpreendente a suposta abstinência de Sócrates ”.
 
O relato de Platão parece ter limpado um pouco a controversa realidade do estado civil de Sócrates. Algumas fontes confiáveis ​​- Aristóteles e Aristógenes - provam que o filósofo foi casado duas vezes; outros vieram acusá-lo de bigamia, afirmando que com ele e Jantipa vivia uma mulher, chamada Mirto, filha de Lisímaco, amiga íntimo do pai de Sócrates e da mesma manifestação que ele, Alopeke. E o historiador Plutarco dá uma explicação muito inocente: que Sócrates e Xantypa a acolheram depois de ela ter ficado viúva, porque ela viveu em dificuldades.
 
Sócrates devia ter mais ou menos a idade de Murta e eles mantinham certamente contacto desde a infância, porque se tinham conhecido em Alopeke.
 
Tanto Aristóteles como o seu aluno Aristógenes afirmam que Sócrates se casou com Mirto e tiveram dois filhos, Sofronisco e Menéxeno. Esses autores não ousariam contradizer Platão se não houvesse uma razão convincente. [...] Porém, na Apologia de Platão, Sócrates afirma que tem “três filhos, um deles já jovem, os outros dois filhos ainda”. Se Platão estava tentando inventar os factos para nos mostrar o professor sob uma luz mais compassiva, talvez a melhor coisa a fazer fosse sugerir que Sócrates tinha três filhos e omitir qualquer alusão a um casamento anterior com o aristocrata Mirto. " (Trecho da obra) 
 
Ficha Técnica
 
Título: Sócrates enamorado
Autor: Armand D’Angour
Edita:  Editorial Ariel. Barcelona, enero de 2020
Traducción: Amelia Pérez
Colección: Ariel
Materia: Filosofía
Encuadernación: Rústica con solapas
Número de páginas: 224
ISBN: 978-84-344-3160-7
PVP: 18,90 €
 

Publicado em 25/10/2020 • 16:22  - nenhum comentário nenhum comentário  - Ver? Enviar o seu?   Prévisualizar  Imprimir

História da trinca na maçã -

E a serpente disse:

- Come, serás como os anjos, imortal, um poço de saber, serás como Deus...

- Não e não e não! - disse resoluta a mulher.

Fez-se luz e a serpente retorquiu:

- Come, parva... faz EMAGRECER !

Publicado em 13/10/2020 • 12:33  - nenhum comentário nenhum comentário  - Ver? Enviar o seu?   Prévisualizar  Imprimir

Duas formas de ver a mesma coisa -

Publicado em 12/10/2020 • 18:44  - nenhum comentário nenhum comentário  - Ver? Enviar o seu?   Prévisualizar  Imprimir

Escrever bem é apaixonante -

Publicado em 12/10/2020 • 17:38  - nenhum comentário nenhum comentário  - Ver? Enviar o seu?   Prévisualizar  Imprimir
InícioAnterior [ 1 2 ] SeguinteFim
Arquivo
10-2020 Novembro 2020 12-2020
S T Q Q S S D
            01
02 03 04 05 06 07 08
09 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30            

  Quem não tem imaginação não tem asas   Mohammed Ali
^ Topo ^