Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Multiculturalismo

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Pesquisar



O Tempo

news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO -
A contaminação na China reduz a luz do sol
Este artigo está disponível no formato standard RSS:
https://jurispro.net/doc/data/artpt.xml

O desenfreado crescimento industrial que transformou a China na "fábrica global" e tirou da pobreza 300 milhões de pessoas, também teve um forte impacto ecológico no país. O modelo de desenvolvimento chinês, nada sustentável, afectou principalmente as grandes cidades e o litoral.


O sol já mal se vê nessas zonas e uma neblina acinzentada, que carrega o ambiente e é capaz de provocar enjoos, dores de cabeça e até problemas respiratórios ou asma, ocupa o céu a maior parte dos dias, absorvendo os raios solares e impedindo que o sol apareça apesar da ausência de céu encoberto.

Estes dados são agora confirmados por um estudo realizado por um grupo de cientistas norte americanos do Laboratório Nacional do Pacífico. Os investigadores verificaram que a radiação solar na China decresceu durante o último meio século 3,7 watts por metro quadrado. Para isso, analisaram os dados fornecidos por 500 estações meteorológicas distribuídas por toda a zona oriental do país, que recolheram os níveis de radiação solar e de céu encoberto desde 1954 até 2001.

Primeiro emissor do planeta

"A poluição resultante da actividade humana poderia ter criado um nevoeiro que absorve e desvia os raios do sol", explicou à revista Geophysical Research Letters Yun Qian, um dos autores do artigo. E o certo é que a emissão de gases contaminantes da atmosfera multiplicou-se por nove durante os últimos 50 anos na China. Assim, o gigante asiático já é o primeiro emissor do planeta de gases de efeito estufa ao libertar o ano passado para a atmosfera 25,49 milhões de toneladas de dióxido de enxofre. Devido a este aumento de 27% com relação ao ano 2000, a chuva ácida provocada pelo enxofre afecta 298 áreas urbanas e cobre 30% do território chinês.

Os principais agentes contaminantes são as pequenas fábricas de carvão que povoam o país, o fumo das chaminés das cada vez mais numerosas fábricas e os carros que proliferaram dada uma melhoria da qualidade de vida. Igualmente nocivas são as obsoletas caldeiras de aquecimento e o pó que desprende das omnipresentes obras de construção, que se transformaram em mais um elemento da paisagem Chinesa.

Segundo o Banco Mundial, 16 das 20 cidades mais contaminadas da Terra encontram-se na China, onde 27% das 341 maiores cidades e 116 milhões de pessoas sofrem níveis de poluição do ar "muito perigosos", ao mesmo tempo que 70% dos rios e lagos estão seriamente degradados e 300 milhões de habitantes não têm água potável. Além de causar a morte de 400.000 pessoas por ano por doenças pulmonares e cardiovasculares, a contaminação ameaça hipotecar as despesas de saúde no futuro e colapsar o altíssimo crescimento de China.

 

 



Criado em: 27/03/2007 • 23:22
Actualizado em: 04/11/2020 • 16:59
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!

Data Venia

Data Venia - Revista Jurídica Digital

SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?

Fora com eles!
 
AdwCleaner
tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?
 
diarios_nacionais.png


PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password



  Os políticos são todos iguais. Prometem construir uma ponte mesmo onde não há rio.  Nikita Khrushchev
^ Topo ^