Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Multiculturalismo

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Pesquisar



O Tempo

news_artigo.gifCANCIONEIRO de Castelões - Romances - Romance IV
Este artigo está disponível no formato standard RSS:
https://jurispro.net/doc/data/artpt.xml




A mãe do Mário anda doida
Da sala para a cozinha,
Que se matara o seu filho,
Por causa da Corininha.

Corina, o Mário matou-se
E tu não no foste ver;
A corda que lhe mandaste,
Tornaste-a a receber.

A Corina é uma senhora,
Anda de saia travada;
A mãe é uma regateira,
Na praça vende pescada.



Criado em: 08/11/2008 • 09:16
Actualizado em: 08/11/2008 • 09:16
Categoria : CANCIONEIRO de Castelões


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!

Data Venia

Data Venia - Revista Jurídica Digital

SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?

Fora com eles!
 
AdwCleaner
tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?
 
diarios_nacionais.png


PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password



  As oportunidades surgem sob o disfarce de tarefas árduas e a maioria das pessoas não as reconhece  Ann Landers
^ Topo ^