Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
Arquivos do Fórum - Nacionais - Assunto n°9826
Assunto n°9826 Freeport: Força Emergente quer «alterar sistema político»
    MM 15/07/2009 • 21:40
Freeport: Força Emergente quer «alterar sistema político» A associação Força Emergente foi constituída em Janeiro para "alterar o sistema político" e não exclui vir a constituir-se assistente noutros processos judiciais para além do Freeport, disse à Lusa um dos fundadores.

Carlos Luís sublinha que a prioridade da associação que a 25 de Junho obteve o estatuto de assistente no caso Freeport é "fazer uma intervenção cívica com objectivos políticos", seguindo o princípio de que "o mesmo voto que serve para eleger tem de servir para demitir".

A associação, que hoje apresentou um pedido de afastamento da procuradora-geral adjunta Cândida Almeida do caso Freeport, não está, "por enquanto", a pensar constituir-se assistente noutros processos judiciais, mas Carlos Luís não exclui essa possibilidade.

Para o movimento, o actual sistema político defende "os interesses políticos e partidários e não dá abertura nenhuma para a população poder contestar os maus governos e os maus políticos que vão passando pelo país". Simultaneamente, acredita, "o poder político domina e controla o poder judicial".

A associação, diz Carlos Luís, "está aberta" a colaborar "com movimentos e pequenos partidos políticos". Sublinhando que "não há condicionamentos ideológicos" - embora "a maioria" dos membros e apoiantes se identifique com "ideologias do centro, PS-PSD" e com partidos como o Movimento Mérito e Sociedade (MMS) e o Movimento Esperança Portugal (MEP) -, Carlos Luís diz que "a alteração do actual sistema político é a grande batalha" da associação.

"Não há militantes activos em partidos entre os membros" da Força Emergente, sublinhou.

O fundador não adiantou o número exacto de membros, apenas referindo que a associação tem "centenas de pessoas apoiantes". "Não somos um partido, nem pretendemos caminhar para isso, de forma que não procuramos engrossar as hostes", desvalorizou. [...] Diário Digital


[ Voltar à lista de assuntos ]


  O conhecimento é o único investimento que quanto mais se esbanja maior é o retorno  Lourenço Dias Almeida da Silva
^ Topo ^