Notícias Jurídicas - Nacionais - Assunto n°21965

[]
N. de membros 132
 

Notícias Jurídicas - Notícias Jurídicas
Nacionais - Nacionais


activo  Assunto n° 21965  Soares dos Santos arrasa CIP e pede alteração da lei da greve

20/03/2014 • 11:41
JMR

JMR



"A nossa lei da greve é uma lei antiquada, imposta pelo Conselho da Revolução", diz o "senhor Pingo Doce" à Renascença. Para Alexandre Soares dos Santos, a CIP "não representa minimamente" os empresários e o salário mínimo deve subir.

Alexandre Soares dos Santos, antigo líder do grupo Jerónimo Martins, diz ser urgente, num cenário pós-troika, uma alteração na Constituição que mude a lei da greve.

"A nossa lei da greve é uma lei antiquada, imposta pelo Conselho da Revolução. A greve é fundamental, as pessoas devem ter direito à greve, mas não é por dá cá aquela palha", diz à Renascença Soares dos Santos, que abandonou nos últimos meses a liderança do grupo dono da cadeia de super e hipermercados Pingo Doce.

"As greves em Portugal são só no sector público e particularmente no sector dos transportes, mas o português que trabalha no sector privado também está preocupado com a sua vida", reforça.

"CIP não representa minimamente"
Em entrevista ao programa "Terça à Noite" da Renascença, Soares dos Santos arrasa a CIP - Confederação Empresarial de Portugal. A organização, acusa o presidente da Fundação Manuel dos Santos, está na concertação social de costas voltadas para os empresários.

"Eu não vejo porque é que esses senhores se sentam na concertação social, a CIP não representa minimamente, a CIP não fala connosco, a CIP não faz reuniões", afirma o "senhor Pingo Doce", que acusa ainda a confederação liderada por António Saraiva de não ter propostas, nem convocar os empresários para a "elaboração de um plano".

Salário mínimo deve aumentar
Nesta entrevista, Soares dos Santos defende ainda que o salário mínimo deve ser aumentado. Não acredita que "salários baixos possam contribuir para a melhoria da produtividade das empresas". "As empresas que dizem que não podem [pagar], muitas vezes não fazem investimentos para melhorar a sua produtividade", atira.

O empresário defende que se substituam os cortes nas pensões por um aumento do preço dos combustíveis ou do IVA nos produtos de luxo.

Rádio Renascença

  Enviar uma resposta  Topo
activo assunto activo   fechado assunto fechado   Importante! Importante!   Nova Nova mensagem   -   Rectificar Rectificar mensagem   Encerrar Encerrar assunto   Reactivar Reactivar
[]
Tipo de Notícias Jurídicas  Notícias Jurídicas 




  Tout ce qui ne me tue pas, me rend plus fort - O que não me mata, torna-me mais forte  Anónimo
^ Topo ^