Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
Pesquisa Jurisprudência

hera.pngPesquisa de TODA a jurisprudência nacional e comunitária (publicada na net),
incluindo o DRe
 
 
Ajuda

Um artigo ao acaso: ARTIGOS DE FUNDO - Quero um pai que me castigue

Vítimas, nalguns casos, de um excesso de permissividade, um grupo de adolescentes relata como é fácil aceder às drogas que consomem para "rir-se", "estar mais tranquilos" e até "pensar".

"O meu pai é um porreiraço e está comigo até às cinco da manhã. Mas eu não quero um pai colega, eu quero um pai que me castigue". O testemunho deste jovem consumidor de droga serve para deixar claro à coordenadora do Serviço para Adolescentes de Etorkintza, Inma Cuena, que "os jovens têm que ter um travão que os faça dizer: 'O meu pai é o pior do mundo, não me deixa sair, tem-me dado cabo do juízo'. Necessitam de limites claros".

Da mesma forma que há menores, vítimas de uma permissividade excessiva, que têm saudades que lhes imponham normas em casa, também os há que se queixam do contrário. "Fiquei sem a semanada, um ano sem sair, não tenho direito a comprar roupa, não tenho direito a nada, só falta colocarem-me numa cama de pregos", lamenta-se outro jovem que consome estupefacientes", diz Inma Cuena, que aproveita para advertir que "às vezes o excesso de castigo também não funciona e não porque não o mereçam".

Enquanto os pais tratam de encontrar o difícil equilíbrio entre a "disciplina férrea" e "o deixar fazer", seis adolescentes que consomem droga relatam a este jornal - com o pessoal do Serviço para Adolescentes de Etorkintza como intermediário - o fácil que é aceder ao speed ou ao haxixe, substâncias que tomam para divertir-se, esquecer-se dos seus problemas, relaxar e até pensar.

Rapaz de 16 anos

"Os meus pais olham-me como se eu fosse um drogado"

"Eu não tenho nenhum problema, só fumo charros num ou noutro fim de semana com os amigos". Aos dezasseis anos, este...
Outras Notícias


JURIS

É com prazer que abrimos este novo espaço de divulgação e comunicação.

Depressa se constatará como ele representa uma nova forma de estar. Quebrando as regras tradicionais, este sítio é interactivo.

Não se limita a ser lido ou a ser mais um local onde podem descarregar-se conteúdos.

Cada informação, cada notícia, pode ter a marca da sua intervenção. Directa. Imediata. Sem recurso a email. À distância de um clique pode estar a sua palavra feita opinião, sugestão ou recomendação, sempre que o entender.

No momento seguinte ela fará parte da alma deste sítio. Transparente e livre como nasceu.

 Maio de 2004

 
 


 

 

 
 



  Por muito longe que o espírito alcance, nunca irá tão longe como o coração  Confúcio
^ Topo ^