Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Multiculturalismo

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
Pesquisa JURISprudência

hera.pngPesquisa de TODA a jurisprudência nacional e comunitária (publicada na net),
incluindo o DRe
 
 
Ajuda

Um artigo ao acaso: ARTIGOS DE FUNDO - Adopção - o síndroma do orfanato

Falta de vínculos afectivos

A Espanha ocupa o primeiro lugar na tramitação de adopções internacionais, segundo dados do Ministério do Trabalho e Assuntos Sociais. Em 2005, um total de 5.423 crianças provenientes de 35 países foram adoptadas em Espanha. Um número similar ao de 2004 (5.541 processos) e que eleva para 21.968 o número de adopções internacionais registadas nos últimos cinco anos - o que representa cerca de 90% dos processos adoptivos que se realizam no país. A República Popular de China é o principal local de origem das crianças (2.753), seguida da Federação Russa (1.262), Ucrânia (394), Colômbia (240), Etiópia (227), Bolívia (89), Peru (66), Índia (43), Cazaquistão (43) e Nepal (43).

Um amplo leque de países com costumes culturais e sociais muito diferentes do local de acolhimento, que à chegada dos menores podem ser causa de dificuldade na sua adaptação.

A idade das crianças também influi nesta circunstância, dado que ao passarem muito tempo num orfanato ou instituição de menores e ao não criarem vínculos afectivos com pessoas de referência (pais biológicos ou amas) são mais reticentes a fazê-lo com os pais adoptivos, principalmente, porque não sabem como levá-lo a cabo.

A psicóloga Esther Herranz, da Associação para o Cuidado da Infância (ACI), que trata dos processos de adopção na China e nas Filipinas, explica que a consequência desta carência afectiva "se produz quando uma criança cresce sem receber a atenção que qualquer bebé requer". "Um bebé desde que nasce necessita de coisas tão simples e tão básicas como de alguém que lhe toque, lhe fale, lhe olhe nos olhos, entenda os seus 'sinais' assim como responder...
Outras Notícias


JURIS

É com prazer que abrimos este novo espaço de divulgação e comunicação.

Depressa se constatará como ele representa uma nova forma de estar. Quebrando as regras tradicionais, este sítio é interactivo.

Não se limita a ser lido ou a ser mais um local onde podem descarregar-se conteúdos.

Cada informação, cada notícia, pode ter a marca da sua intervenção. Directa. Imediata. Sem recurso a email. À distância de um clique pode estar a sua palavra feita opinião, sugestão ou recomendação, sempre que o entender.

No momento seguinte ela fará parte da alma deste sítio. Transparente e livre como nasceu.

 Maio de 2004

 
 


 

 

 
 



  Geralmente obtenho informações de pessoas que prometeram guardar segredo  Walter Winchell
^ Topo ^