Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - Por que nos esquecemos das coisas?


Já sabíamos que o sono não equivale a uma paragem da actividade do cérebro. Quando vamos dormir, o cérebro continua a trabalhar sem que, até agora, soubéssemos muito bem em quê.

Acaba de descobrir-se que a mosca do vinagre – que, geneticamente, se parece muito a nós – controla o sono a partir de uma região cerebral que está intimamente ligada à memória e à aprendizagem. Quase com segurança, a mosca aproveita o sono para aprender o que memorizou durante o dia.

Quando nos imaginamos acordados, estamos a visualizar e a sentir como se realmente estivéssemos a ver – uma nuvem, um passeio pelo campo ou uma partida de ténis – com uma única diferença: não activamos o sistema motor.

Não abrimos os olhos para ver a nuvem, não caminhamos nem batemos a bola na partida de ténis que estamos a ver. O mesmo passa-se nos sonhos. Desportistas de elite, músicos e até apaixonados podem praticar enquanto sonham – como fazem as moscas do vinagre – e, além disso, também imaginando. Realmente, quem não aprende é porque não quer: pode fazê-lo nas aulas, imaginando e, em última instância, a sonhar.

Outra descoberta recente tem a ver com o poder regenerador do esquecimento. Quantas vezes lamentamos ter esquecido um nome, o PIN, um número de telefone e até uma cara? Costuma dizer-se que com a idade nos tornamos esquecidos.

O que acontece, segundo uma investigação muito recente, é que apagamos as lembranças insossas que competem pela sobrevivência face àquelas lembranças associadas a um objectivo relevante na vida do indivíduo e que se fixaram na memória a longo prazo. Apagar lembranças competitivas no dia a dia confere maior capacidade cognitiva para preservar as importantes.

Quer isto dizer que esquecemos sempre o que não é importante para nós e é importante para o outro membro do casal? Uma data, por exemplo, ou um aniversário. “Esqueces-te sempre do que é muito importante para mim”, diz com certa tristeza e ressentimento um dos dois ao outro.

Na verdade costuma tratar-se, efectivamente, de lembranças competitivas e pouco importantes para nós, em relação àquelas lembranças que, através de mecanismos cerebrais constantes e extremamente complexos, criaram um lugar perdurável na memória a longo prazo; a lembrança do que não se esquece durante muitos anos e inclusive toda uma vida. Não há mal que não venha por bem se um esquecimento de datas fortalece a memória das emoções ou os eventos que devessem durar toda a vida.

O maior conhecimento da memória a longo prazo está a permitir também saber algo mais sobre a aprendizagem. Como nos demonstram as crianças, este é um processo longo que não pode improvisar-se – como continuam a acreditar muitos estudantes – numa noite sem dormir.

Recentemente, os meios de comunicação fizeram eco das vantagens de gatinhar. Não importa muito quando a criança consiga andar de pé. Ao gatinhar está a aprender a orientar-se e, sobretudo, está a desenvolver simultaneamente duas actividades-metas: os braços e a pessoa ou coisa para que se dirige.

Sem essa aprendizagem prévia, ser-lhe-ia impossível depois clarificar as três dimensões espaciais: frente e trás, um lado e outro e em cima e em abaixo. Um pouco mais tarde aprenderá a dimensão mais arrevesada: a do tempo, de cuja existência os adultos continuam a duvidar enquanto se entretêm, sem sucesso, a compartimentá-lo com mudanças de horário, anos bissextos e meses de 29, 30 ou 31 dias.

Eduard Punset



Criado em: 13/11/2007 • 16:34
Actualizado em: 13/11/2007 • 16:36
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


   Já sorriu hoje ? O sorriso é uma linha curva que faz com que tudo se endireite   
^ Topo ^