Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - Edison reinventado nas aulas

Começou a trabalhar aos 14 anos a vender jornais e caramelos num comboio, depois de ser expulso da escola por ser "mau estudante".

Foi a mãe - que à margem daqueles estigmas pedagógicos arcaicos - decidiu formá-lo por sua conta e risco, conseguindo pegar-lhe o vício da leitura que havia de despertar em Tomas Alva Edison o seu grande gosto pelas experiências e por descobrir a razão por que se queimavam os filamentos e se escurecia o vidro das lâmpadas incandescentes.

Antes de patentear o seu primeiro "dispositivo electrónico", a 15 de Novembro de 1883, Edison tinha tentado tudo com centenas de lâmpadas eléctricas.

Seguindo este caminho de perseverança, os alunos e professores do instituto público IES Pere Boïl de Manises (Valência) conseguiram reinventar e tornar mais ecológica a produção da electricidade mediante um inovador projecto de energia solar fotovoltaica com instalação domótica nas salas de electrónica e energia solar térmica no ginásio.

A instalação tem "uma potência total de pico do campo fotovoltaico de 9,9 Kwp (equivalente a uma potência nominal de 7,5 Kwp) e ocupa uma superfície de 79 m2 no telhado do edifício, onde se encontram 60 placas ou módulos solares dispostos em três filas paralelas. Cada uma delas está concebida de maneira a formar dois grupos de 10 módulos em série", segundo explicaram os alunos e professores.

Este projecto inovador de produção energética de âmbito doméstico dispõe de "três inversores com uma potência nominal de 2.500 W cada um e de um contador para medir a energia eléctrica produzida em corrente contínua".

Isto permite produzir anualmente, "em números redondos, até "14.000 Kw, metade para consumo próprio e o resto para venda" à empresa de electricidade.

Mediante este moderno e estimulante sistema de aprendizagem - que, ao mesmo tempo se autoabastece e coloca no mercado outros 7.000 Kw - montado pela equipa de professores do ramo de Electricidade e Electrónica, o centro tem um custo zero ao nível energético e "um reembolso de até 6.000 euros", apontam com orgulho.

A Secretaria de Educação valenciana - que investiu na construção e dotação deste centro de 12 unidades educativas de Secundária Obrigatória, 4 de Bacharelado e 6 de CF (Electricidade e Electrónica, Administração e Comércio e Marketing) mais de 5,4 milhões de euros" - não ocultava a sua satisfação por um sucesso que - além de confirmar que a inovação pedagógica se instala nas salas - cumpre a dupla missão de formar cidadãos com iniciativa própria para inovar, patentear ou gerar as suas próprias empresas.

"Devemos perguntar-nos o que acontece no sistema educativo para que os níveis de rendimento sejam os que são, com um conjunto de instalações aceitavelmente preparadas e com uma equipa de pessoal humano de enorme qualidade".

"Devemos perguntar-nos se o sistema geral, se a filosofia educativa que nos acompanhou até agora é a adequada ou se é preciso introduzir algum elemento corrector", disse Font de Mora.

Fazia referência indirecta aos dados que colocam a Espanha na cauda da fila da União Europeia, relativamente aos objectivos assinados pelos Governos há sete anos comprometendo-se a reduzir para metade as actuais taxas de abandono e fracasso escolar (afectam 30% dos jovens) em 2012. O que supõe levar os estudos médios de nível superior a 85% dos jovens com 24 anos.

Os alunos e professores do instituto público valenciano demonstraram que através da aprendizagem se pode fomentar conceitos como "a economia de energia e o emprego de energias renováveis não contaminantes que contribuam para a redução das emissões de CO2 na atmosfera".

Este foi o tema em destaque na agenda pela mudança climática, promovida pelas Nações Unidas, cuja reunião plenária se realizou em Valência.

O conselheiro lançou então um duplo desafio. Desafiou por um lado o Governo a "identificar que elementos falham no sistema, da mesma forma que o têm feito países como a Inglaterra ou a França".

Desafiou também "a comunidade educativa, para que reflicta sobre o que de verdade necessita na sala de aula e o peça". Isto é, que siga o modelo exemplar dado pela mãe de Edison, quando considerou que o sistema educativo estava mais que caduco e decidiu apostar no seu filho à sua maneira: com mais leitura e mais experimentação.



Criado em: 13/10/2007 • 12:51
Actualizado em: 13/10/2007 • 13:03
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Uma amizade criada nos negócios é melhor que negócios criados na amizade  John D. Rockefeller
^ Topo ^