Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - Mesmo sem matemáticas,
os antigos desenhavam máquinas sofisticadas

Um investigador da Universidade de Harvard descobriu que os antigos artesãos gregos eram capazes de desenhar máquinas sofisticadas sem necessidade de compreender a teoria matemática que se acreditava estar por trás da sua construção.

As análises recentes de tratados técnicos e fontes literárias do século V a.C revelam que a tecnologia floresceu entre os profissionais com limitados conhecimentos teóricos.

“Os artesãos tinham o seu próprio tipo de conhecimento que não tinha que estar baseado na teoria”, explica Mark Schiefsky, professor de cultura clássica na Faculdade de Arte e Ciências de Harvard. “Não iam à escola de Platão aprender geometria e ainda assim eram capazes de construir dispositivos calibrados com precisão”.

A balança, usada para medir o peso em todo o mundo antigo, é a melhor ilustração dos achados de Schiefsky sobre a distinção entre o conhecimento teórico e o dos artesãos. Trabalhando com um grupo liderado por Jürgen Renn, Director do Instituto Max Planck para a História da Ciência em Berlim, Schiefsky descobriu que a balança romana — uma balança com braços desiguais — foi usada no princípio dos séculos V e IV a.C., antes de Arquimedes e outros pensadores da era helenística darem uma demonstração matemática das suas bases teóricas.

“Acreditava-se que Arquimedes tinha sido o primeiro a usar a balança romana dado que se supunha não ser possível a sua criação sem conhecer a lei das alavancas. De facto, pode-se — e as pessoas faziam-no. Os artesãos tinham o seu próprio conjunto de regras para fazer a escala e calibrar o dispositivo”, diz Schiefsky.

As necessidades práticas, assim como a prova e erro, levou ao desenvolvimento de tecnologias como a balança romana.

“Se alguém leva um pedaço de carne de 50 quilos ao ágora, como se pesa isso?”, pergunta Schiefsky. “Seria genial ter um contrapeso de 5 quilos em vez de um de 50, mas para fazer isso é necessário mudar o ponto de equilíbrio e compreender perfeitamente o princípio da proporcionalidade entre o peso e a distância a partir do fulcro. Ainda assim, estes artesãos foram capazes de calibrar os dispositivos sem compreender a lei da alavanca”.

Os artesãos aprenderam a melhorar estas máquinas através do seu uso ao longo do tempo, diz Schiefsky.

Com o surgimento do conhecimento matemático na era helenística, a teoria começou a exercer uma maior influência no desenvolvimento das tecnologias antigas. A catapulta, desenvolvida no século III a.C., revela a forma em que se sistematizou a engenharia.

Com a ajuda de fontes literárias e dados das escavações arqueológicas, “podemos saber com precisão quando começaram os antigos a usar métodos matemáticos para construir a catapulta”, aponta Schiefsky. “As máquinas construíram-se e calibraram-se com precisão”.

Os reis alexandrinos desenvolveram e patrocinaram um programa de pesquisa activa para um maior refinamento da catapulta. Através da experimentação e da aplicação de métodos matemáticos, tais como o desenvolvido por Arquimedes, os artesãos foram capazes de construir uma máquina de grande potência. Tendões de animais entrelaçados ajudaram a aumentar o poder do braço de lançamento, que poderia lançar pedras com mais de 25 quilos.

A catapulta teve um grande impacto na política do mundo antigo.

“Podia atacar-se repentinamente uma cidade que anteriormente tinha sido impenetrável”, explica Schiefsky. “Estas máquinas mudaram o curso da história”.

De acordo com Schiefsky, a interacção entre o conhecimento teórico e o saber prático é crucial para a história da ciência ocidental.

“É importante explorar o que fizeram os artesãos e o que não fizeram”, diz Schiefsky, “de modo que possamos compreender melhor como encaixa o seu trabalho ao longo do desenvolvimento científico”.

A investigação de Schiefsky foi patrocinada pela Fundação Nacional de Ciência e o Instituto Max Planck para História da Ciência em Berlim.



Criado em: 04/10/2007 • 07:33
Actualizado em: 04/10/2007 • 07:42
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°1 

waal 15/09/2008 • 20:30

Amei ! vcs deveriam destacar mais esse site, pois muitos alunos precisam dessas informaçaoes e acabam nao achando ! obrigada rolleyes


  A idade é um preço muito alto que temos de pagar pela maturidade  Tom Stoppard
^ Topo ^