Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - A Biblioteca de Pérgamo

Uma das coisas que os amantes da História têm em comum é a sua fascinação pelas bibliotecas, autênticos templos do saber humano, onde muitas vezes se partilha o conhecimento, e noutros casos, simplesmente ele é armazenado. A Biblioteca de Pérgamo, teve uma história tão apaixonante como a da cidade que a acolheu. A sua rivalidade com a de Alexandria propiciou uma invenção fascinante, o pergaminho, e teve de acabar da pior forma...


A Biblioteca de Pérgamo

A biblioteca de Pérgamo foi uma das mais célebres da Antiguidade, competindo em importância com a de Alexandría. Da mesma forma que outras dinastias do período helenístico, os reis de Pérgamo foram grandes protectores da cultura e da arte.

Grandes coleccionadores de arte, brilharam especialmente pelo seu carácter bibliófilo, rivalizando com os Ptolomeus no Egipto. A sua grande ambição foi transformar a sua capital, Pérgamo, numa cidade como Atenas na época de Péricles.

O rei de Pérgamo, Atalo I Soter, foi o fundador da biblioteca e o seu filho Eumenes II foi quem a engrandeceu e fomentou; chegou a reunir até 200.000 volumes (outras fontes falam em 300.000).

Ali se estabeleceu uma escola de estudos gramaticais, como tinha sucedido em Alexandria, mas com uma corrente diferente. Enquanto que em Alexandria se especializaram em edições de textos literários e crítica gramatical, em Pérgamo inclinaram-se mais para a filosofia, sobretudo a filosofia estóica, em busca da lógica em vez de fazerem análise filológica.

Invenção do Pergaminho

Os volumes de Pérgamo eram copiados num material chamado pergaminho, inventado e ensaiado precisamente nesta cidade.

Inicialmente os livros eram de papiro mas, segundo a lenda, Alexandria deixou de abastecer Pérgamo desta matéria prima, para evitar que a biblioteca pudesse chegar a fazer sombra à de Alexandria quanto ao número de volumes.

Os historiadores asseguram que a escolha do pergaminho foi completamente voluntária e tal ficou a dever-se ao facto de este ser um material mais fácil de guardar e de maior durabilidade.

Alexandria leva ao fim da biblioteca de Pérgamo

No ano 47 A.C. ocorreu o incêndio de Alexandria e de parte da sua biblioteca, por causa dos confrontos entre o exército egípcio e de Júlio César.

Segundo narra Plutarco, nas suas Vidas Paralelas, mais tarde, como recompensa pelas perdas, Marco António teria mandado para Alexandria os volumes da biblioteca de Pérgamo, que já tinha sido saqueada anteriormente por causa das lutas políticas que houve na Ásia Menor naqueles anos.

Paradoxalmente, a biblioteca de Pérgamo acabou por ser absorvida pelo seu maior rival.



Criado em: 27/09/2007 • 10:25
Actualizado em: 27/09/2007 • 10:25
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°2 

fernandorubim 27/11/2011 • 03:27

Leitura leve , agradável e interessante pelo fato de abranger assunto principal e  assuntos correlatos que além de contribuir para  evolução cultural, ajuda o raciocínio resolver problemas do dia-a-dia, uma vez que  se dispõe de mais informações e conhecimentos úteis.Parabéns!Fernando RubimS.Paulo - SP.

Comentário n°1 

Paulo Pinto Alexandre 08/03/2008 • 14:01

Lendo uma passagem bíblica do Novo Testamento sobre as Igrejas da Ásia Menos deparei-me com Pérgamo, centro do Império Romano nessa época. Fiquei surpreso da comparação das bíbliotecas. Alexandria no Egito conhecia, não me lembrava de Pérgamo enquanto centro cultural e "patenteadora" do pergaminho. Excelente a relação entre "papiro" e "pergaminho". Muito fui enriquecido com a leitura desse artigo. Paulo


   Já sorriu hoje ? O sorriso é uma linha curva que faz com que tudo se endireite   
^ Topo ^