Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - O «biopetróleo» de Alicante

Já se imaginou um petróleo biológico, renovável e que absorve o dióxido de carbono (CO2) num ciclo sem fim? Já existe. Está em discretos depósitos em Alicante, Espanha, da empresa espanhola Bio Fuel System (BFS), que é quem o inventou.

Tem a cor verde das algas, contém centenas de milhões de seres unicelulares por mililitro cúbico e demorou vários anos a encontrar a fórmula científica para o cultivar num meio artificial. Por trás deste futuro biocombustível estão os departamentos de Biotecnologia, Engenharia Química e Ciências do Mar das Universidades de Alicante e Valência.

Os seus pais são o professor de Biotecnologia da Universidade de Alicante, Cristian Gomis e o engenheiro de Termodinâmica, Bernard Stroïazzo. A pesquisa deste último de um sistema que acelerasse o ciclo vital da fotossíntese de forma a que as células marinhas absorvam o dióxido de carbono e libertem oxigénio, cresçam e se reproduzam, encontrou a resposta no biólogo marítimo Gomis.

Nestes anos seleccionaram-se uma trintena de famílias de algas que foram alimentadas com luz solar, CO2 e um pouco de fósforo e nitrogénio. O resultado destas condições artificiais ideais, sem mudanças drásticas de temperaturas, nem correntes, nem predadores, traduziu-se na aceleração dos seus processos vitais e reprodutivos. Se no meio marítimo a sua concentração é de 300:1 por mililitro cúbico, no sistema BFS chega aos 200 milhões.

Uma sopa verde

O conjunto de cilindros de plástico transparentes de três metros de altura e 70 centímetros de diâmetro - que são o protótipo de uma próxima unidade industrial - contém uma espécie de sopa de cor verde, onde todos os dias essas centenas de biliões de seres se dividem em dois a cada 12 horas. É assim que a biomassa se apresenta.

É igual à do mar, mas mais densa. Algo como o que aconteceu há 200 milhões de anos com o fitoplâncton numa Terra em formação, quando os cataclismos o sepultaram e se fossilizou, até que há 150 anos o homem começou a extraí-lo, chamou-o petróleo e criou uma sociedade dependente deste combustível.

O biopetróleo de BFS não tem a cor preta do petróleo e não tem nem enxofre nem os metais pesados que resultam da sua fossilização. É só a matéria orgânica da celulose e o silício da membrana celular.

Todos os dias extrai-se do cilindro metade do seu conteúdo, centrifuga-se, volta-se a encher o tanque de água para que se duplique a quantidade de seres nas 24 horas seguintes e fica a matéria orgânica em massa para a refinaria ou seca para carvão. Cada quilo desta massa tem 5.700 quilocalorias. Tanto como o carvão. Capaz de alimentar centrais térmicas de electricidade, que se veriam obrigadas a capturar o CO2 das suas chaminés para alimentar o biocombustível que cresce no edifício ao lado, onde absorve o seu próprio carbono sem ser necessário transportá-lo. Uma refinaria poderia fazer o mesmo. Que se pode querer mais?

Bernard Stroïazzo afirma que conseguiram reproduzir o "melhor intercambiador de energia solar que existe, o mesmo que há nos oceanos na forma de fitoplâncton e que é a base da corrente alimentar marinha". Gomis assinala que "as algas são seres imortais porque estão em crescimento infinito".

Mais de 50% da massa das dezenas de milhares de espécies de algas que compõem o fitoplâncton nos oceanos é óleo. Para que querem tanta gordura? Simplesmente porque tem menos densidade que a água e flutua no mar para poder estar perto da superfície onde chega a luz solar, que é metade da sua dieta juntamente com o dióxido de carbono na fotossíntese.

A BFS conseguiu que, em cada dois metros cúbicos de água, se produzam seis quilos por dia de biomassas. Isto é milhares de vezes mais que o cultivo anual de soja, girassol ou palma, usando muito menos terreno e de forma muito menos agressiva.

O próximo objectivo da empresa será a primeira central de produção eléctrica de 30 megawatts antes de um ano. Será necessário um hectare para instalar o lar artificial das algas em cilindros de oito metros de altura e 70 centímetros de diâmetro. Ali produzirão a electricidade para 3.000 habitações com caldeiras que movem geradores e recuperem o CO2. O lugar já está escolhido em Alicante e as licenças já foram solicitadas.



Criado em: 30/05/2007 • 10:35
Actualizado em: 30/05/2007 • 10:43
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Lealdade, um conceito que temos vindo a preconizar e que integra dois elementos fundamentais:
a confiança e a disponibilidade, os quais, por sua vez, se projectam na afectividade  
Lourenço Dias Almeida da Silva
^ Topo ^