Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - A mudança climática não supõe uma grande perturbação para o planeta

Os paleontólogos Juan Luis Arsuaga e Eudald Carbonell consideram que uma mudança climática como a que está a acontecer na Terra actualmente não suporá "uma grande perturbação" para o planeta e que fenómenos similares já se registraram várias vezes ao longo da história.

Advertiram, contudo, que os efeitos da mudança climática serão muito graves para milhares ou milhões de pessoas, que a previsível subida do nível do mar inundará zonas habitadas na actualidade e que o aumento da temperatura média do planeta em mais de dois graus terá repercussões sociais, políticas e económicas muito importantes.

Os três directores da estação arqueológica de Atapuerca, Arsuaga, Carbonell e José María Bermúdez de Castro participaram, com o presidente da Fundação Duques de Soria, Rafael Benjumea e o co-presidente da Fundação Atapuerca, Javier Vicente, numa conferência de imprensa onde apresentaram o II Seminário Internacional sobre Paleoecologia Humana.

Este encontro científico, continuação do que se realizou em Nova Iorque em 2003, terá lugar em Burgos entre os dias 6 e 9 de Novembro e irá reunir cientistas e paleontólogos de vários países.

Durante o mesmo serão dadas a conhecer as últimas investigações sobre as primeiras ocupações humanas na Eurásia, local onde se "disputam" vários jazigos, ou sobre os diferentes tamanhos corporais das espécies humanas no Plistoceno e as mudanças fisiológicas e metabólicas por que passaram para assegurar a sua sobrevivência.

Juan Luis Arsuaga precisou que mesmo que o homem esteja "numa evolução constante", na actualidade são mudanças de adaptação, são "tecnológicas, não biológicas" e citou como exemplo que o homem não se adapta a viver com menos água mas dispõe da tecnologia necessária para levá-la para onde dela necessita.

Observou que uma mudança climática similar à actual aconteceu no último período "interglaciar", há aproximadamente 130.000 anos e disse que este fenómeno não vai causar mudanças especialmente relevantes à escala planetária ou geológica.

No mesmo sentido, o paleontólogo Eudald Carbonell observou que há 4.800 anos, a temperatura média do planeta era aproximadamente dois graus centígrados superior à actual ou que o nível do mar era, há 20.000 anos, entre um a dois metros - em alguns casos até cinco metros - inferior ao actual.

Carbonell destacou no entanto que a diferença principal radica no facto de nunca antes na história o homem ter enfrentado um fenómeno destas características com o nível de conhecimento e a base científica actual.

Em Novembro, em Burgos, os paleontólogos irão partilhar as últimas descobertas sobre as primeiras ocupações humanas no continente eurasiático e sobre como evoluiu o género "homo".

Durante os últimos anos, lembraram os organizadores do Seminário, confirmou-se a presença humana na Europa e na Ásia durante o Plistoceno Inferior (há 1.300.000 anos) e os últimos achados em vários jazigos foram atrasando no tempo a data dessa primeira colonização.

Assim, na Europa, as últimas descobertas em Fonte Nova 3 e Barranco Leão, na depressão de Guadix-Baza, na Fossa do Elefante do jazigo de Atapuerca (Burgos) ou os do jazigo italiano de Pirro Nord estão também "atrasando" a colonização da Europa. EFE

Esperamos acompanhar o II Seminário Internacional sobre Paleoecologia Humana. Promete!



Criado em: 18/05/2007 • 11:53
Actualizado em: 18/05/2007 • 11:53
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Até recear não o poder fazer, nunca gostei de ler. Não se gosta de respirar.  Harper Lee
^ Topo ^