Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - Filhos que maltratam os pais - o síndrome do imperador

O quadro médico que o psiquiatra Vicente Garrido, da Universidade de Valência, descreveu como o síndrome do imperador, e que consiste no trato agressivo ou muito violento dos filhos com menos de 18 anos para com os pais, aumenta de forma inquietante entre famílias da classe média.

Em Espanha, a Procuradoria Geral do Estado registou em 2006 perto de 6.000 denúncias de pais e mães aterrorizados pela violência que os seus filhos exerciam em casa.

Este número, que só reflecte os casos mais extremos (10% do total), é seis vezes superior ao registado em 2000, assegurou o Dr. Garrido.

Quando os pais recorrem à justiça para tentar conter o filho, a situação já é muito desesperada. Não só perderam toda a autoridade sobre a criança, como temem uma acção destrutiva iminente e definitiva: o incêndio ou a destruição da casa, o ataque a outro irmão ou uma descarga de fúria imprevisível contra eles, explicou o psiquiatra, num encontro de especialistas que teve lugar no Hospital Vall d'Hebron, em Barcelona.

NÃO ESTÃO DOENTES

Os filhos agressores com o designado síndrome do imperador não foram objecto de maus tratos prévios, nem sofrem uma psicopatia (esquizofrenia ou psicoses) que explique a sua atitude, nem receberam uma educação permissiva e desentendida por parte de pais negligentes ou de conduta desestruturada.

Também não consomem drogas. "Os garotos tiranos não mostram nenhum desses traços", prosseguiu Garrido.

"Eu atendi casos de pais exemplares, que deram ao seu filho uma boa educação e um tratamento afectuoso, que acabaram sendo objecto de uma violência exasperante - assegurou o psiquiatra.

Estamos perante um tema muito pouco investigado, que mostra crianças muito violentas em famílias que não têm nenhuma capacidade de influência sobre eles".

O motivo que suscita uma tempestade de golpes e insultos costuma ser inverosímil, do ponto de vista racional.

"Vou averiguar por que é que vocês não me compram a moto - escreveu um adolescente aos pais. Mas vocês vão pagar. Não quero saber mais nada de vocês, cambada de cachorros. Vocês são os piores pais do mundo".

Essas crianças mostram uma profunda insensibilidade emocional, descreveu Garrido, autor do livro Os filhos tiranos (Ariel). "Não se ligam afectivamente aos outros, têm pouca capacidade para sentir amor e não os preocupa os sentimentos alheios, mas não são psicopatas - insistiu.

Estão convencidos que os seus pais não têm legitimidade, nem poder, para os castigar e não os temem".

Os processos que relatam as famílias que vão ao psiquiatra ou ao tribunal têm em comum uma escala ascendente de agressões que quase sempre se iniciaram quando o menino tinha 7 ou 8 anos.

De uns leves insultos passaram à desobediência geral, à desconsideração e às mentiras. Com a adolescência chegaram os empurrões, as ameaças, a destruição de partes da casa (uma porta, uns vidros) e as bofetadas ou as patadas. "E em casos muito extremos, o assassinato", enumerou a médica.

O diagnóstico das crianças classificadas com o síndrome do imperador é ainda bastante incerto. Uns especialistas enquadram-nos sob a epígrafe de transtorno dissocial, uma gaveta de alfaiate pouco arrumada que, explicam, não acaba por descrever o panorama real de violência com o qual convivem os pais do agressor.

Se ninguém os detém antes, advertiram os médicos, toda essa violência reproduzir-se-á depois com o casal e os filhos do imperador.


Criado em: 16/05/2007 • 10:17
Actualizado em: 01/02/2013 • 11:50
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°2 

Luciana 05/07/2016 • 08:24

Meu filho já não é mais adolescente , hj tem quase 40 anos, nunca foi amoroso sempre frio ,desde os 18 anos passou a mostrar-se mais agressivo,porém sempre me respeitou ,achei que com a maturidade ele se tornaria uma pessoa mais amorosa e até que passou essa imagem por alguns anos ,porém de repente a mascara caiu e a pouco tempo me agrediu covardemente ,não sei o que fazer estou assustada, e tenho medo de voltar para minha pp casa,estou na casa de minha filha , o que devo fazer?
Pois sei que não se estar a falar de um jovem adolescente e sim de um jovem senhor , estou apavorada ,entristecida e envergonhada, nunca imaginei passar por isso nesta idade ., me ajude !

Comentário n°1 

Benvinda 21/10/2010 • 18:42

Olá, boa tarde eu já ouvi há tempos uma reportagem com o Dr, Pinto da Costa, referindo-se a este sindroma, como possível causa do assassinato de uma médica p´lo próprio filho. Até então numca ouvira falar deste sindroma, e fiquei deveras curiosa pois tenho uma filha de 20 anos, que de alguns anos para cá tem revelado muitas alterações de procedimento connosco, e está cada vez pior. Daí decidi e em boa hora pesquisar mais sobre o assunto, e não é que a maoria das actuações se encaixam n perfeição? O que fazer? Estou desesperada sem saber o que fazer. Ainda ontem e na presença do namorado estando a chamá-la á razão sem mais demoras me deu um empurão que caí redonda no chão...Parabéns p´lo artigo, está muito esclarecedor. E já agora desculpem a minha ousadia mas será que me podem elucidar sobre o que poderei fazer? Obrigada

  Não troques quem amas por quem te dá prazer, porque quem te dá prazer trocar-te-á por quem ama.  
^ Topo ^