Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - Nova pílula é considerada a «segunda revolução social»

Tomar a actual pílula anticoncepcional, a que prevê sete dias de descanso por mês, equivale já a dizer-se ao corpo que a menstruação não lhe é necessária.

Se se administram estrogénios e progesterona, o cérebro recebe uma informação que lhe indica que se já ovulou, por isso não segrega a hormona que estimularia o ovário.

Partindo desta premissa, a ciência não tem deixado de indagar sobre as possibilidades de suprimir a regra e com ela essas moléstias que impedem 75% das mulheres de se sentirem bem e render o máximo nos 28 dias do seu ciclo (segundo estudos da Bayer Schering Pharma AG).

Nos EUA já se comercializa uma pílula que deixa de se tomar só a cada três meses e em breve poderia estar disponível o tratamento que não prevê descansos se a agência norte americana do medicamento der autorização para a pílula Lybrel.

O fabricante, Wyeth, prevê a entrada de 250 milhões de dólares anuais e acha que quase dois terços das mulheres estariam dispostas a tomá-la. As mudanças que trariam estes novos fármacos foram objecto de debate em fóruns de mulheres e em jornadas feministas.

Minha senhora, o que a impede de desligar-se da sua natureza e controlar o seu ciclo, acabando com dores, inchaço e síndrome pré menstrual?

A Sociedade Espanhola de Contracepção apressou-se a augurar que essa pílula é uma "segunda revolução social", uma revolução similar à que nos anos 60 fez possível desvincular o sexo da procriação.

Mas as respostas a essa pergunta são múltiplas. Alguns peritos asseguram que tomá-la pode prevenir patologias como a endometriose e reduzir a percentagem de histerectomias (extirpação do útero). Asseguram que não implica mais riscos que o tratamento hormonal até agora conhecido.

"Se não se descansasse esses sete dias em cada ciclo, não apareceria nenhuma perda similar à regra, mas para dar sensação de normalidade, interrompemos a tomada cada 21 dias, tanto em pastilhas como em adesivos (que se mudam uma vez por semana durante três semanas) ou o anel vaginal, que se deixa posto 21 dias", explica o doutor Joaquim Calaf, responsável do serviço de obstetrícia e ginecologia de Sant Pau.

Calaf assegura que não há nenhum risco acrescido para a saúde na administração prolongada de hormonas em relação ao tratamento feito de maneira normal.

"Os estudos são sólidos e as combinações foram comercializadas nos Estados Unidos: já sabemos que ali as normas são muito restritivas", acrescenta. "Os únicos efeitos secundários são de comodidade"

A doutora Carme Valls i Llobet discorda. A endocrinologista e directora do programa Mulher, saúde e qualidade de vida, do Centre d´Anàlisi i Programes Sanitaris (CAPS), reconhece que metabolicamente é o mesmo descansar que não descansar, porque a regra que se produz a seguir a um tratamento hormonal não é uma regra normal, mas a perda de um pedaço de tecido endometrial.

"Mas, cuidado - adverte -, não só é afectado o útero, mas todo o corpo. Talvez dentro de dois mil anos seja possível introduzir mudanças em harmonia, mas não por enquanto".

Para muitas mulheres e profissionais de ginecologia, suprimir a menstruação suporia um progresso para as mulheres, uma vez superada a intranquilidade que pode produzir-lhes o facto de não sangrarem mensalmente e, portanto, corroborar o facto de que não se está grávida.

Valls considera que isto é assim, porque não se lhes explica claramente que para isso deverão seguir um tratamento hormonal durante anos nem se lhes fala das consequências que o tratamento prolongado poderia ter (cancro da mama, do endométrio, aumento de doenças auto-imunes, obesidade, colelitiasis, endocrinopatias...).

"O primeiro problema é que não se estudou a relação entre o uso do tratamento hormonal anticoncepcional e a qualidade de vida das pessoas. Usá-los muda a líbido e a harmonia do hipotálamo das mulheres. É um problema subtil, mas muitas indicam que têm alterações na apetência sexual. Além disso, aumenta aspectos hiperestrogénicos: por exemplo, pode aumentar a auto-imunidade e, portanto, as doenças da tiróide relacionadas, como a tiroiditis auto-imune. Também podem alterar os lípídos e o colesterol ou aumentar o risco de trombose".

Outro aspecto de discrepância é a rapidez com que a regra volta a estar presente. Segundo o doutor Calaf, aos 20 dias de deixar de tomar a pílula prolongada volta-se a ovular e aos 45 dias tem-se a regra.

Por outro lado, a doutora Valls constata casos nos quais as mulheres demoraram entre um e três anos para ficar grávidas.

Voltando aos efeitos indesejados do tratamento, o doutor Calaf lembra que o tratamento hormonal prolongado foi revisto: pelo menos dois grupos de pacientes, um de 456 e outro de 336, entre 18 e 45 anos, foram estudadas nos EUA durante um ano e depois com provas cíclicas.

"O importante para quem queira começar um tratamento hormonal é uma boa história clínica, analisando a hipertensão, o peso em excesso, a circulação deficitária, o metabolismo de hidratos de carbono... uma pessoa jovem sem antecedentes patológicos não necessitaria de muitas mais análises".

Calaf confirma que do ponto de vista do cancro do ovário ou endometriose, o uso do tratamento combinado é protector. "Mas, quanto ao cancro de cérvix, a tomada de anticoncepcionais parece que poderia favorecer minimamente a progressão do papiloma que o causa", acrescenta.

Porém, não passaram nem dois anos desde que a Agência Espanhola do Medicamento informou do risco dos anticoncepcionais com progestagéneos de terceira geração (gestodeno e desogestrol) nas mulheres com antecedentes de doença tromboembólica venosa, enfarte do miocárdio ou acidentes vasculares cerebrais.

Estudos da OMS, da farmacêutica Schering e da Universidade de Boston corroboraram que as utilizadoras dessas pílulas correm o dobro do risco de trombose. A Clínica Maio e a Universidade de Minnesota tinham já demonstrado que as mulheres que usaram anticoncepcionais orais nos EUA antes de 1975 apresentaram maior risco de cancro da mama.

A doutora Valls não duvida: "Quando a menstruação, graças à melhor nutrição e à possibilidade de planear a gravidez, é uma realidade mensal para milhões de mulheres, se transforma num indicador do estado de saúde desde a adolescência, já as situações de stress físico ou mental, as anemias, as deficiências nutricionais ou a perda de peso podem alterar o seu ritmo.

Se não funciona bem, significa que há uma alteração metabólica, endócrina, psicológica ou social (como o stress). Aboli-la não elimina os problemas, só se ocultam e podem aparecer outros. Dá-la a pessoas com problemas no seu ciclo menstrual falseia o problema. E se não há doenças ou problemas, porquê dá-la?".

O presidente da Sociedade Espanhola da Contracepção, Ezequiel Pérez Campos, destacava esta semana que ainda ficam mitos em torno da regra: "Serve para expulsar maus humores e toxinas" ou "é o grande símbolo da feminilidade".

Para Valls, não é possível chamar retrógrado a quem quer conservar a regra. "É conservador conservar a própria harmonia? É conservador não fazer uma mudança climática? É isso o que nos molesta ou uma regra abundante, porque tudo à nossa volta é estrogénio: os gases dos carros, os insecticidas, os alimentos com hormonas e as dioxinas do pescado? Não podem demonstrar-nos que não terá efeitos secundários, portanto os retrógrados são eles".

Maricel Chavarría



Criado em: 25/04/2007 • 23:01
Actualizado em: 25/04/2007 • 23:15
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°1 

Rosi 05/11/2007 • 20:35

Acho que o artigo está muito bom, e fiquei esclarecida de algumas coisas.

  Adulto é uma pessoa "que pensa" uma coisa, diz outra e faz o contrário  
^ Topo ^