Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - Como identificar um tecno lerdo

- Na internet, faz sempre um duplo clique nos links. Alguém lhe disse, lá pelos anos noventa, que para abrir qualquer coisa no computador devia fazer um duplo clique em cima e é assim sempre.

Com o que não contava é que a era da internet chegaria e que, ao dar um duplo clique num link, se abrem tantas janelas como os cliques dados.

- Lê qualquer mensagem que lhe aparece no computador do princípio ao fim, como se fosse a primeira vez na vida.

Todos sabemos que o computador nos pergunta mil vezes por dia coisas do tipo "Deseja guardar o arquivo?", "Se fechar, as mudanças que não tenham sido guardadas perder-se-ão", "Este arquivo poderá conter elementos não seguros"... eu sei lá, mil coisas que estamos fartos de ver e que aceitamos de maneira quase automática, ou não, mas em estilo pim-pam pim-pam.

Antes de pensar, já demos o clique. Ele não, ele lê cada mensagem com cuidado, medita sobre ela, põe lentamente o cursor sobre o OK, volta a lê-la para ver se perdeu algo e faz o mesmo que fazia há dez anos perante essa mesma mensagem: aceitar, ou não.

Se estamos ao seu lado nesse momento, tem a estranha mania de ler a mensagem em voz alta, como se o computador comunicasse com ele e ele fosse o escolhido para fazer de intérprete com o mundo.

- Não concebe espacialmente o monitor. Cada vez que tem de fechar uma janela, minimiza-a ou abre algo do ambiente de trabalho, divaga em várias direcções com o cursor do rato até que acha o mesmo botão, ícone ou cruzinha onde carrega várias vezes todos os dias e que está no mesmo lugar de sempre. É fascinante isto, como movimenta o cursor com ar de concentração.

- Não tem nenhum atalho no ambiente de trabalho ou tem tantos que não necessita de abrir o Explorador do Windows porque tem tudo ali, aqui sempre estamos perante extremos.

Depende do que se aprendeu no primeiro dia de contacto com o computador. Se ensinaram a gravar ficheiros no ambiente de trabalho, estão lá todos; se não ensinaram, não há lá nada.

- Ainda se recorda do WordPerfect e às vezes chama assim ao Word por engano.

- Na internet, em vez de usar a pesquisa, escreve tudo na barra de endereços com os www e .com, por isso a sua lista tem aproximadamente oitocentos endereços gravados e é um espectáculo quando a abre. Uma frase para a história que ouvi esta semana foi algo assim: "parece-me que vou mudar para o Google esse... o Yahoo está um pouco lento ultimamente, não encontro quase nada".

- Quando entra na internet e aparecem janelas pop-ups com publicidade, lê-as minuciosamente, pode ser algo importante. Se aparecem duas vezes, lê duas vezes.

- Na sua caixa de entrada de email, tem coisas de 1998.

- Os emails e documentos do Word têm sempre a letra e tamanho que vem por defeito e o estilo mais sofisticado que usa é o negrito, o itálico, o sublinhado, a maiúscula e o tabulador. E o ponto é à parte também.

- Os atalhos das pastas para guardar os documentos, costumam ter tantas sub-pastas acumuladas com o passar do tempo, que necessita de dez a doze passos para aceder ao documento que pretende.

Obviamente, cada vez que abre uma sub-pasta, a atitude é: pôr o cursor do rato no meio do ecrã, procurar com a vista por todo o monitor como se não existisse relação entre o que clicou anteriormente e o que se abre, lentamente aproxima a setazinha e faz um duplo clique no que quer com certas dúvidas, como se não existisse o voltar atrás em caso de erro. Assim faz as doze vezes.

- Não tem favoritos nem sabe da sua existência. Procura a sua página na lista da barra de endereços depois de fazer um scroll de dois minutos ou escreve-a outra vez, num total de oitocentas a mil armazenadas.

- Se abre o PowerPoint da treta enviado por email, tem que o ver até ao fim, mesmo que não goste, porque não sabe que a tecla ESC serve para abortá-lo. Se de repente sente que o vão apanhar com algo pornográfico aberto há duas opções: ou passa tudo a toda a velocidade (clickclickclickick...) ou desliga o computador com o reset (juro que o tenho visto).

- Quando lhe enviam uma piada pelo correio que tem muita graça, imprime-a e leva-a para a mesa para que a leiam, que isso de reenviar é mentira.

Os PowerPoint costumam ser de há dois anos no mínimo. Isso, quando não são de correntes do tipo "se não reenvias a dez pessoas, vais ter um dia de azar" ou fotos bonitas de cataratas, vulcões e lagos que já se viram numa edição antiga da revista Super Interessante que estava no barbeiro ou no cabeleireiro.

- Imprime quase tudo e faz uma pilha com isso na secretária. Toma muitas notas a esferográfica.

- Não mostra emoção alguma nem curiosidade em cuscar um pouco as novas opções, quando lhe mudam o equipamento periodicamente por um mais novo.

- Qualquer arquivo que não tenha extensão .pdf, .doc, .xls, .jpg ou .zip (os típicos, vá), transforma-se numa barreira intransponível que requer ajuda telefónica ou pergunta directa a quem está mais perto, do estilo "isto que é?".

- Não tem nenhum problema em enviar um email de 15 megas se o peso dos arquivos que quer enviar soma isso. Neste sentido é um pouco psicopata, porque não tem nenhuma consciência do bem e do mal.

- Para ele, minimizar uma janela é sinónimo de fazê-la desaparecer para sempre. Se tem que abrir sete vezes o Excel sem fechar o anterior, abre-se e pronto. Mas fecha-os todos de repente quando vai para casa.

- Tem o volume de som ao nível que vinha no primeiro dia, por isso os seus vídeos e ficheiros com som, são os que mais se ouvem do escritório.



Criado em: 13/04/2007 • 16:22
Actualizado em: 13/04/2007 • 16:39
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Amigos são aquelas pessoas raras que nos perguntam como estamos e depois ficam à espera da resposta
  
E. Cunningham
^ Topo ^