Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - Coisas que gostaria que os meus alunos universitários tivessem claro

A tarefa da universidade não é oferecer o que a sociedade procura, mas o que a sociedade necessita. As coisas que a sociedade procura são, em geral, bem conhecidas, e para isso não necessita de uma universidade. A universidade tem que oferecer o que mais ninguém pode dar.




À sombra dessa síntese, estimado e estimada aluno e aluna, eu gostaria que soubesse umas poucas coisas:

  • Que a Universidade não tem como objectivo colocá-lo o mais rapidamente possível numa empresa, para isso existem as agências de emprego.

  • Que a Universidade não tem que ensinar o que as empresas querem: os desejos das empresas não são as obrigações das universidades.

  • Que a Universidade não é o prolongamento do Liceu: as suas técnicas e hábitos de trabalho, se os tem, devem mudar.

  • Que a Universidade não pode ensinar somente habilidades mas preferentemente as bases do conhecimento.

  • Que eu, como professor, dou por assente que é adulto e que vem voluntariamente: não tenho que o vigiar nem levá-lo pela mão como faria com um menino da primária.

  • Que eu, como professor, não tenho que dar apontamentos das disciplinas, mas guiar sobre o que deve aprender, ler e estudar.

  • Que mesmo que eu dê apontamentos, eles devem ser usados como guia não como texto: posso exigir mais e, de facto, assim farei.

  • Que, como aluno, deve trabalhar, ler e estudar dentro e fora do período das aulas: a universidade é o seu trabalho.

  • Que eu, como professor, não vou entender facilmente que a sua única curiosidade e preocupação seja se isto ou aquilo “vai sair no exame”.

  • Que eu, como professor, não vou entender facilmente que as aulas estejam vazias até uma semana antes do exame.

  • Que eu, como professor, não vou entender facilmente que peça uma prorrogação para as práticas quando vejo que no seu computador da sala, o Messenger ocupa 80% do tempo de actividade.

  • Que a universidade tem problemas, com efeito, mas que as leis do mínimo esforço e do garrafão, e a noite das quintas-feiras não vão solucionar os que tem.
Em suma, e colocando-me em plano House:
  • Que eu já tenho trabalho e é você que está a correr para o futuro: calce as sapatilhas.
Por isso surpreende-me ver que eu, funcionário do Estado e portanto com emprego garantido, trabalho nas “pontes”, na maioria dos feriados e bastantes fins-de-semana enquanto observo perplexo as mesas dos bolseiros vazias, as salas de informática vazias, as bibliotecas vazias...

E não diga que os professores são um desastre ou que a universidade sofre de uma corrupção generalizada.

Eu sei isso melhor que qualquer um, já falei disso outras vezes e não desculpo os parasitas que a universidade, como grande organismo que é, suporta e suportará.

Mas hoje não é disso que se trata. Hoje falamos de si. Querido e querida aluno e aluna.



Criado em: 03/02/2007 • 07:38
Actualizado em: 03/02/2007 • 07:59
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  A liderança é a capacidade de conseguir que as pessoas façam o que não querem e gostem de o fazer  Harry S. Truman
^ Topo ^