Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - Aprendendo a pensar

À volta da discussão e debate sobre o ensino e a aprendizagem nas escolas estão sempre em cima da mesa dois sistemas de aprendizagem diferentes.

O primeiro, mais comum e tradicional, baseia-se no fornecimento de grande quantidade de dados aos alunos. Desta forma, os alunos podem saber claramente quem descobriu a América, que contributos trouxe Newton para a física... mas estes alunos são totalmente incapazes de aplicar estes conhecimentos na sua vida quotidiana pois, em princípio, não são úteis para a mesma e por outro lado não ensinam a pensar.

O segundo propõe o ensinar a pensar mais do que fazer com que o aluno acumule dados.

Esta estratégia assume que não é tão importante o que o aluno sabe mas como utiliza o que sabe para resolver as dificuldades que se lhe apresentam no dia a dia.

Seguidamente apresentamos um breve relato histórico de Neils Bohr que ilustra este facto. O mesmo é relatado por um dos seus professores:

Há algum tempo, recebi a chamada de um colega. Estava inclinado a dar uma nota muito baixa a um estudante pela resposta a um problema de física, apesar deste afirmar que estava completamente convencido que a sua resposta estava absolutamente certa.

Professores e estudantes concordaram pedir a arbitragem de alguém imparcial e fui eu o escolhido.

Li a pergunta do exame e dizia: O que faria para determinar a altura de um edifício com a ajuda de um barómetro?

O estudante tinha respondido: «Levo o barómetro ao terraço do edifício e ato-lhe uma corda muito comprida. Deixo-o deslizar até à base do edifício, marco e meço. O comprimento da corda é igual ao comprimento do edifício».

Realmente, o estudante tinha colocado um sério problema com a resolução do exercício, porque tinha respondido à pergunta, correcta e completamente.

Por outro lado, se se lhe concedia a máxima pontuação, poderia alterar a média do seu ano de estudos, obter uma nota mais alta e assim certificar o seu alto nível em física; mas a resposta não confirmava que o estudante tivesse esse nível.

Sugeri que se desse ao aluno outra oportunidade. Dei-lhe seis minutos para que me respondesse à mesma pergunta, mas desta vez com a advertência que na resposta devia demonstrar os seus conhecimentos de física.

Tinham passado cinco minutos e o estudante não tinha escrito nada.

Perguntei-lhe se desejava ir embora, mas respondeu-me que tinha muitas respostas para o problema. A sua dificuldade era escolher a melhor de todas.

Pedi desculpa por tê-lo interrompido e pedi-lhe que continuasse. No minuto que restava escreveu a seguinte resposta:

«Pego no barómetro e deixo-o cair do terraço do edifício. Calculo o tempo da queda com um cronómetro.

Depois aplica-se a fórmula:

Altura = 0,5.g.T2

(Onde g é a aceleração da gravidade e T é o tempo que se acaba de calcular com o cronómetro)

E assim obtemos a altura do edifício.»

Nesta altura perguntei ao meu colega se o aluno se podia retirar. Deu-lhe a nota mais alta.

Depois de sair de lá, voltei a encontrar o estudante e pedi-lhe que me contasse quais eram as outras respostas à pergunta.

«Bom, respondeu, há muitas possiblidades. Por exemplo, pega-se no barómetro num dia de sol e medem-se a altura do barómetro e o comprimento da sua sombra.

Se medirmos a seguir o comprimento da sombra do edifício e aplicarmos uma simples proporção, obteremos também a altura do edifício.

Perfeito, disse-lhe eu, e há mais? «Sim, respondeu, este é um procedimento muito básico para medir um edifício, mas também serve. Neste método, pega-se no barómetro e vamos para as escadas do edifício no rés do chão. À medida que se vai subindo, vai-se marcando a altura do barómetro e conta-se o número de marcas até ao terraço. Multiplica-se no final a altura do barómetro pelo número de marcas que se fizeram e já obtém-se assim a altura. Este é um método muito directo.

Mas se o que se pretende é mais um procedimento sofisticado, pode atar-se o barómetro a uma corda e movimentá-lo como um pêndulo. Dado que quando o barómetro está à altura do terraço a gravidade é zero e levando em conta a medida da aceleração da gravidade ao descer o barómetro em trajectória circular, ao passar pela perpendicular do edifício, da diferença destes valores, e aplicando uma simples formula trigonométrica, poderíamos calcular, sem dúvida, a altura do edifício.

Provavelmente, o melhor será pegar no barómetro e bater com ele na porta da casa do porteiro. Quando ele abrir, diz-se: tenho aqui um lindo barómetro. Se o senhor me disser a altura deste edifício, o barómetro é seu.»

Neste momento da conversa, perguntei-lhe se não conhecia a resposta convencional ao problema (a diferença de pressão marcada por um barómetro em dois lugares diferentes dá-nos a diferença de altura entre ambos os lugares).

Disse-me que sim, que evidentemente a conhecia, mas que durante os seus estudos, os professores tinham tentado ensinar-lhe a pensar.

O estudante chamava-se Niels Bohr, físico dinamarquês, prémio Nobel da Física em 1922, mais conhecido por ser o primeiro a propor o modelo de átomo com protões e neutrões e os electrões que o rodeavam.

Foi fundamentalmente um inovador da teoria quântica.

Prof. Hugo Landolfi



Criado em: 30/01/2007 • 07:15
Actualizado em: 30/01/2007 • 09:20
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°1 

mari 14/03/2010 • 14:55

Parabéns pelo artigo. Arrancou-me um sorriso. Tentarei mais e mais ensinar meus alunos a pensar, apesar da inicial relutância deles em relação a isso.

  Corrigir, ajuda; encorajar, ajuda ainda mais.  Goethe
^ Topo ^