Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
sujet.gifARTIGOS DE FUNDO - Estamos a criar crianças caprichosas

Guillermo Echegaray, doutor em Filosofia pela Universidade de Navarra e licenciado em Psicologia pela Universidade Gregoriana de Roma, recebe no seu consultório, um espaço pintado de cores alegres, um número crescente de meninos e meninas, adolescentes, pais, mães, solteiros, divorciados ou viúvos que vão em busca de ajuda. Pessoas que tomam a decisão de recorrer a um especialista capaz de lhes fornecer ferramentas para ajudar a solucionar conflitos. Ou simplesmente precisam de apoio para ir mais além numa sociedade muito exigente.

A evolução social desdramatizou a visita ao psicólogo, até há bem pouco tempo um assunto tabu. Acabou a ideia de que pedir a sua ajuda é sinal de debilidade ou uma prática limitada aos que sofrem de uma alteração séria no equilíbrio mental. Segundo Echegaray, este facto enquadra-se numa sociedade em que as pessoas querem ser sujeitos activos das suas próprias mudanças e não aceitam que seja o acaso, o passar do tempo ou a resignação a marcar o seu desenvolvimento pessoal.

Porquê e quando é preciso avaliar a conveniência de ir a um psicólogo?

Crescer significa sempre perder a inocência e, de certo modo, torna-nos culpadosEm geral, quando uma pessoa toma a decisão de pedir ajuda para orientar a sua vida ou sente a necessidade de ser acompanhada para resolver um problema, fá-lo como consequência de um impulso que lhe está a dizer que algo não funciona, algo não vai bem na sua vida. Pode ser uma ruptura, um problema a dois, um mal-estar ou uma depressão. Mas isso só é a ponta de um icebergue cimentado em conflitos por resolver. Um psicólogo ajuda a solucionar problemas fazendo de guia no seu encontro e na implementação de soluções. Um psicólogo não nos diz o que temos de fazer, pode ajudar fazendo perguntas e acompanhando o caminho que percorremos enquanto as resolvemos.


Trata-se de confiar a uma pessoa algo tão delicado como é o bem-estar psicológico. Como podemos ter a garantia que o profissional pode ajudar-nos?

O psicólogo não está livre de dificuldades, conflitos e imaturidade, mas o importante é que estas debilidades não influam no encontro psicólogo-paciente, nem condicionem a terapia. Isto é a chave para todos aqueles que trabalham ajudando os outros. Seja qual for a profissão, é cada vez mais necessário facilitar espaços de diálogo mútuo entre profissionais nos quais se supervisione o próprio trabalho. No caso dos psicólogos há que estar alerta e não permitir a acomodação: o psicólogo não está imunizado perante os problemas que ajuda a resolver e, por sua vez, não pode converter-se num ser impermeável ao desenvolvimento psicológico de uma sociedade e dos seus conflitos.


Na actualidade, colégios, empresas, serviços públicos de saúde e outras instituições dispõem de psicólogos para alunos, trabalhadores ou pacientes. Porquê essa necessidade? É preventiva ou é facultativa?

Ambas ao mesmo tempo. Temos que partir da ideia que a estrutura da sociedade actual é líquida e os valores são menos sólidos. Antes, uma pessoa sabia o que tinha que fazer a partir do momento em que tinha 18 anos. Os papeis sociais eram fixos: se era mulher, encontrava um namorado, casava, cuidava dos filhos e do lar; se era homem, arranjava um trabalho, uma mulher que lhe dava filhos e sabia-se como funcionar. Mas a sociedade actual encontra-se com estruturas e valores mais numerosos e variados, que implica um aumento enorme de possibilidades que obriga a tomadas de decisão. Isto indubitavelmente deixa a pessoa mais livre e também mais confusa perante os passos que deve dar na vida.


Parece que muitas respostas têm a sua origem na família.

A família é um sistema do qual não podemos livrar-nos. Não falo de instituição, falo de sistema. Todos somos filhos de um pai e uma mãe, todos, e esse facto é inerente à nossa pessoa e condiciona-nos. É algo que não depende da vontade, nem do conhecimento, nem da educação, nem de factores externos. É algo que levamos marcado dentro de nós. Cada pessoa tem dois pais, quatro avós, oito bisavós. Vimos de um lugar. Este facto repercute-se na nossa vida mais do que podemos imaginar e, em algumas ocasiões, mais do que achamos que nos influi.


E os filhos de famílias monoparentais?

Têm um pai biológico. Isso está inscrito nos seus genes. É algo que não pode negar-se. Sucede também com os filhos adoptados: uma força profunda leva-os a procurar, de alguma maneira, os seus pais biológicos.


Está consciente de que essa ideia pode ser muito discutível, mais agora quando começam a emergir novas formas de família?
Uma coisa é como deve organizar-se e reconhecer-se a família como instituição. Não vou entrar por aí, não sou sociólogo nem político. Mas não é possível negar um facto certo e rigorosamente científico: o ser humano é resultado da fecundação de um óvulo, mas desse óvulo, não de outro; e de um espermatozóide, desse espermatozóide e não de outro. Cada ser recebe 46 cromossomas, 23 da mãe e 23 do pai. Ao nível psíquico a pessoa está inserida nessa origem. Quer a conheça ou não. Admitir tal facto e trabalhar a partir disso tem que ver com a solução de muitos problemas.


Em que se traduz tudo isto?

Em princípios. Os que são anteriores têm preferência sobre os que são posteriores. Os pais dão e os filhos recebem. Os pais são grandes e os filhos pequenos. Dito assim pode parecer simples, mas em muitas ocasiões encontram-se problemas que têm a ver com filhos que se acharam superiores aos pais ou com que não se tenha respeitado a existência de alguém anterior que ocupou um determinado lugar no sistema.


Porque é tão importante a infância na psique de uma pessoa?

Uma criança absorve tudo. À medida que nos tornamos adultos, as nossas estruturas tornam-se mais rígidas, mas a mente de uma criança não tem limites, está aberta. Os semiólogos afirmam que um bebé está capacitado para poder pronunciar todos os sons de todas as línguas do mundo. À medida que passam os dias, esta faculdade fica limitada, e ao atingir cinco anos será bem difícil pronunciar perfeitamente os sons de, digamos, o croata, se esta não é a sua língua materna. Algo parecido acontece a nível psicológico. A criança, quando nasce, pode absorver todas as mensagens e os impulsos. Isto torna-a muito vulnerável, e por isso o que acontece na infância tem muito mais força que o que sucede quando se é maior.


Em situações normais, uma criança vive protegida pela sua família, os pais velam para que não haja problemas, porque é que estas dificuldades são inevitáveis?

A criança dá de si muito amor à sua família, daria tudo pelos seus pais. Isso leva-a a estar desprotegida perante a maldade e perante a dor, voluntária ou involuntária. Não sabe defender-se. Por exemplo, antes dos oito ou dez anos uma criança é incapaz de fazer luto. Não tem os recursos para chorar a perda do pai ou da mãe, para conhecê-la e assumi-la. Isto faz com que na vida adulta apareçam dificuldades de muitos tipos. Não é raro que padeça do que se chama "o movimento interrompido para os pais". Era tão duro aquilo que viveu que é incapaz de se aproximar interiormente do pai ou da mãe que morreu. Quando não podemos agarrar-nos a um pai ou a uma mãe na vida, falta-nos uma fonte vital essencial.


Disse que uma criança daria tudo pelos seus pais. Até que idade é saudável que isto aconteça?

Nunca é saudável, mas é assim. A criança pensa: "por favor, que não aconteça nada ao papá ou à mamã, prefiro que me aconteça algo a mim, prefiro estar eu doente do que eles". A criança que mantém esse pensamento, que o interioriza para lá da infância, altera os princípios: põe-se acima dos pais e não se ajusta ao facto de que os pais dão e os filhos recebem. Às vezes acontece que um filho ou uma filha decide não desfrutar da vida como compensação para um problema. Mantêm aquela fórmula mágica que lhes serviu de pequeno: "se a mamã se curar, não salto mais em cima da poltrona". A mamã curava-se. E estas formulações são mais habituais e influem mais do que se possa pensar. Não estou a falar de coisas raras alheias à vida quotidiana: um filho ou uma filha em compensação decide não casar-se, ou fracassa nos estudos ou entrega-se à bebida. É um tipo de compensação mágica estranha, porque não ajuda ninguém, mas acontece. A propósito, isto mesmo sucede nas organizações empresariais.


Voltemos à família. Como se mantém o equilíbrio pais-filhos quando a criança cresce?

Nas famílias há dois conceitos que estão intimamente relacionados: a inocência e a culpa. Não acabamos de dar-nos conta do peso que ambos têm na nossa maneira de viver em grupo e, concretamente, na família. Quando pertencemos a um grupo fazemo-lo com um profundo sentido de inocência. Não falo de inocência e culpa em sentido moral. É algo diferente. Pensemos no adolescente que fuma. Em relação ao grupo de adolescentes que fuma esse garoto sentir-se-á inocente; mas em relação ao pais que vêem o perigo de fumar, sentir-se-á culpado. Não fumar no meio de um grupo de adolescentes que fumam significa de alguma maneira traí-los. Um filho sempre quer preservar a sua inocência perante os pais, mas mantendo-se inocente não cresce. Crescer significa sempre perder a inocência e, de certo modo, torna-nos culpados: não responder a expectativas, frustrar desejos, não se tornar independente... No final, sempre se criam situações que geram dano.


Tem-se tanto medo de sentir a dor?

Mais que da dor, esta sociedade lida muito mal com a frustração. Ainda que pareça mal dizê-lo, determinada psicologia da auto-estima está a ser prejudicial. Acreditar que não se pode frustrar uma criança porque se pode ferir a sua auto-estima leva, às vezes, a evitar-lhe qualquer sofrimento não permitindo que enfrente a sua responsabilidade. Isto gera crianças débeis e incapazes de superar os obstáculos. Estamos a criar crianças caprichosas e quando crescem querem continuar a ser caprichosas. Se a isto se soma certo zelo excessivo nos primeiros anos de vida o resultado é uma situação artificial de protecção. É inevitável que uma criança sofra desencontros, frustrações, correcções. É a vida.


Como se pode então ajudá-los a crescer felizes?

Estando com eles e amando-os. A eles, ao que são, a partir de nós, a partir do que somos. Se os pais e mães fizessem tudo perfeito, cumpririam sem erros um guião ideal, criariam marionetas que se movem por fios. É preciso enganarmo-nos e sofrer porque isso proporciona o elemento de superação.


Criado em: 07/01/2007 • 18:12
Actualizado em: 07/01/2007 • 20:35
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°1 

me com dor 16/06/2007 • 00:57

acho um exelente artigo mas cada MÂE sabe o "sofrimento" que qer dar ao seu filho. Ao longo da vida o sofrimento obrigatorio que ele  vai ter acho que e o nessesario como se diz na giria so se aprende com as cabeçadas. Não adianta faze-lo abrir os olhos tão cedo,porque a unica altura que posso fazer um MUNDO PERFEITO para mim e para ele e quando posso evitar o proprio e natural "sofrimento"


  Agora que o homem vai ao encontro das estrelas, porque não há-de ir ao encontro do seu vizinho?  Lyndon B. Johnson
^ Topo ^