Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
sujet.gifARTIGOS DE FUNDO - O acesso à água também é um direito

A agência da ONU adverte no seu Relatório de Desenvolvimento Humano 2006 que muitas pessoas vivem com menos de cinco litros de água por dia, e que além disso está contaminada. Nele se recolhe "a necessidade que o Grupo dos Oito (G-8) promova urgentemente um Plano de Acção Mundial para resolver uma crescente crise da água".

De acordo com o Relatório intitulado 'Além da escassez: Poder, pobreza e a crise mundial da água', em muitos dos países em desenvolvimento, a água suja é uma ameaça infinitamente maior para a segurança humana que os conflitos violentos.

Assim, os autores do Relatório registam anualmente um número de 1,8 milhões de mortes infantis causadas pela diarreia que se poderiam evitar com o acesso a água limpa e inodora; 443 milhões de dias escolares perdem-se por causa de doenças relacionadas com a água e quase 50% da população total dos países em desenvolvimento padece num dado momento de algum problema de saúde devido à falta de água e saneamento.

A este custo humano da crise da água e do saneamento deve-se somar um atraso no crescimento económico da África subsariana, que sofre uma perda anual de 5% no seu PIB, número muito superior à correspondente às ajudas que recebe a região.Um total de 443 milhões de dias escolares perdem-se por causa de doenças relacionadas com a águaNo entanto, segundo o Relatório sobre Desenvolvimento Humano de 2006, há diferença das guerras e dos desastres naturais, esta crise mundial não deve impedir que se desenvolva uma acção internacional coordenada.

O Relatório indica que "tal como a fome, é uma emergência silenciosa por que passa a população pobre e que é tolerada por aqueles que dispõem dos recursos, da
tecnologia e do poder político necessários para a resolver".

Os autores do texto sublinham a necessidade de haver uma mudança nesta situação, já que falta menos de uma década para que se cumpra a data do ano 2015, estabelecida para alcançar os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM).

"Quando se trata da água e do saneamento, o mundo está cheio de conferências a mais e sofre de um déficit de acções credíveis. A diversidade de actores internacionais incidiu negativamente no desenvolvimento de fortes defensores internacionais da água e do saneamento", afirma Kevin Watkins, autor principal do Relatório sobre Desenvolvimento Humano de 2006.

Segundo Watkins, os governos nacionais devem definir estratégias e planos credíveis para abordar a crise da água e do saneamento. "Mas também é necessário - acrescenta - desenvolver um Plano de Acção Mundial no qual participem de forma activa os países do G-8 para dirigir os esforços
internacionais fragmentados na mobilização de recursos e o impulso da acção política mediante a colocação do problema da água e saneamento numa posição central e prioritária dentro da agenda do desenvolvimento".

Um grande avanço para os mais necessitados

O Relatório sobre Desenvolvimento Humano de 2006 estima que o cumprimento do objectivo de desenvolvimento do Milénio no acesso a água e saneamento terá um custo adicional total de aproximadamente 10.000 milhões de dólares anuais, que vai ter que assumir tanto no âmbito nacional como internacional. Segundo o Relatório, "o preço de 10.000 milhões de dólares para atingir o Objectivo de Desenvolvimento do Milénio parece uma soma considerável, mas há que ter em conta o contexto.

Representa menos das despesas militares realizadas em cinco dias e menos de metade do que gastam os países desenvolvidos por ano em água mineral".

Os autores sublinham os enormes benefícios
que se obteriam para o desenvolvimento humano. O Relatório mostra que a redução do fosso existente entre as tendências actuais e a meta do Objectivo de Desenvolvimento do Milénio em água e saneamento suporia a salvação de mais de um milhão de vidas infantis durante a próxima década e traria benefícios económicos totais anuais de aproximadamente 38.000 milhões de dólares.

Os benefícios produzidos na África subsariana (aproximadamente 15.000 milhões de dólares) representariam 60% dos fluxos de assistência do ano 2003."A África subsariana
alcançará a meta da água em 2040 e a do saneamento em 2076"
Se se mantém a tendência actual, o mundo poderá alcançar o Objectivo de Desenvolvimento do Milénio relativo ao acesso à água - devido em grande medida ao forte progresso da China e da Índia, mas só duas regiões - a Ásia oriental e a América Latina - estão a caminho de alcançar a meta do saneamento. Além disso, este panorama global oculta problemas reais: segundo as tendências actuais, a "África subsariana alcançará a meta da água em 2040 e a do saneamento em 2076".

Portanto, e seguindo o conteúdo do Relatório, tendo em conta os dados por país, a meta da água não será atingida por 234 milhões de pessoas, sendo 55 o número de países que se atrasaram, e a meta do saneamento não será atingida por 430 milhões de pessoas, sendo 74 o número de países que se atrasaram.



Criado em: 21/11/2006 • 15:22
Actualizado em: 21/11/2006 • 15:34
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Ambição é encostar um escadote ao céu  Provérbio Índio
^ Topo ^