Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifO canto dos poetas - Ode à sopa de congro

No mar
tormentoso
do Chile
vive o rosado congro,
enguia gigante
de nevada carne.

E nas panelas
chilenas,
na costa,
nasceu o «caldillo»
grávido e suculento,
proveitoso.

Levam para a cozinha
o congro esfolado,
a sua manchada pele cede
como uma luva
e a descoberto fica
então
a uva do mar
o congro tenro
reluz
já nu,
preparado
para o nosso apetite.

Agora
pegas em
alhos,
acaricia primeiro
esse marfim precioso,
cheira
a sua fragância iracunda,
então
deixa o alho picado
cair com a cebola
e o tomate
até que a cebola
tenha cor de ouro.

Entretanto
cozem-se ao vapor
os reais camarões marinhos
e quando estiverem a chegar
ao seu ponto,
quando se consolidar o sabor
num molho
formado pelo suco
do oceano
e pela água clara
que soltou a luz da cebola,
então
que entre o congro
e mergulhe na glória,
que na panela
se aceite,
se contraia e se impregne.

Já só é necessário
deixar no manjar
cair o creme
como uma rosa espessa
e ao lume
lentamente
entregar o tesouro
até que no «caldillo» se aqueçam
as essências do Chile,
e à mesa
cheguem recém-casados
os sabores
do mar e da terra
para que nesse prato
tu conheças o Céu.

Pablo Neruda


Criado em: 20/09/2006 • 17:27
Actualizado em: 20/09/2006 • 17:29
Categoria : O canto dos poetas


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°1 

kakau Moraes 25/07/2007 • 03:40

Conheci um homem intrigante e muito simpatico, a ponto de me interessar, em saber sua origem. Coisas essas que me fascinam. Então resolvi fazer uma pesquisa na net, para saber o que eu poderia desvendar com esse sobre nome que me chamou muito atenção. Asurpresa maior foi saber de todo passado politico, de Congro e da lago Congro, isso tudo foi tão facisnante que resolvi inclusive fazer uma singela homenagem a essa pessoa. E fiquei mais feliz ainda em poder descobrir novas literaturas e curti a vida com mais sabedoria.

Um instante de vida, que nos passa despercebido.Uma vida mal vivida se não houver a descoberta.

kakau Moraes 


  Até recear não o poder fazer, nunca gostei de ler. Não se gosta de respirar.  Harper Lee
^ Topo ^