Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
sujet.gifNeoFronteras - Ouço uma cor

Que cores compõem as suites de Johann Sebastian Bach? A que sabe a cor azul? A que soa essa imagem?

Há pessoas que podem responder a essas perguntas ou pelo menos acreditam sabê-lo. Têm alguns dos seus sentidos cruzados e possuem essas tão estranhas percepções sem necessidade de tomar LSD.

Podem, por exemplo, ouvir imagens, saborear literalmente as palavras, ver os números em cor…

Têm sinestesia. Não o imaginam, têm realmente uma sensação ao perceber outra.

Antes considerados fantasiosos, ex-drogados ou muito imaginativos, estas pessoas não eram levadas a sério, mas há uns anos vem-se estudando seriamente esta condição que talvez nos dê pistas sobre a origem das mais importantes capacidades mentais de todos nós.

Recentemente o Dr. Jamie Ward do University College London, um dos especialistas mundiais sobre o tema, estudou este cruzamento entre sentidos para o caso da vista e do ouvido.

Aparentemente no nosso cérebro o ouvido e a visão estão inextrincavelmente interligados, mas só os sinestésicos, que padecem ou desfrutam (dizem apreciar positivamente a sua sinestesia), desta rara condição estão conscientes disso.

Os resultados mostram que muitos de nós preferem imagens e sons combinados em vez de cada um para seu lado. Além disso tendemos a estar de acordo sobre que tipo de som combina com uma imagem ou que música combina com uma determinada cena cinematográfica.

Isto poderia ter implicações na forma como entendemos a arte e como desenvolvemos formas de modo que combinam imagens visuais com som, como por exemplo o balet, a ópera…

Ward utilizou a arte abstrata das pinturas de Kandisky e peças musicais interpretadas por uma orquestra para estudar o fenómeno. Esperava que essas pinturas pudessem ser ouvidas por uma audiência especial composta por sinestésicos.

Segundo Ward, apesar das informações procedentes do mundo entrarem nas nossas cabeças através de diferentes órgãos sensoriais, uma vez chegados ao cérebro, os diferentes tipos de informação interligam-se intimamente.

Surprendentemente estão ligados em caminhos não aleatórios e, por isso, certas combinações de sons e imagens são melhores que outras.

É também assombroso que mesmo que as diferentes áreas cerebrais, encarregadas de processar a informação dos diferentes sentidos, estejam muito afastadas umas das outras, ainda assim nestes casos estão relacionadas.

Assim, nos scanners RMN pode ver-se como nos cérebros dos sinestésicos duas dessas áreas correspondentes a diferentes sentidos (como vista e ouvido) se activam simultaneamente frente a um só estímulo procedente de só um dos sentidos.

Numa das experiências realizadas Ward pediu a seis sinestésicos que desenhassem e descrevessem as suas experiências visuais quando ouviam música interpretada pela New London Orchestra. Outro grupo de controlo de pessoas sem esta condição fez o mesmo.

Uns vídeos criados por um profissional da animação combinavam a música e os desenhos de ambos os grupos. Estes foram mostrados ao público que visitava o museu da ciência da cidade.

Centenas de imagens foram vistas por aproximadamente 200 pessoas que andavam pelo lugar e às que se lhes pediu escolher aquelas que estavam em melhor sintonia com a música.

As animações escolhidas correspondiam àquelas desenhadas pelos sinestésicos. Isto demonstra que enquanto que as pessoas sem sinestesia não são capazes de ouvir uma pintura ou ver uma passagem musical em sentido literal, são, no entanto, capazes de sentir o entrecruzamento e escolhem a imagem “correcta”.

As experiências com as pinturas também foram interessantes. Um sinestésico descrevia a composição VIII de Kandinsky (ver imagem) da seguinte maneira: A confusão de volumes de linhas produzia vários tons que mudava quando os meus olhos viajavam sobre a pintura. Quando olhava o poderoso círculo multicor em cima à esquerda ouvia um tom puro que podia ser muito intenso e, para aliviar a minha mente desta viagem, voltava à cacofonia das linhas enredadas e às sombras. Esta pintura portanto tinha um bom equilíbrio de contraste de sons (tons puros e cacofonias) que era delicioso de ver. Quanto mais olhava a pintura mais apreciava a imagem como música.

Enquanto alguns sinestésicos podem literalmente ouvir as pinturas de Kandinsky (crê-se que este pintor era também sinestésico), o resto de nós não tem esse cruzamento de sentidos tão intenso.

Mas a investigação demonstra que todos nós, inclusive mesmo não nos dando conta, temos ligações entre a vista e o ouvido. Os sinestésicos simplesmente têm-no muito apurado.

Dr. Ward espera que ao entendermos a sinestesia sejamos capazes de compreender melhor como os nossos sentidos se entrecruzam no nosso cérebro e nos ajude a entender melhor certos tipos de arte.

A próxima passagem de Ward nesta investigação será fazer o scanner do cérebro nos sinestésicos para ver o que acontece quando, ao contemplar as pinturas de Kandinsky, se fizerem ouvir os sons e vice-versa.

6% dos artistas são sinestésicos, uma percentagem muito superior à média que é de 1%.

Vilayanur S. Ramachandran, outro grande perito na matéria, mas de UC San Diego, afirma que a base da criatividade, como a criatividade literária, provém da sinestesia e que o uso das metáforas é uma prova muito clara disso.

Por isso Shakespeare pôde criar conceitos como bitter cold ou imagens como this music creeps me upon the water, passagens evocadas por Tim Carrol.

Ao entrecruzar pensamentos diferentes de distintas partes do cérebro podemos criar novas ideias e ser criativos. Desse modo a sinestesia não só cruzaria sentidos, mas além disso conceitos.

Ramachandran vai mais além e sugere que inclusive a origem da linguagem se deveu a essas conexões sinestésicas.

Pode acontecer que a sinestesia esteja a abrir novas janelas aos grandes mistérios que ainda cobrem algumas das capacidades mais propriamente humanas do nosso cérebro.

Tradução JURIS
Ligação para o artigo original
Parceria JURIS - NeoFronteras

Criado em: 14/09/2006 • 22:12
Actualizado em: 14/09/2006 • 23:44
Categoria : NeoFronteras


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°2 

Alexandra Moura continuaço 15/11/2008 • 18:23

4.        Agora no deserto tem também um cavalo. (De que cor é o cavalo? O que ele está fazendo? Como ele é? o­nde ele está - com relação à escada e ao cubo? Ele está usando alguma coisa (cela, freio, etc)? Qual o tamanho dele? Imagine como o cavalo se integra à cena.)

Branco, está com as patas frontais no ar a relinchar perpendicular em relação à escada, simetria quase perfeita, cubo no meio e escada e cavalo dos lados com ângulos idênticos mas simétricos. Não usa cela nem freio, tem cerca de 2 metros.

5.        Em algum lugar no deserto tem uma tempestade. (Que tipo de tempestade é? o­nde ela está? Longe, perto? Como ela afeta os outros elementos da sua imagem, durante, antes e depois? Há vento? Chuva? Granizo? Visualize bem como é esta tempestade e como ela afeta ou não os outros elementos.)

Vem uma tempestade a 500 metros, é uma tempestade de areia como um grande tornado de arreia amarela, quando se começa a aproximar divide-se em 2 tornados de areia e passa um por cada lado sem que o cubo, a escada e o cavalo sejam atingidos. Se a tempestade chegasse perto do cubo, o mesmo recolheria o cavalo e viajaria pelo deserto até encontrar algum lugar calmo e tranquilo.

6.        Finalmente, no deserto agora há flores. (Onde elas estão? Que tipo de flores? De que cores? Quantas são?)

Malmequeres selvagens, com grande centro e pétalas gigantes, laranja e amarelo, 3 canteiros redondos de meio metro de diâmetro, sobre estes malmequeres temos arvores chorões com cachos de flores roxas que vão caindo com a leve brisa na areia amarela, sente-se o perfume das flores roxas. As flores não estão perto do cubo mas a pouca distancia à direita.

Comentário n°1 

Alexandra Moura 15/11/2008 • 18:06

Aí vão as minhas respostas. Depois de ver um programa na televisão comecei à procura de artigos sobre sinestesia e este foi o primeiro o do CUBO. Ando à procura de outros, principalmente testes, mas está dificil encontrar. Enviei-lhe as minhas respostas para o seu estudo e para que possa contar com mais umas respostas. Já sei o significado que atribui e amei.

1.        Você está num deserto. (Como é o terreno? É de manhã, tarde ou noite? Tipo de areia? Como é seu deserto?)

O terreno é arenoso amarelo, com leves altos que tem pedrinhas castanhas claras nos topos, sopra uma breve brisa e o sol está a nascer.

2.        No deserto, você vê um cubo. (Onde ele está? Perto ou longe? Em que posição? No solo, flutuando, abaixo do solo, na linha do horizonte, no alto, etc? Do que ele é feito? Qual o tamanho, densidade, textura, peso? Qual a cor do cubo? Ele é sólido ou oco? Está parado ou não? Use sua imaginação, crie o cubo como quiser e anote 5 adjectivos para ele.)

Está no topo de uma duna e é multicolor como um arco iris, suspenso com um vértice para baixo a balouçar no sentido da esquerda direita, está a meia distancia e consigo vê-lo mais ou menos translúcido, será do tamanho de um smart for two com o mesmo peso.

3.        Agora no deserto tem uma escada. (Onde ela está com relação ao cubo? Que tipo de escada é? Do que ela é feita? Em que posição está? Qual a relação entre ela e o deserto/areia? Quantos degraus tem a escada?)

Esta no chão uma ponta e a outra ponta quase que encostada ao cubo, de bambu castanho escuro com cerca de 2 metros com 9 degraus, está mais ou menos na vertical com cerca de 15 graus em relação a um eixo vertical e em direcção ao cubo.


  Tornar-se número um é mais fácil que permanecer número um  Bill Bradley
^ Topo ^