Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
sujet.gifPara ler e deitar fora - O inventor da agulha

Todos os anos por ali passava em direcção ao sul, a caminho da praia da sua infância.

Um dia pegou numa foto de miúdo, numa daquelas fotos em que a pose era tão importante como o cenário escolhido para fundo. Olhou e voltou a olhar para ela e logo percebeu a importância que o fundo tem numa fotografia quando anos depois nela se pega.

Por trás da sua figura esguia e aprumada, estava o Casino de Monte Gordo. A praia, essa ficava a poucos metros dali. Praia amiga de ondas pequeninas que pareciam não ter fim.

Aquele sítio varria-lhe da memória o mar enfurecido que lhe trazia o medo dos verões vividos lá no norte, na praia do Furadouro, onde as ondas ruidosas faziam covas e engoliam, em remoinhos, os incautos mais pequenos.

Da borda de água vivam os banheiros. Homens de respeitável porte, conhecedores das manhas e segredos de um mar sempre indisposto. Estavam ali para isso mesmo: para dar banho a troco de umas moedas.

E não havia mé, nem meio mé. Quem fosse agarrado pelo banheiro, mergulhava três vezes na rebentação e não havia súplica ou birra que salvasse fosse quem fosse de tal baptizo. Um horror que se aprendia a controlar à segunda ou terceira vez, quando se descobria que o que tinha de ser, tinha mesmo muita força e era bem melhor estar caladinho e suster a respiração que engolir um pirolito no meio do sufoco.

Como era diferente a praia de Monte Gordo. Como era irresistível o convite que lhe fazia. Se aquele mar falasse, dir-lhe-ia: “Anda a mim...” Foi um amor à primeira vista, uma paixão para a vida inteira.

Todos os anos ali vinha. Numa dessas longas e intermináveis viagens, um sítio e uma história haviam de ficar guardados na memória.

O sítio era uma estrada, igual a tantas outras. Nada havia em redor. Apenas uma placa indicava Melides à direita.

Ao passar neste exacto sítio, surgia a pergunta sacramental: “sabes quem foi o inventor da agulha?”

Claro que houve um primeiro não. Um primeiro e único, apesar de se repetir ano após ano a mesma pergunta, no mesmíssimo local.

A resposta impressionou-o. O riso rasgado escondia a surpresa de uma linguagem que não esperava ouvir. Nunca tal coisa se disse, nem se permitia dizer, que a educação e os bons princípios a tanto obrigavam.

Talvez por isso, a memória lhe tenha dado um sopro de eternidade e essa lembrança repetida se vivesse como na primeira vez.

Muitos anos mais tarde, ao passar ali, disse:

- Olha, Melides!
- Sim, que tem?
- Sabes quem foi o inventor da agulha?
- Não!
- Só vou dizer uma vez. O Elias fez o bico, Melides o meio e Melambes o cu.

José Manuel Ruas

Criado em: 25/08/2006 • 17:53
Actualizado em: 05/09/2006 • 11:59
Categoria : Para ler e deitar fora


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°1 

analu 28/08/2008 • 13:38

Acredito que ainda existam muitos banheiros por aí.


  Nenhum problema pode ser resolvido pelo mesmo estado de consciência que o criou.
É preciso ir mais longe. Eu penso 99 vezes e nada descubro.
Deixo de pensar, mergulho num grande silêncio e o que busco é-me revelado.  
Albert Einstein
^ Topo ^