Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
TENDÊNCIAS 21 - Os seres humanos são mais felizes na velhice que na juventude

Os jovens e até mesmo os idosos tendem a pensar que a velhice está relacionada com a tristeza e a decadência, mas na realidade não acontece assim.

Uma investigação realizada pelo VA Ann Arbor Healthcare System da Universidade de Michigan Ann Arbor, reuniu um total de 540 adultos que foram divididos em dois grupos. O primeiro com idades compreendidas entre os 21 e os 40 anos e o segundo dos 60 anos em diante.

A todos foi pedido que qualificassem ou dissessem como se sentiam, em termos de felicidade, no momento actual, aos 30 anos e aos 70, assim como o que achavam da felicidade das pessoas com essas mesmas idades - informou a University of Michigan em comunicado. Os resultados desta investigação também foram publicados pelo Journal of Happiness Studies.

Preconceitos equivocados

Graças ao estudo puderam compreender-se melhor determinadas decisões da gente jovem sobre os seus hábitos (como o tabaco ou a poupança), considerando que estes poderiam afectar a sua vida na velhice; também se comprrendeu melhor por que razão a maioria das pessoas deseja fazer parar o tempo e as marcas que deixa no corpo.

Os estereótipos sociais marcam estas directrizes, os receios sobre os nossos últimos anos de vida e até a forma que temos de tratar os idosos na actualidade, assim como as políticas sociais que a eles se aplicam.

Por isso torna-se importante que haja investigações que modifiquem os nossos preconceitos.

Este estudo é o primeiro que se realiza para analisar a capacidade humana de lembrar ou predizer a felicidade ao longo da vida, enquanto outros realizados anteriormente se centraram na felicidade no caso de pessoas com doenças crónicas, incapacitadas ou com outros problemas vitais.

A surpresa da felicidade

O director deste novo trabalho, o psicólogo Peter Ubel, levou a cabo diversos estudos sobre este tema, descobrindo que as pessoas são muitas vezes surprendentemente felizes, inclusive em condições muito desfavoráveis, o que sugere uma adaptabilidade aos problemas médicos ou de outra índole.

Ubel assinala que as pessoas costumam acreditar que a felicidade depende de circunstâncias pessoais e que, se algo de bom ocorre, isso será garantia de longo prazo, enquanto que se sucede algo de mau, a felicidade terminará.

No entanto, a felicidade acontece graças aos nossos recursos emocionais subjacentes, que costumam aumentar à medida que os anos passam.

Com a idade, aprendemos a conduzir-nos melhor com as idas e vindas da vida. Por isso, na velhice, somos capazes de nos sentir mais felizes apesar de, objectivamente, termos entrado fisicamente numa curva descendente.

Esta nova investigação pretendia descobrir também se, à medida que a maturidade aumenta, o ser humano muda as suas apreciações e atitudes em relação à velhice.

Como se fez

O estudo foi levado a cabo através de uma pesquisa online com seis perguntas, colocadas em quatro ordens diferentes para reduzir os preconceitos. Ambos os grupos estavam formados por homens e mulheres em igual número.

A cada participante foi pedido uma valoração sobre o seu actual nível de felicidade numa escala de 1 a 10, assim como uma valoração na mesma escala sobre a média de felicidade que eles consideravam que tinham as pessoas da sua idade.

Além disso, a todos foi solicitado que recordassem ou indicassem (segundo a idade que tinham) o seu nível de felicidade aos 30 e aos 70, também de 1 a 10 e a média de felicidade que achavam que qualquer pessoa nessas idades poderia ter.

As análises estatísticos da pesquisa revelaram que as pessoas do grupo adulto se sentiam muito mais felizes que os do primeiro grupo e que todos os participantes em geral achavam que aos 30 anos se era mais feliz que aos 70 e que a felicidade diminuía com a idade.

Os investigadores pretendem fazer estudos posteriores para examinar o impacto das crenças individuais nos prognósticos e lembranças sobre a felicidade.

Mais sábios

Segundo declarações do professor Ubel no comunicado da universidade de Michigan, o segredo para que sejamos mais felizes na velhice é muito simples: os problemas da vida tornam-nos mais sábios e daqui resulta, geralmente, uma melhoria nas nossas emoções.

Sejam quais forem as nossas condições ao nascer, as experiências ao longo da vida enriquecem o nosso conhecimento e isso torna-nos mais felizes, até mesmo frente à adversidade.

A lembrança que costumamos reter da juventude é o das possibilidades que tínhamos ainda por descobrir, o de um corpo sem deteriorações e o das diversões.

No entanto, também é preciso lembrar que ainda teríamos de aprender certas emoções básicas, a relacionar-nos com os demais, sobre nós mesmos, etc.

Provavelmente, com a idade parece-nos mais fácil viver que no princípio da vida, sublinha Ubel.


Marta Morales
Tradução JURIS
Ligação para o artigo original
Parceria JURIS - Tendencias 21


Criado em: 14/07/2006 • 10:42
Actualizado em: 14/07/2006 • 11:03
Categoria : TENDÊNCIAS 21


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°1 

rosa 11/11/2008 • 10:21

estou de acordo, tambem eu acho que e preciso lemeebramo-nos de emoçoes basicas para relaçionar-nos com os outros, sobre nos proprios

  Uma amizade criada nos negócios é melhor que negócios criados na amizade  John D. Rockefeller
^ Topo ^