Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO III - Programa contra o crime

Fórmula desenvolvida nos Estados Unidos é capaz de apontar onde criminosos moram a partir de dados sobre os locais dos crimes. O método também pode ser usado, por exemplo, para indicar fontes de doenças infecciosas e espécies invasoras.

Programa contra o crime
 

Testado pela polícia de Lafayette, no estado de Louisiana (EUA), o programa foi capaz de apontar, em poucos dias, o local onde vivia um estuprador com precisão de pouco mais de um quilômetro quadrado. (foto: Flickr/ .v1ctor Casale – CC BY 2.0)

Nos últimos meses, no Brasil, o tema criminalidade e maioridade penal – incensado principalmente por estupros, roubos e latrocínios perpetrados por menores de idade – voltou à cena. Talvez, interesse às autoridades governamentais e acadêmicas por aqui conhecer uma fórmula tipo canivete suíço, ou seja, com várias utilidades. No caso, a principal delas é apontar o local onde criminosos moram. Outras aplicações, por exemplo, são estudar temas bem distintos do crime: como animais buscam comida e onde estão as fontes de espécies invasoras e de doenças infecciosas.

Ou seja, por enquanto, o programa vai da criminologia à biologia. E já foi experimentado nessas áreas com êxito bem significativo, segundo relato recente da jornalista Beth Marie Mole, para a The Scientist.

A fórmula em questão foi desenvolvida pelo pesquisador canadense Kim Rossmo, criminologista da Universidade Estadual do Texas (EUA), e está baseada no método chamado perfil geográfico. Ideia central: criminosos não cometem crimes nem perto de onde moram, nem muito longe de casa – neste último caso, entre outras razões, porque não conhecem bem o local.

A ideia central do método é que criminosos não cometem crimes nem perto de onde moram, nem muito longe de casa Quando se alimenta a fórmula com dados relativos aos locais do crime e se leva a mistura a um computador, este cospe um gráfico em três dimensões que lembra (muito) um vulcão. Explicando: na zona central (região onde o criminoso vive), os crimes são praticamente nulos; nas bordas da cratera, a taxa de crimes é alta; no sopé do vulcão, as ocorrências voltam a praticamente zero (longe de casa).

O primeiro sucesso de Rossmo – que está hoje no Centro para a Investigação e Inteligência Geoespacial da Universidade do Texas – foi apontar, em poucos dias, para a polícia de Lafayette, no estado de Louisiana (EUA), o local onde vivia um estuprador com precisão de pouco mais de 1 km2. O meliante, preso, era ex-delegado de polícia.

Quem lidou com o programa diz que ele pode resolver em horas crimes que levariam anos de investigação.

Steve Le Comber, da Universidade de Londres (Reino Unido), viu no perfil geográfico semelhanças com sua área de pesquisa: comportamento de animais na busca de alimentos; espécies invasoras; doenças infecciosas.

Antes de se aventurar pelo assunto, o biólogo resolveu testar fórmula e programa. Jogou lá os dados relativos a outro estuprador em série que agiu na década de 1970 no Reino Unido. O nome do culpado – capturado em 1981 por causa de uma multa de trânsito – surgiu no topo da lista. Segundo teste: epidemia de cólera em Londres em 1854. O programa identificou o poço de água, no bairro do Soho, onde o surto começou.
 
Voltando ao presente, Le Comber está agora empregando a ferramenta para entender o surto de malária no Cairo (Egito). Segundo a reportagem, o programa listou seis dos sete poços de água que estavam espalhando os mosquitos infectados.

Criadouros de mosquitos da malária
A partir desses dados, foi possível, com base na técnica do perfil geográfico, identificar seis dos sete criadouros de mosquitos transmissores de malária em uma epidemia de 2005 no Cairo. (imagem: Steven Le Comber)
Em entrevista à CH, Rossmo diz que não tem colaboração com pesquisadores brasileiros, mas, escreveu ele, “tive a oportunidade de apresentar parte das minhas pesquisas sobre perfil geográfico em sua bela cidade [Rio de Janeiro] no encontro de 2003 do Congresso Internacional de Criminologia”.

Em épocas de grandes eventos, em que o Brasil tem que ficar bem na fita, talvez valha a pena dar uma olhada nas ideias, no programa e na fórmula desse pesquisador canadense. Certamente, sairá bem mais barato do que os cerca de R$ 90 bilhões que o Brasil gasta por ano com violência.

E, se vale alimentar uma esperança extra, quem sabe, o programa e a fórmula não nos ajudam a diminuir as cerca de 20 mortes por arma de fogo para cada 100 mil habitantes, número que nos faz vice-campeões mundiais nesse quesito – Colômbia, em primeiro, com 30,34.

Cássio Leite Vieira
Ciência Hoje/ RJ


Criado em: 03/07/2013 • 19:31
Actualizado em: 03/07/2013 • 19:37
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO III


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Nenhum pássaro voa mais alto do que com as suas próprias asas  William Blake
^ Topo ^