Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO III - Redefinir a história do tempo com a «hora atómica»



Neste momento 50 cientistas do mundo inteiro encontram-se reunidos em algum ponto de Londres considerando uma proposta que relegaría a hora GMT para a prateleira da história. Mais de 120 anos como standard internacional para medir a hora através da rotação da Terra relegada para segundo plano histórico pela troca de relógios atómicos.

A reunião tem os olhos postos no próximo mês de Janeiro de 2012, momento em que a União Internacional de Telecomunicações se irá reunir em Genebra para votar a possível adopção da nova medida do tempo.

A principal oposição chega por parte dos britânicos, que de alguma forma vêem na mudança a perda do “seu poder histórico”. GMT ou Hora Média de Greenwich chama-se  ao tempo solar médio no Observatório Real de Greenwich (Londres), que por convenção se encontra a zero graus de longitude.

Em 1884 converteu-se no standard mundial do tempo depois de uma conferência em Washington. Esta medida foi durante muitíssimos anos a forma mais precisa de medir o tempo através de relógios que se baseavam no movimento da Terra ao redor do seu eixo e o do Sol. Tomando-o como base, todo o relacionamento com o tempo partia da mesma ideia.

Com o passar dos anos e a necessidade de precisão em torno de actividades como a navegação ou a posição dos satélites, observou-se que a Terra provavelmente não era a forma mais eficaz, não era o relógio perfeito (a rotação não é constante, entre outras coisas devido às marés).


Foi a partir da década de 50, quando o homem começou a considerar o átomo como o relógio mais preciso na Terra, que o tempo foi modificado mudando a definição baseada no movimento da Terra para outra em que o átomo de césio era o protagonista.

Em 1972 ocorreu a maior mudança. Nesse ano adoptou-se como medida universal a definição atómica a que hoje chamamos UTC ou Tempo Universal Coordenado que é composto por 400 relógios atómicos repartidos por laboratórios de todo o mundo.

O problema radica no sincronismo entre os dois tempos. A rotação da Terra é menos uniforme que o comportamento dos relógios atómicos, pelo que para controlar a precisão entre ambos admitem-se as duas medidas se não divergirem mais de 0,9 segundos que a ocorrer levaria a acrescentar ou retirar um segundo aos relógios atómicos.

Hoje o problema aumentaram dado que os ajustes ou variações que se realizam entre a velocidade da Terra e a velocidade atómica repercutem-se nos sistemas de GPS, os sistemas de posicionamento global e nas próprias redes de telefonia móvel.

Assim o explica Elisa Arias, directora de tempo no Escritório Internacional e promotora da mudança:
Entendemos que na Grã-Bretanha tenham uma sensação de perda com GMT, mas actualmente é necessário que as redes estejam sincronizadas ao milisegundo. O problema na sociedade moderna é que estamos a começar a ter definições e escalas de tempo paralelas. Imaginem um mundo onde houvesse até duas ou três definições do quilograma. Isto é algo parecido.

Se a mudança ocorrer, o tempo atómico afastar-se-á pouco a pouco do tempo solar a um ritmo de um minuto por cada 60/90 anos e de uma hora em 600 anos. O tempo poderá mudar depois de 120 anos de história com GMT.


 

Tradução JURIS - Artigo original


Criado em: 05/11/2011 • 00:00
Actualizado em: 05/11/2011 • 00:31
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO III


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Amigos são aquelas pessoas raras que nos perguntam como estamos e depois ficam à espera da resposta
  
E. Cunningham
^ Topo ^