Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO III - Assim nasceu a política



- Estimado Ulf, venho aqui à tua cabana fazer-te uma visita porque dizem que és o homem mais sábio da tribo, respeitado até pelos grandes guerreiros do norte.

- Obrigado, Dween. Conta-me os teus problemas. Talvez te possa ajudar.

- Como sabes, as minhas terras confrontam a norte e oeste com o grande rio e com as terras de Clain “o torto” a sul e a este.

- Eu sei. Eu mesmo vos ajudei a construir o muro baixo de pedra que delimita os vossos pastos.

- Pois olha, recentemente uma das minhas vacas, muito nervosa por natureza, atravessou a pequena cerca – provavelmente por causa das dores do parto iminente – e pariu um formoso bezerro nas terras de Clain. Diz-me, a qual dos dois pertence a cria?

Ulf olhou-o um momento em silêncio e finalmente respondeu.

- Sinto muito Dween, mas já sabes que a lei ancestral diz que os frutos que a deusa natureza produz nas tuas propriedades, são teus. Por conseguinte, embora te desagrade ouvir, o bezerro pertence ao torto do Clain.

Dween decepcionado, agradeceu por ter ouvido a sua história e conselho e foi aceitando a ideia de ter um bezerro a menos.

Naquela mesma tarde, Ulf recebeu uma nova e inesperada visita.

- Boa tarde, Ulf, poderoso e magnânimo líder da nossa aldeia. Venho consultar o teu justo parecer a respeito de um problema que me preocupa e que me causa dores de cabeça com o meu vizinho.

Ulf sorriu ao vê-lo entrar.

- Não precisas de contar nada porque já sei o que se passa, Clain. E acho que já sabes o que te vou dizer. Desde a noite dos tempos, o animal que crias em tua casa, bem como a sua prole, é teu para todos os efeitos embora se desoriente e acabe nas terras de outro homem. Já que a vaca perdida era do Dween, o bezerro também é dele, apesar de ter nascido nas tuas terras.

Clain, o torto, não pôde senão assentir movendo a cabeça com desilusão. Não era a resposta que queria ouvir, mas Ulf era considerado um servidor do poderoso vizinho do norte (dizia-se até que tinha poderes para cobrar impostos em seu nome) de modo que não o quis importunar com diatribes legais para as quais, por outro lado, nem estava preparado. Como aconteceu horas antes com Dween, agradeceu por ter sido recebido, cumprimentou e foi por onde tinha vindo.

O filho de Ulf, que assistiu em silêncio às duas conversas perguntou ao pai intrigado:

- Pai, por que deste respostas tão diferentes a cada um deles? Não consigo compreender.

O pai foi ao curral e trouxe uma corda.

- Cala-te tonto! Que percebes tu de política? Hoje ganhámos um bezerro!



Tradução JURIS - Artigo original

Criado em: 02/11/2011 • 17:32
Actualizado em: 02/11/2011 • 20:03
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO III


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  É impossível para um homem aprender aquilo que ele acha que já sabe.  Epíteto
^ Topo ^