Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO III - Quando ser loira era considerado imoral

Nas décadas de 50 e 60 Marilyn Monroe impôs a moda do cabelo loiro às mulheres. Esta moda também foi referendada pelo slogan da empresa de tintas Clairol que popularizou a frase: "As loiras divertem-se mais".

Nos anos 70 continuou a estar na moda, tanto que o cantor mais vendido e famoso da década, Rod Stewart, deu como título a um dos seus álbuns Blondes Have More Fun.

Nas décadas seguintes foi igual e na atualidade é uma tendência que se mantém. Muitas mulheres continuam a pintar o cabelo e todos somos felizes. Mas nem sempre foi fácil ser loira.

Marilyn Monroe

Na Roma antiga assentaram-se os pilares dos códigos e leis de convivência que regem a maioria de estados na actualidade. O Direito Romano regulava todas as actividades e uma destas era a prostituição. As mulheres que a exerciam deviam estar obrigatoriamente registadas perante as autoridades.
 
Também eram obrigadas a pintar o cabelo de loiro - ou a usar uma peruca - para se diferenciarem das honoráveis brunettes romanas. Além disso, como o cabelo loiro era predominante nos bárbaros do norte, e as escravas dessa raça geralmente acabam a trabalhar nos bordéis, para as autoridades era uma questão de lógica.
 
A tendência para pintar o cabelo, que era habitual na cultura grega, foi passando aos poucos para Roma e popularizou-se quando as suas tropas conquistaram a Galia e regressaram com belas escravas loiras. Foi assim que aos poucos as mulheres locais – especialmente as romanas endinheiradas - começaram a imitar o look das prostitutas e a pintar o cabelo de loiro.
 
Quando Messalina, mulher do Imperador Cláudio por volta do ano 45 dC, foi acusada de dormir fora do palácio e passar a noite num bordel barato, o genial e satírico poeta Juvenal escreveu: "Escondeu a sua negra cabeleira por baixo de uma peruca loira e entrou num húmido lupanar de colchas velhas".
 
Os primeiros pais do cristianismo também condenaram a vaidade feminina e a imoralidade implícita do cabelo loiro:
 
-"Vejo que agora as mulheres tingem o cabelo de loiro com açafrão. Sentem-se envergonhadas do seu país, lamento que não tenham nascido na Alemanha ou na Galia!". Isso era o que escrevia Tertuliano, por volta do ano 200 dC. E a respeito das perucas opinava:

"Deveriam envergonhar-se... põem na sua sagrada e cristã cabeça cabelos mortos e abandonados de gente desconhecida que foi talvez impura, talvez culpada e destinada ao inferno..."


Adan e Eva, Lucas Kronach 1538

Até bem dentro do Renascimento, o cabelo loiro continuava associado a mulheres sedutoras e tanto assim era que, em quase todas as representações artísticas do Jardim do Éden, Eva era pintada com o cabelo loiro enquanto que o da Virgem Maria costumava ser escuro.

Quadro de Rafael (1483-1520) Adão e Eva

Bem, parece que na verdade se divertiam mais...

 
 
Tradução JURIS - Artigo original

Criado em: 23/10/2011 • 00:11
Actualizado em: 23/10/2011 • 00:28
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO III


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Em teoria, não há diferença entre teoria e prática. Na prática, há.  Yogi Berra
^ Topo ^