Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO III - A canção que marcou o mundo

Os gostos musicais são muito subjectivos já que muito influem neles a nossa idade, personalidade, experiências vividas e um sem fim de variáveis.

Pessoalmente sou fanático da música dos anos oitenta mas sou aberto a outros géneros musicais, tanto é que considero que a canção mais romântica e sensual de todas as épocas é Je t'aime... moi non plus, que foi escrita na década de sessenta pelo mítico e incorrigível Serge Gainsbourg, que a dedicou à sua amante de turno que naquela época era a belíssima Brigitte Bardot.

Briggitte Bardot e Serge Gainsbourg

Serge Gainsbourg era filho de um imigrante russo que ganhava a vida a tocar piano em bares e cabarés. Desde muito jovem demonstrou verdadeiro talento com as telas e pincéis e, tal como a maioria dos parisienses da sua geração, considerava-se um artista frustrado.
 
 
Depois de fracassar como pintor, viu-se obrigado a trabalhar como pianista em clubes de segunda categoria, de gays e de striptease, já que tinha de sobreviver de alguma forma. É num desses antros que Serge conhece o escritor Boris Vian, que – encantado com o seu carácter e amena conversa - o incentiva a escrever as suas próprias canções.

Serge Gainsbourg

Converteu-se então num boémio compositor francês, daqueles que viveu o Maio de 68. Era um tipo rebelde, inimigo da aristocracia, da Igreja e do estado. O protótipo do homem nocturno, mulherengo e descomplicado, todo um mito da sua geração, que do mesmo modo, teve uma morte prematura devido aos excessos com o álcool, o que o tornou numa lenda e no mais invejado dos homens do seu tempo, já que sem ser um Adonis, no seu curriculum constava ter seduzido uma das mulheres mais desejadas da época, a espampanante Brigitte Bardot, a quem fez cantar a sua bela e naquele tempo escandalosa canção, que não era mais que a representação de um encontro sexual entre dois amantes.
 
O tema é muito conhecido pela repetição da frase: "Je vais et je viens, entre tes reins" (Vou e venho, entre os teus quadris), tudo isto entre sugestivos sussurros e orgasmos até chegar ao clímax.


"Je t'aime... moi non plus"

Esta foi a sua canção mais famosa escrita em 1967 para a sua namorada de então, Brigitte Bardot. Quando foi gravada ela mesma interpretou a voz feminina, mas quando a canção começou a passar promocionalmente em França - e já se tinham separado - a diva voltou atrás e pediu-lhe o favor de não colocar mais discos à venda, que em nome desse amor que um dia tiveram retirasse o disco do mercado porque agora estava prestes a casar com um empresário e tinha medo de prejudicar a sua imagem. Serge não levantou problemas e voltou a gravar em 1968 com a bela Jane Birkin, a quem acabou por seduzir nos estúdios de gravação e se tornou no seu novo par.

Serge e Jane Birkin

A canção converteu-se num sucesso indiscutível em toda a Europa apesar de ter sido censurada e proibida em vários países, especialmente porque o jornal oficial do Vaticano, L'Osservatore, a qualificou de obscena.

Foi proibida de passar nas rádios em Itália, Suécia, Espanha e Reino Unido, mas isso contribuiu para que fosse o vinil mais requisitado nessa época aos contrabandistas e, era óbvio, todos queriam ter em sua casa a que começaram a chamar de "a canção mais bela do mundo". Curiosamente, mesmo com toda a censura, o disco chegou a ser n.1 nas listas da Grã-Bretanha.
 
O grande Serge, sempre polémico, também foi ameaçado de morte, na década de setenta, por por um grupo de radicais franceses porque cometera o “sacrilégio” de gravar A Marselhesa em versão reggae, numa das viagens que fez à Jamaica.
 
 
O seu dia-a-dia, como ele mesmo assegurava, era uma festa contínua de álcool, cigarros Gitanes e mulheres. Com essa vida, não era de estranhar que morresse de paragem cardíaca.

Jane e Serge

Imaginem vocês uma qualquer beleza francesa da época como Isabelle Adjani, Catherine Deneuve ou a então novíssima Vanessa Paradis. Todas elas sucumbiram aos seus encantos e estiveram dispostas a obedecer às ordens deste homem que conquistou quem quis a partir do seu 1,60 m de estatura e a sua “cara de destruído, mas bem destruído: pelos excessos e pela vida”, como ele mesmo se catalogava.

Jane e Serge

Serge morreu sem ter feito amor com Whitney Huston, como publicamente disse num programa de televisão, mas tendo amado muitas mulheres formosas. Morreu por ter sido um fumador empedernido e por ter bebido demasiados whiskies. Muitos imaginam-no a divertir-se no céu. De facto após a sua morte, a piada que mais corria em França é que devia estar a seduzir a Virgem Maria escrevendo-lhe uma bela canção.

Encontra-se sepultado no Cemitério de Montparnasse e a sua sepultura continua a ser um local de culto para os seus fãs.
 

Tradução JURIS - Artigo original

Criado em: 22/10/2011 • 20:50
Actualizado em: 22/10/2011 • 23:01
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO III


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Corrigir, ajuda; encorajar, ajuda ainda mais.  Goethe
^ Topo ^