Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO III - Um Jobs pouco conhecido



Steve Jobs, durante a apresentação do iPod Nano, em 2007. | AP
 
No final da sua vida, Steve Jobs, macrobiótico, budista e pouco amante do chuveiro, arrependeu-se de ter adiado a cirurgia e ter perdido tempo, talvez crucial, com a medicina alternativa e as dietas.

Jobs morreu a 5 de Outubro depois de ter sofrido um cancro de pâncreas e um transplante de fígado. Já tinha passado então para as soluções tradicionais, mas era tarde demais. Umas semanas antes da sua morte contou-o ao seu biógrafo oficial, Walter Isaacson. A cadeia de televisão CBS, proprietária da editora que publica o livro na próxima segunda-feira, deu a conhecer esta quinta-feira um extracto da entrevista onde o escritor relata as palavras de Jobs.

O fundador da Apple criou o nome da sua empresa no meio de uma das suas dietas frugívora (à base de frutas) após visitar uma quinta com macieiras. Desde adolescente seguia regimes alimentares muito restritos: às vezes, só fruta, outras, também verduras ou alimentos separados. Estudou budismo zen durante anos e achou que a mistura de espiritualidade e alimentos sadios serviria como antídoto até para o cancro.

Quando lho diagnosticaram em Outubro 2003, negou-se a ser operado e optou por se tratar com sumos de frutas, acupunctura e remédios medicinais que encontrava na Internet. "Não queria que abrissem o meu corpo, não queria que me violassem dessa forma", disse Jobs, ao seu biógrafo, a quem o guru confessou o seu arrependimento. A mulher, a irmã e os filhos suplicaram-lhe que se operasse, mas Jobs resistiu durante nove meses durante os quais manteve a doença em segredo.

"Pensava que se ignorarmos algo, se não quisermos que algo exista, podemos fazer magia com a mente... Antes tinha funcionado com ele. Arrependeu-se", conta Isaacson no vídeo difundido pela CBS. O livro de 650 páginas, chamado 'Steve Jobs', é o resultado de mais de 40 entrevistas do autor com o presidente da Apple e dezenas de familiares, amigos e colegas.

Escrito para os seus filhos

Jobs ofereceu plena colaboração a Isaacson, presidente do Instituto Aspen e biógrafo de Franklin e Kissinger. Ele queria que os filhos soubessem o porquê do trabalho que o manteve afastado deles a maior parte das suas vidas.

A biografia retrata as suas manias e os seus caprichos, segundo os extractos publicados pela Associated Press, o 'New York Times' e o 'Huffington Post', entre outros.

Quando era adolescente, Jobs aprendeu a olhar os outros fixamente sem pestanejar. Nos anos 60, começou com as suas dietas restritas misturadas com LSD, que, segundo ele, o ajudavam a centrar-se na criatividade e a esquecer o dinheiro. Disse aos pais que lhe pagassem o curso numa cara Universidade privada em Portland ou não estudaria em nenhuma, embora a tivesse abandonado em menos de um ano.

Quando já era conselheiro delegado da Apple, a empresa acompanhava-o continuamente para que não se desconcentrasse e se lavasse com um pouco mais de frequência.

O livro também relata o seu confronto com os executivos da Apple antes de ser despedido em 1985. Segundo ele, eram "corruptos" e não valiam nada porque só se preocupavam com o dinheiro.

Isaacson também relata os ataques de orgulho de Jobs. No Outono de 2010, Jobs exigiu que o presidente Barack Obama lhe pedisse oficial e pessoalmente que o queria conhecer. Obama mostrava interesse, mas Jobs precisava de um pedido formal.

Depois, quando se reuniram no aeroporto de São Francisco, o presidente da Apple criticou o presidente pelas suas políticas, segundo ele, demasiado à esquerda. "Vai ser um presidente de um só mandato", disse a Obama.

Jobs queixou-se do fácil que era montar uma empresa na China face ao excesso de "regulações e custos desnecessários" e o poder dos sindicatos nos EUA.

Sobremesa na Casa Branca

Quando a Casa Branca organizou um jantar com vários conselheiros delegados, Jobs meteu-se até com o menu, que considerava "demasiado chique". Quis impor os seus desejos para a sobremesa. Nesta ocasião ao menos ganhou o bolo que queria o presidente Obama.

Ainda assim, Jobs continuava a ser democrata e até se ofereceu para desenhar os anúncios para a campanha do presidente de 2012.

O livro também conta que Bill Gates foi uma das últimas pessoas que Jobs quis ver na vida. Comentou com o seu biógrafo como estava feliz ao ver o criador da Microsoft a dedicar-se agora às obras de beneficência. Apreciava-o e admirava o seu "incrível instinto para o que funciona", embora não tivesse boa opinião criativa dele.

"Bill tem muito pouca imaginação e nunca inventou nada. Por isso acho que se sente agora mais cómodo com a filantropia do que com a tecnologia. Roubou sem pudor as ideias dos outros”, dizia Jobs.

Isaacson também relata o amor de Jobs pela estética  e por que começou a usar camisolas pretas de gola alta, com os mesmos jeans azuis e as mesmas sapatilhas cinza.

Tudo começou com uma visita à Sony no Japão no início dos anos 80. Chamaram-lhe a atenção os uniformes dos empregados e o então presidente da empresa, Akio Morita, pô-lo em contacto com o seu desenhador, Issey Miyake.

Ele gostava da ideia japonesa de que todos os empregados fossem iguais e até o tentou com os seus trabalhadores em Palo Alto. Os seus colegas negaram-se, mas ele decidiu fazer um uniforme para si mesmo.

A primeira vez que perguntou a Miyake pelas camisolas, o desenhador japonês enviou-lhe uma centena. Jobs mostrou o seu gabinete a Isaacson, repleto do mesmo modelo da mesma cor. "É isto que eu uso... Tenho o suficiente para o resto da minha vida", disse.



Tradução JURIS - Artigo original

Criado em: 21/10/2011 • 13:06
Actualizado em: 21/10/2011 • 13:06
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO III


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  As pessoas vieram ao mundo para serem amadas.
As coisas foram feitas para serem usadas. O problema é que a humanidade costuma amar as coisas e usar as pessoas.  
Anónimo
^ Topo ^