Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO II - Por que não podemos sobreviver comendo só coelho

talheres.jpgEm 1884 foram resgatados os seis sobreviventes da expedição de Adolphus Greely ao Árctico. Os outros 19, que embarcaram dois anos antes para explorar o norte da Gronelândia, morreram de inanição. E não foi por falta de víveres, já que se alimentaram das abundantes lebres árcticas que caçaram, mas pela quase absoluta ausência de gordura nos corpos dos animais.

A morte por ingestão de carne de coelho (tecnicamente, ‘inanição cunicular’) produz-se por dois mecanismos.

O primeiro, a má nutrição derivada de comer uma carne extremamente magra, como o coelho, sem o complemento de outros nutrientes.

O segundo, o envenenamento por excesso de proteínas: o fígado só pode metabolizar 300 gramas de proteínas por dia. O resto converte-se numa peçonha letal que levar-nos ao cemitério em menos de um mês, não importa o delicioso que esteja o coelho com alho.

Na realidade, a morte por abuso de coelho não é privativa dos roedores, mas extensiva a muitos outros animais selvagens. De facto, também se conhece como ‘mal de caribu’, em referência à rena que habita nos limites do círculo polar árctico. Como bem sabem os esquimós, uma dieta exclusiva de rena (ou combinada com coelho) provoca os seguintes efeitos:

(…) Durante os primeiros dias come-se cada vez mais e mais, até que ao fim de uma semana o consumo inicial multiplicou-se por três ou quatro. Nesse momento mostram-se ao mesmo tempo sinais de inanição e de envenenamento por proteínas.

Fazem-se muitas refeições, mas no final da cada uma continua-se cheio de fome. Não se está bem devido ao inchaço do estômago, repleto de comida e começa-se a sentir um vago desassossego. Decorridos sete a dez dias, começa a diarreia, que não vai passar até que se ingira gordura. A morte virá ao cabo de algumas semanas"
.

Esta prolixa descrição deve-se ao antropólogo Marvin Harris (‘Bom para comer’), sempre tão preocupado pelas coisas do comer.


E que importa isto a quem não é esquimó, nem expedicionário ou nem sequer gosta do coelho? Pode servir para ficarmos alerta quando nos proponham fazer uma dieta hiperproteínica, tipo Atkins. Não queremos ser alarmistas, mas no final dos anos 70, pelo menos 60 pessoas morreram depois de fazerem a Dieta da Última Oportunidade (The Last Chance Diet) que propunha a ingestão exclusiva de proteínas líquidas extraídas de tendões e peles de animais.

Actualmente as dietas ricas em proteínas estão na moda entre um minúsculo grupo de seguidores das dietas paleolíticas, que recusam os alimentos processados, os cereais, os lacticínios e qualquer outra ‘perversão moderna’ (do Neolítico para cá). Não há perigo, sempre que saibam complementar adequadamente o seu regime, segundo explica Darío Pescador, divulgador e autor do blogue Transformer:

“Nos últimos anos demonstrou-se que uma dieta rica em proteínas não é perigosa para os rins das pessoas sãs. O risco não provém de ingerir muita quantidade de um nutriente, mas de descurar os outros. No exemplo dos explorador que sofrem do ‘mal de caribu’, o problema é que comiam só o músculo e não outras partes do animal. A gordura é a principal fonte de vitaminas e de energia na dieta dos esquimós”.

Nisto do controlo de importância, considerar as gorduras e os hidratos de carbono como os maus do filme e as proteínas como os bons é um erro generalizado. Segundo Pescador, “não é o excesso de gordura mas o de açúcar o que mais afecta a saúde. A dieta tradicional dos esquimós, que estão sãos comendo proteína e gordura, é uma prova. A população dos EUA que está doente consumindo grandes quantidades de açúcares e alimentos baixos em gordura, é a prova definitiva”.



Tradução JURIS - Artigo original

Criado em: 13/10/2011 • 00:08
Actualizado em: 13/10/2011 • 00:09
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO II


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Recomeça... se puderes,
sem angústia e sem pressa e os passos que deres,
nesse caminho duro do futuro, dá-os em liberdade,
enquanto não alcances não descanses,
de nenhum fruto queiras só metade  
Miguel Torga
^ Topo ^