Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO II - O verdadeiro mundo de Steve Jobs

Agora que o cancro ameaça vencê-lo definitivamente, o dono da Apple concentra-se no que mais importa: os seus filhos e a sua mulher, Laurene Powell, uma economista de Stanford que conseguiu domesticar o espírito feroz de menino adoptado, confundido, que não tinha claro quem eram os seus. Esta é a história .


Há pessoas em redor
, mas não interferem. É impossível interferirem nesse momento. É um acto público. Uma reunião mundial de programadores de software em San Francisco. E daí? Uma corrente de ternura magnetiza esse casal. Estão sós no que dura esse instante. E enquanto dura são indestructíveis. A cura está na cara da mulher. E a derrota do homem não é mais que aceitação.


A derrota estava prevista faz tempo. Oito anos. Steve Jobs lutava desde Outubro de 2003 contra um cancro no pâncreas. «O meu médico recomendou-me então que voltasse para casa e pusesse em ordem os meus assuntos, o que significa: prepara-te para morrer. Significa que deves dizer aos teus filhos, em poucos meses, tudo o que planeavas dizer-lhes em dez anos. Significa que deves deixar tudo pronto porque tens de despedir-te».

Mas Jobs não estava disposto a render-se. É uma pessoa de espírito feroz. Sabem-no bem os seus empregados da Apple e os seus concorrentes. E tão orgulhoso como para pretender curar-se do cancro fazendo dieta, desprezando o potencial do inimigo, como tentou ao princípio.

«Steve é Steve. Pode ser muito teso», lamentava-se um membro do seu conselho de administração. Submeteu-se a uma cirurgia e, depois, a um transplante. Enquanto continuava a anunciar maravilhas: iPhone, iPad, iCloud... Finalmente, este Agosto passado, aos 56 anos, chegou a hora de pôr em ordem os seus assuntos. Demitiu-se como presidente executivo da Apple. Refugiou-se na sua família.


Porque é um homem de família, cuja privacidade defendeu como um cavaleiro templário. E Laurene Powell Jobs, a sua mulher, é a guardiã do castelo. Só ela soube serenar o sonhador com tendência a descarrilar. Viu para além das filias e fobias que acordava. E não lhe pareceu nem um iluminado nem um déspota. Porque Laurene percebeu o menino adoptado, confundido, que não tinha claro quem eram os seus até que ela apareceu na sua vida.


Conheceram-se na universidade de Stanford. Jobs foi convidado para dar uma conferência e fixou-se naquela estudante de sorriso contagioso que o escutava concentradíssima. Trocaram telefones, mas ele tinha um jantar de negócios e despediram-se ao sair da aula com o vago compromisso de ficar para outra ocasião. Minutos mais tarde, Jobs pensou melhor: «Estava no estacionamento, com a chave do carro na ignição e pensei que se esta fosse a última noite da minha vida preferiria mil vezes passá-la com esta mulher que numa reunião de negócios. De modo que saí do carro, atravessei a correr o estacionamento e perguntei-lhe se queria jantar comigo. Disse que sim, fomos passear até ao centro e temos estado juntos desde então», recordou.

Estão casados há mais de 20 anos. O casamento foi uma cerimónia budista presidida pelo monge zen Kobun Chino Otogawa, guru pessoal de Jobs, que na sua juventude e após acabar de má maneira na universidade (não durou nem um semestre) viajou pela Índia procurando iluminação espiritual. Jobs reconheceu que umas vezes a encontrou na religião e outras no ácido lisérgico (LSD). Laurene, que fez 47 anos, é dez anos mais nova que ele. Mas contribuiu com um bocadinho de senso comum que faltava ao visionário. Por exemplo, que incluísse o peixe numa dieta vegetariana tão estrita que chegou a alimentar-se só de cenouras.


Laurene é uma economista brilhante. Fez dois cursos e um mestrado. Trabalhou como analista de investimentos para Merrill Lynch e Goldman Sachs. Nunca quis viver à sombra do seu marido. Montou uma empresa de alimentação virada para a agricultura biológica e pertence à direcção de Achieva, uma organização que proporciona bolsas a alunos sem recursos. É uma defensora da lei Dream, um projecto que pretende outorgar a cidadania a estudantes sem papéis que cheguem com os seus pais aos Estados Unidos, sendo menores de idade.

«São alunos brilhantes. Cientistas, escritores, enfermeiras e artistas em potencial e a nossa sociedade não pode permitir-se renunciar ao seu talento». Laurene também colabora com várias organizações de beneficência, mas a filantropia não é algo que consiga incutir em Jobs, que não destina nem um dólar a projectos sociais. Segundo antigos empregados, considera estas despesas «uma distracção» de duvidosa eficácia. O contraste com Bill e Melinda Gates, virados para a sua fundação, é notável. As únicas doações que se lhe conhecem são ao Partido Democrata.

Para Jobs, multimilionário desde os 25 anos e com uma fortuna estimada em 5500 milhões de dólares, o dinheiro nunca foi uma motivação. Dormia num colchão em cima do chão numa mansão que não mobilou. Chegou a trabalhar na Apple com um salário anual de um dólar (embora as suas acções valessem 44 milhões). «Tanto dinheiro causa-me hilaridade. É a coisa menos valiosa da minha vida», disse. É alérgico à ostentação. E a residência familiar de Palo Alto (Califórnia) é um templo do minimalismo. Teve um apartamento em Nova Iorque antes de conhecer Laurene que, basicamente, utilizou de "picadeiro". Jobs teve a sua época de conquistador. Entre outras namoradas, passaram pela sua vida a cantora Joan Baez e a actriz Diane Keaton.


Laurene e Jobs têm três filhos: Reed Paul (20 anos), Erin Sienna (16) e Eve (14). foram o seu consolo nos momentos sombrios. Tomar o pequeno almoço com eles no telheiro ou conversar enquanto o sol da tarde aquece o rosto, é este o seu último prazer. Conserva até ao final o seu sentido de humor. Como em 2008, quando a cadeia televisiva Bloomberg publicou por erro o seu obituário. «Os rumores sobre a minha morte são muito exagerados»,disse a rir , citando Mark Twain.

«Quero ser um bom pai. É a única coisa a que aspiro. Gostaria de ser tão bom para eles como foi o meu pai comigo. Penso nisso todos os dias da minha vida», confessou. Quando Jobs fala do seu pai, refere-se ao seu pai adoptivo, a quem idolatraba. Foi adoptado ao nascer e criado por um casal de Silicon Valley: Paul Jobs era maquinista numa fábrica; Clara, contabilista . Ambos faleceram já. Jobs fundou a Apple com o seu amigo Stephen Wozniak na garagem da casa familiar. O pai, um habilidoso, ajudava-os a soldar os protótipos do primeiro Macintosh.


A sua família biológica é outra história. Steve Jobs é filho de Abdulfattah John Jandali, um cidadão sírio, e de Joanne Simpson. Estudavam na universidade. Ela ficou grávida e, pressionados pelo pai de Joanne, decidiram dar o bebé em adopção. No entanto, meses mais tarde casaram-se e tiveram uma menina, Graciosa Simpson, que hoje é uma escritora famosa. Desta vez decidiram combinar-se com a sua filha, mas Jandali abandonou a família ao fim de quatro anos.

Jobs conheceu a história sendo já adulto. Contratou um detective para que procurasse os seus pais biológicos. O impacto foi demolidor. Jobs recuperou o trato com a sua mãe e mantém um relacionamento estreito com a irmã, que escreveu uma novela inspirando nele. «Falamo-nos por telefone a cada dois ou três dias e é uma das melhores amigas que tenho no mundo». Mas com o pai foi inflexível. Não quis saber nada. Jandali, aos 80 anos, pediu-lhe perdão através da imprensa há umas semanas. «Tenho a sensação de que o tempo se acaba. Embora só nos pudéssemos ver para tomar um café, isso far-me-ia muito feliz. Mas Steve não responde às minhas mensagens».


Paradoxalmente, o próprio Jobs viveu uma situação parecida na universidade. Teve um romance com Chris-Ann Brennan, que engravidou e teve uma menina, Lisa. Mas negou-se a reconhecê-la, achando que não era sua. A mãe processou-o e Jobs jurou perante o tribunal que era estéril e negou-se a pagar a pensão.

Lisa foi criada com ajudas estatais para mães solteiras até que Jobs se submeteu a um teste de DNA que confirmou a sua paternidade. A menina já tinha sete anos. Desde então passou longas temporadas com o pai. Hoje tem 33 anos e é escritora. «Lembro-me do meu pai a conduzir, muito calado. Eu sentia-me segura com ele. Sempre lamentei o momento de sair do carro». Jobs baptizou um dos seus computadores com o seu nome. Mas "Lisa" custava 10.000 dólares e foi um fiasco.

«Jobs sempre aspirou a ser imortal, viu-se a si mesmo como Ghandi ou Luther King e encomendou-se à imortalidade das máquinas», escreveu um biógrafo. Mas não há nada mais perecível que uma máquina. O seu legado talvez seja a sua admirável capacidade de surpreender-se a si mesmo e aos outros: «A morte é o melhor invento da vida. Desde os 17 anos, quando me olho ao espelho, pergunto-me se o que vou fazer hoje fá-lo-ia se fosse o último dia da minha vida».

Carlos Manuel Sánchez



Tradução JURIS - Artigo original

Criado em: 05/10/2011 • 13:12
Actualizado em: 05/10/2011 • 13:14
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO II


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Adulto é uma pessoa "que pensa" uma coisa, diz outra e faz o contrário  
^ Topo ^