Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO II - A arte de abordar o chefe para pedir um aumento

Confesso que comprei o livro por causa do magnético e atraente título, do desenho da capa e do tamanho. Era tudo tão adorável que não consegui resistir. E ainda por cima era obra do Perec, de que só li "O infraordinário" e até gostei.

Temos aqui um exercício de estilo Oulipiano cem por cento Perec, um labirinto em forma de desafio linguístico que a editora La Uña Rota lançou pela primeira vez em castelhano, na sua coleção Livros Roubados. E em que consiste o jogo técnico do autor francês?

Tudo parte de um organigrama - incluído no meio do livro - onde se traçam linearmente todos os caminhos possíveis que um empregado de uma qualquer empresa tem de percorrer para solicitar ao seu chefe (de serviço) um aumento de salário.

Imaginem o kafkiano tema: alternativas, hipóteses, what if, decisões tomadas e não tomadas, tentativas frustradas e conseguidas, idas e vindas, lucros e falhanços. Soa-vos a algo? Sim, a vida real…

Pois bem, o livro está apresentado da seguinte maneira: a primeira parte - correspondente ao texto titulado "O aumento" - é precisamente toda essa malha de argumentos do empregado para o despacho do chefe, escrito em forma "perecquiana", frase vai frase vem, até à página 88.

Depois temos o organigrama, ininteligível ou não, depende como se veja ou se leia. A seguir, já narrado em texto corrido, o texto completo titulado "A arte de abordar o seu chefe de serviço para lhe pedir um aumento", onde voltamos a nos encontrar com o mesmo de antes mas com um estilo absolutamente vazio de sinais de pontuação e marcas de qualquer tipo. Tudo seguido, para ficar sem ar, para apalpar ainda mais se cabe a asfixia de um acto asfixiante de per si.

Alguém pensou em "O Processo" ou mesmo "A metamorfose" do enorme Frank Kafka? Pois, eu também. Devo dizer que sou muito amigo dos jogos de palavras em general, de tudo o que Lewis Carroll nos ensinou com "Alice através do espelho" (infinitamente melhor que "Alice no país das maravilhas", mas isso é outra história e deverá ser contadas noutra ocasião) e de qualquer autor que tente esticar ou comprimir as palavras, jogar com elas, dar-lhes novos e velhos sentidos, desentranhar uma nova maneira de escrever e, portanto, de ler. Cortázar, Cabrera Infante, Calvino: quero-vos. Miau.

No posfácio de Pablo Moíño Sánchez - que também traduz o texto na íntegra - são explicadas as vicissitudes por que passou o texto, a tradução e o destino final deste divertimento de Perec (aproveito para dizer que o meu processador de textos do computador converte Perec em Perece, coisa que certamente Perec iria gostar imenso). Também nos descreve o Oulipo desde as suas origens (Queneau, etc…) às suas derivações, etc... Mais miau.

Um pequeno conselho de leitura: não pensem que ao finalizar esta pequena jóia obterão algum segredo, por peregrino que seja, para saber como se aproximar desse ente empresarial chamado "chefe" e pretender que vos aumente essa outra quimera empresarial chamada "salário". Não. Nada mais distante. Remiau.


Byron

Tradução JURIS - Artigo original

Criado em: 09/09/2011 • 18:45
Actualizado em: 09/09/2011 • 18:46
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO II


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Nunca discutas com um idiota. Ele arrasta-te até ao nível dele... e depois ganha-te em experiência.  
^ Topo ^