Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO II - A equipa secreta que filmou o horror atómico


Uma tarde recebi uma chamada de Woody Mark. Disse-me: “George, preciso de ti amanhã para uma prova especial... as bombas vão voar a 10.000 pés sobre as vossas cabeças”.

Eu disse-lhe: “Bom, que tipo de protecção vou ter?” Respondeu-me: “Nenhuma”. Então lembrei-me que tinha um boné de basebol e levei-o por via das dúvidas”.

São palavras de George Yoshitake, homem de 82 anos e um dos últimos sobreviventes da equipa que o Governo dos EUA manteve em segredo durante décadas.

A sua história deixou de estar classificada em 1997 quando o Governo decidiu abrir à luz do dia os documentos e admitir a existência de uma autêntica divisão cinematográfica sediada em Hollywood e dedicada a fotografar e filmar, em segredo, os mais de 200 testes nucleares que o Exército levou a cabo entre 1946 e 1962.


Daqueles homens, apenas restam uns poucos sobreviventes. Muitos deles morreram de cancro como consequência, provavelmente, das fortes radiações a que foram submetidos sem protecção.

Aquela equipa arriscou a vida, como lembram em The New York Times, para gravar umas 6.500 películas nas quais se viam as explosões sobre o deserto do Nevada e os atóis do Pacífico e obter um material que serviu aos cientistas para obter valiosíssimas informações sobre o efeito das bombas e da sua capacidade de destruição.


A loucura por realizar testes nucleares de todo o tipo (subterrâneos, aéreos e até sobre a atmosfera) levou-os a voar por todos os sítios, com manequins, carros, zepelins e em certas ocasiões com animais vivos.

Yoshitake, por exemplo, confessa que não consegue esquecer os efeitos que os testes tinham sobre os porcos, cuja pele tem certa semelhança com a humana.

Mas para realizar tudo aquilo não bastava o esforço de uns quantos profissionais actuando por sua conta e risco. Na verdade, segundo se soube depois, o Exército tinha mobilizado um estúdio completo, situado nas colinas de Hollywood e cujas instalações estavam rodeadas por arame farpado. Pelo menos 250 pessoas, entre produtores, directores e câmaras, trabalharam naquele estúdio secreto situado na avenida Wonderland.



Naquele estúdio escreveu-se um livro (“How to Photograph an Atomic Bomb” ) e fizeram-se alguns documentários. Muitos especialistas trabalham ainda na recolha e restauração do material filmado naqueles anos, um dos melhores testemunhos da loucura que se viveu durante o tempo da Guerra Fria.

Alguns canais, como Atomcentral, estão a enviar para a net algumas das peças gravadas por aquela equipa de cineastas fantasmas. O melhor será mesmo ver esse material e recordar que ainda há milhares de armas nucleares como estas dormindo em silos de todo o planeta. Quem dera que fosse apenas uma lembrança do passado.

Algumas amostras do material filmado pelos estúdios secretos:


 

 

 

 

Criado em: 08/11/2010 • 12:13
Actualizado em: 08/11/2010 • 12:22
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO II


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Em teoria, não há diferença entre teoria e prática. Na prática, há.  Yogi Berra
^ Topo ^