Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO II - O comboio que nunca pára na estação


Engenheiros e cientistas chineses desenvolveram um inovador sistema ferroviário que permite evitar as paragens nas estações para apanhar passageiros, ganhando um valioso tempo que encurta a duração das viagens.

Para isso, emprega-se uma plataforma móvel colocada na estação com os passageiros já no interior, que é acoplada ao comboio quando ele passa pela estação, sem necessitar de parar. Todas estas inovações transformam a China numa referência mundial em sistemas ferroviários de última tecnologia.

Trata-se por enquanto de um conceito apenas, mas o seu desenvolvimento poderá significar um novo paradigma no mundo do transporte ferroviário.

O novo sistema pretende  eliminar o tempo perdido nas paragens que, de acordo com as estatísticas, oscila entre 10 e 20 minutos por estação. No caso dos trajectos de longo curso e com muitas paragens, a chegada ao destino sofre grandes atrasos por esta razão e até hoje parecia impossível encontrar uma solução para este problema.

A duração do trajecto Pequim-Guangzhou, numa distância de 2.475 quilómetros e com 30 paragens, poderia reduzir-se em duas horas e meia em relação ao tempo gasto actualmente.


Plataforma de embarque do comboio em marchaFuncionamento

Como funciona o novo sistema? Os passageiros apanham o comboio subindo para uma plataforma móvel que se integra na formação quando a mesma está em movimento e passa pelo local. A plataforma é similar aos restantes vagões do comboio.

Como podemos ver no vídeo que acompanha este artigo, quando o comboio se aproxima da estação, a plataforma acelera até atingir a velocidade do comboio. Nesse momento, os passageiros entram no comboio em movimento.

Por outro lado, o sistema também serve para fazer deixar os passageiros que viajem até alguma das paragens do destino. Uma vez isolada da formação, a plataforma vai perdendo velocidade até permitir que os passageiros desçam. Ao mesmo tempo, as plataformas que funcionaram em sentido contrário vão voltando às estações originais, garantindo assim a efectividade do sistema.

Trata-se, sem dúvida, apenas de um conceito que ainda requer estudos profundos até poder ser posto em prática. No entanto, é impossível não destacar a utilidade e o avanço que isto significaria para os sistemas ferroviários de alta velocidade. Talvez o maior inconveniente seja o económico já que necessariamente obrigará a uma renovação de comboios e das estações onde se pretenda incorporar esta tecnologia.



Uma das obras que posicionam a China como líder mundial no terreno dos comboios de alta velocidade: a linha costa a costa, que une Beijing a Xangai e requer pontes como o da imagem.
A China na vanguarda

Não é por acaso que este novo conceito tenha surgido na China. Este país asiático transformou-se em líder mundial no campo dos comboios de alta velocidade, integrando facetas como o design, a construção, fabrico de equipamentos ou o controlo de comboios, conformando um sistema ferroviário cuja tecnologia é única no mundo.

Por exemplo, o comboio mais rápido do mundo está na China e também aí se encontram os mais ambiciosos projectos de construção de novas linhas do planeta. Por tudo isso, Beijing será a sede do sétimo World Congress on High Speed Rail, em Dezembro deste ano.

Segundo destaca um artigo de Beijing Review, a China conta com três linhas de comboios de alta velocidade que circulam a mais de 350 quilómetros por hora e foram construídas em terrenos com condições geológicas que não têm precedentes. Foi necessário superar numerosos obstáculos geográficos, que nas redes do Japão, Alemanha e França não existiram.

Por último, a China desenvolve actualmente uma nova tecnologia integrada que combina comboios de alta velocidade, sinais de telecomunicações, controlos de operação e transporte de passageiros e outros elementos, com o propósito de superar a velocidade máxima e oferecer novos níveis de conforto e segurança.

Javier Piacente


Tradução Juris - Artigo original

Criado em: 29/05/2010 • 15:23
Actualizado em: 29/05/2010 • 15:23
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO II


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Quem fez o trabalho? Aquele que o terminou...  
^ Topo ^