Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO II - Cooperação, castigo e hipocrisia


Podemos pensar que as leis morais são impostas por desígnio divino ou achar que, se são um facto natural, devem ser um produto natural da evolução sócio-biológica e, como tal, podem estudar-se cientificamente.

Depois de tudo, uma sociedade formada por uma espécie inteligente que não desenvolva regras mínimas de comportamento está condenada ao fracasso e ao desaparecimento.

A pergunta do milhão é saber como a ética ou a moral aparecem num mundo onde cada um só olha para si mesmo.

Segundo os resultados deste modelo a resposta encontra-se no modo como as pessoas interagem com os seus vizinhos mais próximos e não em sociedade.

O estudo, dirigido por Dirk Helbing, do ETH de Zurique, sugere que, sob certas condições, o comportamento desonesto de alguns indivíduos pode melhorar a sociedade.

Um bem comum, como os recursos naturais ou os benefícios sociais, são frequentemente esgotados porque o interesse de cada indivíduo ignora a sociedade ou o mundo em que vive.

O comportamento cooperativo pode ser forçado mediante o castigo, mas requer tempo e esforço por parte dos outros e estes podem deixar de aplicar as medidas de correcção. Sem estas, os oportunistas ou aproveitadores podem banquetear-se comodamente em detrimento de todos os outros e finalmente esgotar o recurso comum.

A pergunta, mais uma vez, é saber como aparece a cooperação. Foram já propostas a reciprocidade indirecta, a reputação, o castigo ou a recompensa como mecanismos que asseguram a manutenção da cooperação. No entanto, nada disto é necessário para que a cooperação floresça.

Para chegar a esta conclusão os investigadores centraram-se na ideia que os indivíduos se comportam de uma maneira racional em função de como o fazem os vizinhos, em vez de como o faz a população em geral (esta última possibilidade exige bons canais de comunicação que permitam acordos de punição, algo que não faz sentido estar presente).

É aqui que surgem as ideias de Física Estatística. A moral social, segundo este modelo, seria uma propriedade emergente, ideia que se perde noutras aproximações ao problema.

A evolução do sistema vê-se influenciada sob três volúveis: as punições que penalizam os oportunistas, o custo da administração da punição e um “factor de sinergia” que estipula quanto é melhorada a soma das contribuições individuais pela acção colectiva.

O programa escolhe um indivíduo ao acaso e calcula quanto pode ganhar em relação aos seus quatro vizinhos mais próximos dadas as estratégias empregadas por cada vizinho.

Isto é então repetido reiteradamente para outros vizinhos. A estratégia empregada por cada indivíduo é então modificada à luz do sucesso ou fracasso dos vizinhos, deste modo os indivíduos podem imitar aqueles que o fazem melhor que eles.

Depois de correr a simulação, durante 10 milhões de iteracções sob diferentes parâmetros, atingem-se resultados intrigantes. Como era de esperar, se a razão punição /custo e o factor de sinergia eram baixos então todos os indivíduos se transformavam em aproveitadores egoístas, da mesma forma que os moralistas seriam a maioria se esses valores fossem suficientemente altos.

No entanto, também se descobriu que os moralistas podiam ser a maioria mesmo que o custo de administração da punição fosse alto.

Isto devia-se à imitação dos vizinhos que mais benefícios obtinham dando lugar a domínios onde havia cooperativistas e moralistas num mar de oportunistas.

Como os moralistas enfrentavam melhor os aproveitadores que os cooperativistas, acabavam no final por dominar o sistema.

O mais fascinante é que também se encontrou uma colaboração entre moralistas e hipócritas, já que os hipócritas podiam coexistir tanto à custa de cooperativistas como de aproveitadores.

Isto acontecia quando o custo da punição era alto, as penalizações moderadamente altas e a sinergia não muito elevada. Segundo os autores este cenário é apoiado pela existência de hipócritas no mundo real (mesmo que eles os chamem “imorais”).

Segundo um dos investigadores, a contribuição da Física Estatística neste campo pode pode dar lugar a um comportamento colectivo que não pode ser obtido da análise de jogos a dois jogadores. Portanto, os modelos computacionais podem ser considerados pré-experiências que ajudem a desenhar sofisticadas demonstrações em laboratório.

A parte positiva é que este modelo prediz que a fracção de indivíduos que cooperam é maior que nos modelos lineares, onde o bem comum é proporcional à fracção dos que cooperam dentro do grupo.

Talvez isto explique que, apesar de tudo, há indivíduos que ajudam os outros.

Tradução Juris - Artigo original

Criado em: 18/05/2010 • 12:45
Actualizado em: 18/05/2010 • 12:45
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO II


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Quem fez o trabalho? Aquele que o terminou...  
^ Topo ^