Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO II - Ciência e religião - duas visões do mundo


Imagen: NASA
Este é hoje em dia um problema candente que tem uma grande tradição na cultura anglo-saxónica e está a despertar um grande interesse em todo o lado.

Muitas perguntas estão no ar e nem sempre têm respostas correctas.

Serão ciência e religião incompatíveis e opostas? A Igreja perseguiu os cientistas? Galileu morreu na fogueira condenado pela Inquisição? Os papas condenaram a teoria da evolução? A maioria dos cientistas é materialista e ateu?

Continuam a repetir-se hoje muitas afirmações negativas sobre a relação entre ciência e religião, às vezes, com inflamada virulência e alguns vêem na religião um vírus maligno que se opõe ao progresso da ciência.

O tema necessita de uma reflexão séria e serena que examine a relação entre ciência e religião como formas de conhecimento e fenómenos sociais e como foi esta relação ao longo da história, especialmente, em relação ao cristianismo.

Este é o enfoque deste livro. Ninguém pode hoje duvidar que a ciência e a religião são, sem dúvida nenhuma, as duas grandes visões sobre o mundo. Mesmo havendo outras, como a artística, estes duas têm uma extensão e força que as situam como as duas mais importantes atitudes de olhar o mundo.

Em geral, podemos dizer que a ciência trata de compreender a natureza do mundo material que nos rodeia, como surgiu, como o conhecemos e que leis o regem.

A religião, por outro lado, trata do que transcende o mundo material e põe o homem em contacto com o que está além, o numinoso (que se refere a uma deidade), o misterioso, numa palavra com o mistério de Deus e a sua relação com o homem e o universo.

Este é tema central abordado pelo autor, analisando-o sob diversas perspectivas e estabelecendo as relações existentes.

Três abordagens: epistemológica, histórica e sociológica

As relações entre ciência e religião podem abordar-se sob diversos pontos de vista.

Tanto a religião como a ciência são fenómenos culturais que têm estado presentes ao longo da história desde a mais remota antiguidade. Às vezes corre-se o perigo de supor que a ciência começa com a ciência moderna do Renascimento, esquecendo todos os desenvolvimentos anteriores. Isto é um grave erro, já que o nascimento da mesma ciência moderna não pode entender-se sem os desenvolvimentos científicos anteriores.

Remontando-nos aos alvores da ciência na antiguidade podemos encontrar já interacções com a religião. Um interesse especial tem a relação entre cristianismo e ciência, já que a ciência moderna nasce precisamente no ocidente cristão.

Esta relação começa com os primeiros autores cristãos do século III e continua ao longo do tempo até aos nossos dias. Às vezes simplifica-se e apresentam-se conclusões erróneas sobre esta relação ao não ter-se em conta como evoluiu ao longo da história.

O enfoque histórico é, portanto, imprescindível para chegar a uma visão correcta do problema. A religião e a ciência constituem formas de aproximação à realidade, isto é, formas de conhecimento com diferentes peculiaridades. É, assim, importante estudar a diferente natureza de cada uma delas e a relação que pode estabelecer-se entre o conhecimento científico e o conhecimento religioso.

Esta reflexão pertence ao campo da filosofia. A reflexão filosófica, e concretamente a epistemológica, é imprescindível para estabelecer as relações entre ciência e religião como formas de conhecimento. Fé e experiência religiosa formam o fundamento do conhecimento religioso que se formaliza na teologia, enquanto que o conhecimento científico está formado por um marco formal de leis e teorias, relacionadas com uma base empírica de experiências e observações.

Estabelecer claramente a natureza e os limites destes dois tipos de conhecimento é fundamental para poder estabelecer correctamente a relação entre ambos. A religião e a ciência são, para além disso, fenómenos sociais. O seu aspecto sociológico é, portanto, muito importante para conhecer as relações entre elas. Este aspecto é menos conhecido e poucas vezes se leva em conta.

Ciência e religião formam dois sistemas sociais complexos que agrupam experiências individuais e colectivas e que têm as suas normas e padrões de comportamentos que resultam na formação de comunidades com um tipo de estrutura e linguagem própria.

Ambas as comunidades interagem com a sociedade geral em códigos que podem ser de aceitação, rejeição, prestígio e influência com as coerentes interacções entre elas. A afirmação de posições de influência social foi, às vezes, de confrontação entre si.

A incidência normativa da religião nos comportamentos, que desemboca em propostas éticas, interage com a prática da ciência, que não pode alhear-se dos problemas éticos que nela podem surgir.

A preocupação cada vez maior da sociedade pelos problemas éticos, relacionados com a ciência, abre hoje novos campos de relação desta com o pensamento religioso.

Ciência e religião compatíveis ou incompatíveis?

A primeira pergunta que podemos colocar-nos é se ciência e religião são compatíveis entre si ou não. Isto é, se uma e outra podem conviver ou se necessariamente uma exclui a outra e entre elas só pode haver um inevitável conflito.

Não é raro encontrar, ainda hoje, a opinião, às vezes generalizada, que ciência e religião são mutuamente incompatíveis e a relação entre elas foi sempre uma fonte de inevitáveis conflitos.

Consideram-nas como duas visões opostas do mundo, que só podem chocar entre si. Não apenas isto, mas cada uma delas nega a validade da outra. Além disso, hoje defende-se que só a visão da ciência pode ser a verdadeira, pelo que a visão religiosa tem que ir  desaparecendo a pouco e pouco.

Deste ponto de vista, o avanço da ciência implica sempre um retrocesso da religião. Para apoiar esta posição faz-se muitas vezes uma interpretação sossegada da história e trazem-se sempre os mesmos casos de Galileu e Darwin.

Mesmo que se faça retroceder esta posição até às origens da ciência moderna (que na verdade começa no século XIX e encontra alguma raízes no século XVIII), pretendendo com isso dizer que a própria ciência só pode estar em conflito com a religião. Dois livros publicados por John W. Draper e Andrew D. White no final do século XIX contribuíram de maneira especial para a divulgação desta posição.

Draper, sobretudo, nos seus ataques mais furiosos contra a Igreja católica diz que o cristianismo católico e a ciência são absolutamente incompatíveis. Estes dois livros passaram a representar a postura que mantém a incompatibilidade e o conflito inevitável entre ciência e religião.

Depois da segunda guerra mundial dá-se uma mudança nestas posturas. Por um lado, começa-se a abandonar a euforia que tinha favorecido a ideia da incompatibilidade e o conflito inevitável entre a ciência e a religião. Da admiração sem limite pela ciência, foi-se passando para um olhar mais crítico e ainda para um certo receio, causado pelo perigo de algumas das suas consequências.

Por outro lado, os novos estudos históricos mostraram que muitos dos argumentos usados por Draper e White não têm uma base histórica séria. As relações entre a ciência e a religião ao longo da história foram complexas e não é possível reduzi-las a uma absoluta incompatibilidade e contínuo conflito.

Numerosos estudos históricos dos últimos anos, que abordam temas tão delicados como as épocas de Galileu e Darwin, demonstraram bastante claramente que nem só o necessário conflito nem a contínua harmonia reflectem as complexas relações entre ciência e religião.

Trata-se de duas visões autónomas do mundo entre as quais se deve estabelecer um frutuoso diálogo e que podem considerar-se como complementares. Alguns autores procuraram uma certa integração entre ambas, mas isto resulta mais problemático.

A origem do universo, a vida e o homem

O homem sentiu sempre necessidade de compreender a natureza e a origem das coisas que o rodeiam e também o conjunto de todas elas, isto é, o universo e de uma maneira especial a vida e si mesmo.

Ao longo do tempo estas concepções do universo ou cosmologias foram mudando até chegar à que temos hoje, que sem lugar para dúvidas mudará também nos séculos futuros.

A par da visão da natureza do universo, coloca-se também a da sua origem e como chegou ao que hoje vemos. Ao enfrentar-se com o universo, e procurar dar uma resposta às perguntas que se lhe colocam sobre a sua natureza e origem, o homem adopta diversos pontos de vista, que hoje podemos separar como científico, filosófico e teológico.

Estes pontos de vista estão hoje mais ou menos separados, mas durante muito tempo estiveram misturados. Ainda agora, apesar de não serem reconhecidos muitas vezes, estes pontos de vista, confundem-se com questões que cruzam inadvertidamente as fronteiras que estabelecemos entre eles.

Em relação a estes temas continuam no ar questões que cruzam a fronteira da filosofia e da teologia - campos importantes da relação entre ciência e religião.

Uma questão importante é considerar as concepções que o homem teve da natureza e da origem do universo ao longo da história e a imagem que hoje nos dá a ciência actual e ver como se relacionam com o que as religiões nos dizem sobre o mesmo tema.

O problema tem a ver com as relações que se estabelecem entre o mundo e a divindade em cada pensamento religioso. As tradições orientais participam de um certo panteísmo e imanentismo, no qual a separação entre o mundo e a divinidade fica desfocada numa concepção cuja última realidade é unitária.

Nelas se encontra a ideia de um universo eterno, cíclico que ultimamente tem o seu fundamento num último princípio omnipresente e incognoscível, além do ser e não-ser, quer seja Brahma ou Tao, com o qual finalmente se identifica.

Não há um verdadeiro conceito de criação, mas o próprio universo é como uma extensão do que podemos considerar como o âmbito do divino e não diferente dele. As ideias da unidade e a mudança ocupam um papel importante, já que o universo é ao mesmo tempo eternamente em mudança e o mesmo, que nasce, se desenvolve, morre e volta a nascer e que não é realmente diferente do princípio divino com o qual se identifica e cujos avatares se manifestam na natureza.

O Deus criador do Islão

Na tradição judaico-cristã recolhida também pelo Islão encontramos uma novidade sobre o entendimento das tradições orientais que consiste na concepção absolutamente monoteísta e transcendente de um só Deus que se revela na história e que é o criador do céu e da terra, isto é, de tudo o que existe.

O povo judeu cria esta concepção de Deus e do mundo nos seus escritos reunidos nos diversos livros da Bíblia. Estes escritos, aceites na Bíblia cristã, são a base de uma elaboração posterior de acordo com a fé cristã. Eles servem, também, de base à concepção de Deus criador do Islão.

A importância desta tradição é grande, já que a ciência moderna nasce no contexto cristão de ocidente e nela influiu a sua concepção do mundo como diferente de Deus e criado por ele. Um elemento chave no nascimento da ciência moderna é a proposta de um novo modelo cosmológico heliocêntrico que vai substituir o geocêntrico, vigente desde a antiguidade e elaborado pelos grandes astrónomos gregos.

Este modelo cosmológico geocêntrico adaptado ao pensamento cristão deu origem à imagem do universo que vigorou durante toda a Idade Média. A proposta da nova cosmologia foi obra de Nicolás Copérnico e Galileu Galilei defendeu-a, vindo a dar origem a um dos conflitos mais famosos entre ciência e religião.

O problema centrou-se no confronto entre a interpretação literal dos textos da Bíblia que apresentavam a Terra imóvel e o Sol em movimento e a nova proposta cosmológica da Terra girando em volta do Sol.

Este problema vai levar à condenação pela Igreja do sistema de Copérnico e mais tarde ao de Galileu por defendê-lo publicamente no seu livro. Muito se escreveu sobre esta condenação, o que não há dúvida é que se tinha cometido um grande erro e uma grande injustiça.

Na verdade, quem saiu mais prejudicada foi a própria Igreja que teve de carregar desde então com o peso de uma decisão errada que marcou negativamente a sua relação com a ciência.

Mesmo que a prudência pudesse aconselhar então uma certa precaução sobre a aceitação do novo sistema cosmológico, isto não justifica que fincasse pé na interpretação literal das Escrituras e o condenasse como opositor da fé cristã e, menos ainda, obrigasse Galileu a abjurar.

As autoridades eclesiásticas não souberam desligar-se das questões astronómicas, onde nunca deviam ter entrado e, arrastados por uma interpretação literal da Bíblia, chegaram a considerar como doutrina herética, ou pelo menos suspeita de heresia ao heliocentrismo.

Génesis e criação

No ocidente cristão, o relato do Génesis sobre a criação, que se aceitava literalmente, implicava que as espécies animais e plantas tinham sido criadas cada uma independentemente a longo de seis dias. Os comentários a estes textos não farão mais que recalcar esta ideia da criação directa de Deus de cada uma das espécies de plantas e animais e especialmente a criação do homem à sua imagem e semelhança, dando ao universo uma duração de aproximadamente 6000 anos.

Esta visão vai entrar em colisão com os avanços da geologia e a proposta de Charles Darwin da teoria da evolução na qual se propõe o mecanismo da selecção natural para explicar a origem das espécies, incluindo o homem, desde aproximadamente os primeiros seres vivos.

Apesar de ter havido inicialmente, do ponto de vista puramente científico, uma certa oposição, a teoria da evolução foi-se impondo, de modo que em vinte anos o acordo entre a comunidade científica era já quase unânime.

Está claro que as ideias de Darwin sobre a evolução chocavam com muitos aspectos da doutrina tradicional cristã, entre eles, a natureza da acção de Deus no mundo, a finalidade da criação, a historicidade do relato da criação interpretado literalmente e a história da criação do homem a imagem de Deus.

Não faltaram desde o princípio as interpretações puramente materialistas, do que se chamou o “naturalismo evolutivo” que seria utilizado contra a doutrina cristã da criação e a providência.

A selecção natural apresentava uma proposta de naturalismo rigoroso, no qual não se descobria a necessidade da acção de nenhum agente externo para explicar o desenvolvimento e a evolução das espécies. Para o pensamento ortodoxo cristão isto representava um eliminar da consideração da natureza toda referente a um Deus criador.

É lógico que a evolução se percebesse como uma ameaça para a religião. O estender pontes entre as duas doutrinas tornou-se difícil no início, quando, para além disso, as mesmas bases científicas do mecanismo da evolução continuavam ainda em debate.

À medida que a teoria científica se foi consolidando e os mecanismos da selecção natural se tornaram mais claros, a sua aceitação pelo pensamento cristão foi-se tornando cada vez mais necessária.

Apesar de durante um tempo as posturas evolucionistas se considerarem suspeitas em ambientes eclesiásticos, a sua aceitação acabou por impor-se. A evolução do universo e a vida sobre a terra mostram como Deus criou o mundo.

Ética, ciência e religião

A ciência pode considerar-se como uma actividade humana e como uma forma de conhecimento. No primeiro caso, como qualquer actividade humana, pode perguntar-se se a sua prática deve ajustar-se às normas da ética e no segundo se os seus conhecimentos contribuem algo para essas normas.

O primeiro aplica-se também, com mais razão, à técnica como aplicação prática da ciência às diversas necessidades humanas. Por outro lado, toda a religião comporta normas comportamentais e tem, portanto, uma dimensão ética.

Desta forma, o problema ético é inevitável ao tratar-se das relações entre ciência e religião. Ambas incidem no campo da ética e isto pode levar a fricções e conflitos entre elas.

Podemos começar por questionar o comportamento ético dentro da prática da própria ciência e se ela pode fornecer os princípios do seu comportamento ético ou se é necessário que aceite valorações que se baseiam em outros âmbitos do conhecimento humano.

A estas considerações podemos chamar a ética interna da ciência. É cada vez mais patente, que na mesma prática científica, as normas éticas do comportamento devem de ser respeitadas.

Entre os cientistas, os físicos concluíram muitas vezes que a conduta não-ética é neste campo da ciência um verdadeiro problema. No entanto, muitas vozes se levantaram para reconhecer que esta postura deve ser abandonada. O comportamento ético não pertence só às ciências aplicadas ou à tecnologia, mas a toda actividade científica. Com efeito, reconhece-se hoje que existem muitos problemas na prática da ciência que devem reconhecer-se como comportamentos não-éticos.

Passemos agora ao problema do que podemos chamar a ética externa, isto é, a ética que tem a ver com os resultados da ciência. Trata-se agora, portanto, da ética afecta ao uso dos resultados da ciência.

A responsabilidade sobre os resultados do trabalho científico abre uma ampla gama de considerações. Pode-se falar neste contexto de uma ética pessoal de cada cientista e também de uma responsabilidade colectiva da comunidade científica.

Esta responsabilidade pessoal e colectiva considera que hão-de estar sempre presentes as possíveis consequências que derivam do trabalho científico. Hoje isto adquire uma importância maior, devido ao papel primordial que a ciência adquiriu no desenvolvimento material e crítico da nossa sociedade.

Esta responsabilidade não se pode excluir nunca e estende-se a todo o trabalho científico, mesmo que em si mesmo se considere afastado de toda a aplicação prática. Mesmo que hoje os projectos científicos incluam um grande número de investigadores e técnicos, isto não exclui de responsabilidade cada um deles.

O investigador não pode amparar-se na colectividade para desinteressar-se da sua própria responsabilidade. Esta responsabilidade obriga cada um, e à colectividade, a fazer todo o possível para que os resultados do trabalho científico se empreguem só para o bem do homem e da sociedade.

Em algumas ocasiões esta responsabilidade pode levar a tomadas de decisão com consequências pessoais graves, mas que não podem ser descartadas. O autor acrescenta, como exemplo, os problemas da ética meio ambiental.

Conclusão

O tema da relação entre ciência e religião é vasto e aqui ficaram apenas umas breves anotações sobre alguns capítulos do livro de Agustín Udías. Convém lembrar a amplitude dada aos temas históricos com os quais se pretende esclarecer muitos mal-entendidos que obscureceram a compreensão da relação entre ciência e religião, a análise das relações que se podem estabelecer entre elas e como incidem ambas nos problemas éticos.

Javier Monserrat
professor na Universidade Autónoma de Madrid, é membro da Cátedra CTR



Criado em: 12/05/2010 • 13:47
Actualizado em: 13/05/2010 • 13:30
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO II


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Quando se agarra uma pedra muito grande, é sinal que não se atira  
^ Topo ^