Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO II - O segredo do diamante negro da cozinha

trufas1.jpg

As trufas escondem-se no interior da terra. Nenhum indício assinala que aí estão. Florestas de azinheiras, de carvalhos e de aveleiras há muitas, mas muito poucas com raízes que desenvolvam uma peculiar simbiose com os fungos subterrâneos.

Antigamente, a trufa apanhava-se, não se cultivava. O lugar secreto onde se escondia dizia-se em segredo e só uns poucos eram capazes de as encontrar. Passaram muitos séculos, os que separam os faraós egípcios da sociedade industrial, para que a agricultura conseguisse imitar a natureza. Assim o apreciado fruto, foi servido nas melhores mesas, aproximou-se da cozinha popular e hoje o seu aroma pode enriquecer pratos domésticos.

trufas2.jpg

Entre as árvores

O cultivo de trufas é complexo e incerto. Trata-se de escolher um terreno onde plantar árvores hospedeiras de fungos que em troca de carboidratos alimentam as raízes com minerais. Pode resultar, ou não.

Hão-de passar pelo menos cinco anos para se descobrir o primeiro sinal de sucesso. É um aspecto a queimado onde só existe a árvore e a trufa, e só eles. As outras ervas desaparecem, expulsas pelo efeito antibiótico que tem o micélio da trufa expandido pelo solo e que impede a germinação de outros vegetais.

trufas3.jpg

trufas4.jpg

Debaixo da terra


Só o olfato treinado de um cão (ou de um porco) é capaz de detectar onde se esconde a peça procurada. Passados nove meses da plantação, o aroma revela-se e as patas do cão indicam ao caçador o lugar onde se esconde.

Não cava a terra, pois é necessário uma altura de terra de cinco a dez centímetros de protecção

trufas5.jpg

Oculto à aparência

O fruto é estranho, maduro, estéril. Com um diâmetro entre os 3 e os 7 centímetros, pode chegar a pesar 300 gramas, mas, por norma, não ultrapassa os 50. A carne é dura, coberta por uma pele fina e rugosa e desprende um cheiro fortíssimo a terra fértil molhada. Um aroma intenso, delicado, amargo, perfumado. Inconfundível.

trufas6.jpg
 
trufas7.jpg

Conservação


Depois de arrancada da terra, a trufa começa a perder qualidades. O aroma, o seu principal valor, baixa de intensidade em poucas horas. Admite dez dias de conservação a uma temperatura entre 0 e 2 graus, em recipiente fechado, mas não hermético, que lhe permita respirar.

trufas8.jpg

Sempre limpa, escovada e seca chega ao mercado onde os preços estão marcados pela oferta, sempre escassa, e a procura, cada ano maior. O quilo de trufa oscila semanalmente. E se um dia se pagou 350 euros, sete dias depois o número pode multiplicar-se por dez. Só há três meses de leilão em que coincide a colheita e a compra-venda deste género único com que se elaboram receitas e produtos excelentes.

trufas9.jpg

Mais aroma, mais sabor

O valor da trufa como aromatizador e potenciador de sabores e fragrâncias foi conhecido pelas culturas mediterrânicas ao longo de toda a história, apesar de o puritanismo medieval o ter ocultado e os excessos da Belle Époque quase a terem feito morrer de sucesso.

No século XXI o seu uso popularizou-se. O receituário é extenso e se é bem certo que a trufa é cara pela sua escassez, também fica a certeza de que basta apenas um pouquinho ou umas gotas de sumo para deixar patente a sua presença e descobrir os segredos do diamante preto da cozinha.

Fotos - Ruben García Blázquez

Tradução Juris - Artigo original

Criado em: 04/05/2010 • 21:30
Actualizado em: 04/05/2010 • 21:37
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO II


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Ambição é encostar um escadote ao céu  Provérbio Índio
^ Topo ^