Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO II - Os efeitos colaterais do acordo ortográfico

acordo_ort.jpgO acordo ortográfico está a trazer graves repercussões a nível internacional para o português de Portugal.

Unificar a ortografia da língua portuguesa que, atualmente, é o único idioma do ocidente que tem duas grafias oficiais — a do Brasil e a de Portugal”, esse é o principal objetivo do acordo ortográfico elaborado em 1990 e ratificado pelo Brasil em 2004." (Guia do Acordo Ortográfico [pdf])

É precisamente este entendimento que está a levar a comunidade internacional a preterir e abandonar as traduções e o uso do português de Portugal. Argumenta-se que o acordo resolve 98% das diferenças ortográficas. Logo, português do Brasil ou de Portugal são iguais e poupa-se, assim, trabalho e dinheiro.

Quem quer que defenda, cá dentro ou lá fora, tal monstruosidade não deixa de revelar uma total confusão entre forma e conteúdo. O que aproxima ou afasta portugueses e brasileiros não é a forma (ortografia), mas o conteúdo.

Em matéria de conteúdo (expressão oral ou escrita) ambos os povos necessitam, por vezes, de um tradutor, porque praticamente tudo causa estranheza e em muitos casos há um desconhecimento total do significado das palavras e da forma de dizer.

Veja-se este pequeno vídeo. É apenas uma gota de água no oceano.

Cristovão Tezza, escritor brasileiro, afirma: "Se meu livro, escrito em brasileiro, pode ser traduzido para o catalão, porque não para o português?" cry

Diz o texto oficial:
o acordo constitui um passo importante para a defesa da unidade essencial da língua portuguesa e para o seu prestígio internacional”.

O relegar para segundo plano o português de Portugal na comunidade internacional por causa do presente acordo não prestigia nem Brasil, nem Portugal, nem a língua de Camões.

Não se previa? Pelos vistos, não. Andou-se demasiado tempo a jogar com as palavras, a mascarar a realidade com manifestos de unidade. Enquanto isso, tornou-se lei: a forma é mais importante que o conteúdo. O vazio reina.

Criado em: 03/05/2010 • 12:54
Actualizado em: 03/05/2010 • 13:27
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO II


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°1 

Abel 13/10/2010 • 03:23

Trata-se, apenas, de um acordo ortográfico, não de uma convenção de conteúdo.

Que mal haverá nisso?

Uma Língua fala-se e, por vezes, escreve-se.

Em matéria de conteúdo, não é raro haver necessidade de um "tradutor" para esclarecer o sentido de um texto, oral ou escrito, de um Beirão a um Alentejano.

Quanto ao tal Tezza que, pelos vistos, escreve em "brasileiro", sempre direi que deve andar enganado. O rapaz, que até se chama Cristóvão, escreve, bem ou mal, em Português, embora isso lhe custe, coitadinho.

Cordiais cumprimentos.

Abel Dias Ferreira


  É impossível para um homem aprender aquilo que ele acha que já sabe.  Epíteto
^ Topo ^