Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE OPINIÃO - Teste de Direito Constitucional

Um teste de Direito Constitucional aparece hoje no Diário de Notícias, com chamada de primeira página, numa caixa de título Polémica, onde se lê: "Professor compara casamento 'gay' a união com animais". Pode ler-se abaixo na íntegra.

Ocorre-nos de imediato o célebre ditado oriental "quando um homem aponta para o céu, o néscio olha para o dedo".

O problema está mesmo aqui. Na perversão do conceito dos fins dos testes académicos. Eles pretendem aferir a capacidade de raciocínio, argumentação, a criatividade perante desafios e novas situações, juntando a tudo isso fundamentações legais como prova de conhecimentos técnicos adquiridos.

Mas não, não se foi por aqui.

As motivações falaram mais alto e embarcou-se pelo impensável: o aluno transforma-se em avaliador e já chumbou o professor pelos desafios que este lançou para o avaliar.

Pouco importa o tema ou assunto em causa. Em matéria de Direito cabe tudo, mas tudo mesmo. O mesmo se diga com a mesma latitude para os testes académicos (que é disso que se trata).

Quem discorda ou aplaude tem uma soberana oportunidade para mostrar o que vale, esgrimindo argumentos, desmontando ou cimentando conceitos, desbravando doutrina, juntando jurisprudência, promovendo o debate com direito comparado, mostrando possuir uma cultura que não se confina às bibliografias recomendadas.

Mas não, não se foi por aqui.

Aproveitar o teor de um teste de Direito Constitucional para fazer bandeira de motivações próprias, nada tem a ver com o Direito.

Diz o jornal que a aluna que desencadeou a denúncia no Facebook ainda não conseguiu fazer a cadeira de Constitucional do 1º ano e é filha do advogado que há vários anos representa o casal lésbico que travou várias batalhas jurídicas pelo direito a casar.

Acrescenta também que a indignação - que já se estendeu à ILGA e a um grupo de estudantes do 2º e 4º anos - que a levou a divulgar o teste de Constitucional se deve ao facto de "as comparações feitas na prova serem atentatórias da dignidade da pessoa humana".

Sendo o conhecimento da língua a ferramenta mais importante do jurista, passemos ao português e perguntemos: onde estão as comparações? O texto é esclarecedor. Elas não existem.

Mas o título da primeira página do jornal é claro: «Professor compara casamento 'gay' a união com animais». Assim vende-se mais.
 
teste_constitucional.jpg

Martins de Pinho

Criado em: 23/04/2010 • 16:51
Actualizado em: 23/04/2010 • 16:54
Categoria : ARTIGOS DE OPINIÃO


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°2 

Arcanjo_Lopes 25/04/2010 • 19:44

Não é preciso fazer qualquer esforço mental para se perceber que a denúncia foi um acto ressabiado: um chumbo prévio a Constitucional e uma inclinação para a defesa da causa em que professa, são mostra disso mesmo.

Os argumentos - da treta - apenas demonstram o oportunismo para trazer à ordem do dia o tema em causa.

Deixo-lhe apenas uma consideração: enquanto aluna de Direito, prove que é boa. Estude primeiro e debata depois. Tem argumentos? Ponha-os em cima da mesa e fundamente-os. É assim que se actua, sabia?

Um partido holandês (PCLD) defende a relação sexual entre humanos e animais. Isso deve ser um bocadinho avançado demais para mentes quadradas, não?

  Caminante no hay camino, se hace camino al andar.  Antonio Machado
^ Topo ^