Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO II - Até quase às estrelas

 

 bloon-viaje-globo.jpg


A atmosfera terrestre torna-se menos densa à medida que se sobe, chegando ao ponto de a quantidade de ar por unidade de volume ser tão pequena que a aerodinâmica perde todo o sentido e os aviões não podem sustentar-se.

É neste ponto que se considera começar o espaço. Estabeleceu-se que ficaria a 100 km de altitude e denomina-se Linha de Kármán, em memória do engenheiro Theodore von Kármán que estabeleceu muitas das bases da aerodinâmica moderna.

Qualquer voo abaixo desses 100 km não é “espacial”. Mas não é preciso chegar tão alto para realizar uma viagem que realmente promete ser emocionante e assustadora.

A cerca de 36 km de altitude – onde os motores a reacção já não funcionam - pode ver-se a curvatura da Terra e as estrelas sobre o céu negro, mesmo que seja de dia.

E é aí que
a empresa espanhola Zero2Infinity, localizada em Barcelona, quer levar passageiros  com o projecto do globo estratosférico Bloon.


A ideia de Zero2Infinity

bloon-viaje-globo-4.jpg


A ideia de José Mariano López Urdiales, engenheiro aeronáutico, é proporcionar a experiência de tocar a fronteira entre a Terra e o espaço de forma acessível, perto e limpa ao maior número possível de pessoas.

Apesar de existirem projectos muito avançados de “turismo espacial” - como o que está a ser desenvolvido pela Virgin, com o seu SpaceShipOne - o certo é que depois de atingida uma certa altitude (30 ou 40 km) subir mais não muda muito as vistas, apenas torna tudo mais caro e mais difícil.

Ver vídeo: bloon's flight simulation
bloon's flight simulation [:15 min.]


Enquanto que uma nave impulsionada por foguetes atinge a altitude máxima (100 km) numa questão de minutos, o voo de Zero2Infinity torna-se numa tranquila, silenciosa e calma subida que pode saborear-se durante duas horas e permite dedicar o tempo a observar com pormenor as vistas do céu e da terra a partir de uma posição perto do espaço enquanto se ouve música, se aprecia um delicioso jantar e se observa o céu com um telescópio. Até pode servir como local mais que privilegiado para assistir, na primeira fila, aos eclipses.


O veículo

bloon-viaje-globo-2.jpg


O veículo proposto por Zero2Infinity consiste num globo similar aos utilizados para estudar o clima e a meteorologia que há anos atingem essas altitudes de forma rotineira. Aliás, são cada vez mais os globos caseiros que chegam até ali e obtêm impressionantes imagens das vistas que dali se desfrutam.

O actual recorde de subida em globo tripulado está precisamente estabelecido nesses 36 Km, de modo que chegar ali de forma segura é possível.

O veículo Zero2Infinity consta de três partes essenciais: um enorme globo com cerca de 100 metros de diâmetro, cabos de união e a cápsula pressurizada, de aproximadamente 4,5 metros de diâmetro e com amplas vidraças onde viajam, comodamente e à vontade, os quatro passageiros e os dois membros da tripulação, e onde se alojam os sistemas de voo.


O voo num globo

bloon-viaje-globo-3.jpg


A subida começa com o enchimento progressivo do globo com hélio, um gás mais leve que o ar. Uma horas depois da descolagem já se atingiu a altitude máxima. O globo permanecerá ali até às duas horas de voo e inicia-se depois a descida, soltando-se o globo de gás e abrindo-se os pára-quedas que farão descer suavemente a cápsula até ao solo.

Opcionalmente, pode desfrutar-se de uns momento de microgravidade e até de gravidade zero desde que se solta o globo e a cápsula começa a cair, precisamente antes da abertura dos pára-quedas.

Mesmo que o vôo de Zero2Infinity seja um “modesto passo”, nas palavras de López Urdiales, para a banalização dos voos perto do espaço, ainda faltam uns quantos anos antes que possam explorar-se de forma comercial. Não será antes de 2014.

O preço – pelo menos inicialmente - também não estará ao alcance de todos (custa 110.000 euros o bilhete) mas não será por isso que deixará de ser um projecto emocionante que aproxima um pouco mais o sonho de se ver a Terra desde “quase” o espaço.




Criado em: 16/03/2010 • 19:46
Actualizado em: 16/03/2010 • 20:41
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO II


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°1 

Carlos 16/03/2010 • 21:38

Adorei!

  Que a tua sabedoria não seja uma humilhação para o teu próximo  Omar Khayyam
^ Topo ^