Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO II - Dez coisas a não comprar a partir de 2010

SmartMoney identificou dez produtos ou serviços que ficarão obsoletos em 2010 devido aos avanços tecnológicos e à necessidade de maior eficiência energética. O DVD, as assinaturas de jornais, as câmaras digitais ou as linhas fixas de telefone, são algumas delas.

Enquanto algumas pessoas se afligem por não conseguirem acompanhar a tecnologia, existem outras que se tornaram viciadas em todos os produtos inovadores que surgem no mercado para facilitar e tornar mais interessante certos hábitos e necessidades dos seres humanos.

O certo é que quando muitos pensam que adquiriram um produto que é o último grito da tecnologia, sai algo inovador e revolucionário que transforma instantaneamente aquilo que temos num modelo antigo e, provavelmente, obsoleto.

Recomendações de SmartMoney

SmartMoney (da The Wall Street Journal) fez uma lista das dez coisas que não se devem comprar em 2010 por se estarem a converter em produtos ou serviços obsoletos:

DVDs - SmartMoney pensa que o aluguer de filmes nas lojas de vídeo tem os dias contados. Grande parte das lojas da Blockbuster estão a fechar e, comparando o preço médio a que se vende um DVD com o preço mensal de uma subscrição de serviços, como Netflix ou Verizon, onde se pode ter filmes ilimitados por mês, a conclusão é óbvia.

Linha de telefone fixo em casa - De acordo com o artigo, o fim das linhas de telefone fixo é uma certeza e apenas uma questão de tempo. Nos Estados Unidos já há estudos sobre as casas que têm telemóvel em vez da linha fixa.

Isto acontece porque são cada vez mais as opções oferecidas para substituir estas linhas e planos por programas como o Skype, que permite falar gratuitamente com outros utilizadores no mundo inteiro através da Internet.

Discos duros externos - Neste ponto menciona-se a necessidade de armazenamento de grandes quantidades de ficheiros (música, fotos, documentos...) que, em vez de serem armazenados localmente, passarão a ser guardados em linha possibilitando o seu acesso a partir de qualquer lugar através da Internet.

Telemóveis inteligentes - A referência aqui é para os dispositivos móveis inteligentes diferentes do Blackberry e do iPhone, que lideram o mercado (e irão continuar a fazê-lo), o que, de acordo com o artigo, se repercutirá num menor desenvolvimento de aplicações para telefones de outras marcas diminuindo ainda mais as suas vendas.

Câmaras digitais compactas - SmartMoney considera que o que foi tão indispensável durante os últimos dez anos para milhões de pessoas, como a câmara digital compacta, poderia ficar para trás ao ser substituída pela câmara reflex que permite obter imagens muito mais fiéis no momento de as tirar.

Apesar de serem máquinas mais caras e um pouco maiores, a sua popularidade foi aumentando lentamente durante nos últimos anos e a oferta passa por marcas como a Sony, Olympus, Nikon e Canon.

Assinaturas de jornais - Não é segredo para ninguém que a enorme crise por que passaram os periódicos e os meios impressos em geral durante os últimos anos, diminuiu a publicidade e a circulação de importantes e reconhecidos jornais e revistas do planeta, tendo muitos deles já as portas fechadas.

Isto deve-se ao «boom» dos meios digitais, a maioria de acesso gratuito através da Internet. Há que juntar a esta realidade o aparecimento dos famosos leitores electrónicos que permitem ler livros, jornais, revistas e blogs…

CDs - Depois da crise por que passou a indústria da música e do fecho de grande parte dos pontos de venda de enormes lojas musicais como a Virgin Records e Tower Records, é evidente que os CDs são coisa do passado.

Os diferentes programas que permitem descarregar música através da Internet a bons preços, incluindo o grande líder, iTunes, mudaram a forma de comprar música para sempre, oferecendo a possibilidade de escolher canções individuais sem ter de comprar álbuns completos de um mesmo artista.

Por outro lado, o iPod e os demais reprodutores de MP3 também desempenharam um papel fundamental nesta mudança, ao permitirem carregar grandes quantidades de música em aparelhos pequenos e leves.

Livros escolares novos - O artigo assegura que já são muito poucos os que compram textos escolares novos devido às muitas opções que têm para economizar, adquirindo livros usados ou descarregando-os da Internet a preços muito baixos ou de forma gratuita.

Automóveis de consumo elevado a gasolina - Neste ponto, a SmartMoney menciona os altos preços do petróleo durante a última década e a tendência dos fabricantes de automóveis para criarem veículos mais eficientes quanto ao consumo de gasolina, o que afastará as pessoas de comprar carros de alto consumo.

Casas e electrodomésticos ineficientes no uso da energia - Os autores do artigo afirmam que anteriormente se procurava funcionalidade e bom aspecto nos electrodomésticos e outros equipamentos caseiros, mas asseguram que agora há um novo elemento: o da eficiência energética e a certificação em diferentes aspectos relacionados com o meio ambiente.

O público demonstrou estar disposto a pagar preços mais altos para proteger a natureza e reduzir as suas contas de água e energia.

É um facto: a tecnologia tem agora um novo requisito cada vez mais importante para os consumidores: à inovação e utilidade deve somar-se a economia, a eficiência energética e o cuidado pelo meio ambiente.





Criado em: 14/03/2010 • 02:31
Actualizado em: 14/03/2010 • 02:33
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO II


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Há duas palavras que abrem muitas portas: puxe e empurre.  Anónimo
^ Topo ^