Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO II - A matemática ajuda a predizer o comportamento criminal

Gosta da série Numb3rs? Então talvez goste de saber que a série não está tão longe da realidade como em princípio se poderia imaginar.

O antropólogo Jeffrey Brantingham e os matemáticos Martin Short e Andrea Bertozzi, da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, usaram as Matemáticas para calcular como os movimentos de criminosos e vítimas criam oportunidades para o crime e como a polícia pode reduzir esta criminalidade.

Jeffrey Brantingham estuda também os caçadores recolectores do norte do Tibete. Segundo ele os criminosos comportam-se essencialmente como caçadores recolectores: forrageiam em busca de oportunidades para cometer um crime.

O comportamento dos caçadores recolectores, que os faz escolher entre um touro e uma gazela, usa o mesmo tipo de cálculo que o que é utilizado por um criminoso para escolher entre um Honda ou um Lexus como objectivo do seu crime.

Estes investigadores analisaram a natureza dos pontos quentes onde ocorrem os crimes através de modelos matemáticos sofisticados para assim determinar os padrões de comportamento criminal do sistema urbano. Segundo eles, os resultados podem aplicar-se não só a Los Angeles como a outras cidades.

O modelo matemático obtido é não linear e desenvolve padrões complexos tanto no espaço como no tempo. Aparentemente, as equações implicadas, que são similares às que descrevem as reacções moleculares, a difusão ou terramotos e as suas réplicas, explicam como se formam os pontos quentes locais onde ocorrem os crimes.

Há dois tipos de pontos quentes. O primeiro, que se denomina “supercrítico”, surge quando pequenas explosões de crimes ultrapassam um determinado limiar e criam uma onda de crime local.

O segundo, que se pode denominar “subcrítico” sucede quando um determinado factor, como a presença de um ponto de venda de droga, provoca uma grande explosão de crimes ao atrair os criminosos.

Os dois tipos parecem ser iguais à primeira vista, mas não são. Se os pontos quentes apenas se localizam num mapa e não se estudam com cuidado as diferenças, os tipos passam despercebidos. Este modelo permite distingui-los.

Estes dois tipos de pontos quentes são diferentes sobretudo do ponto de vista da acção policial, que leva a comportamentos muito diferentes.

As equações indicam que um controlo policial rigoroso pode eliminar completamente os pontos quentes subcríticos, mas apenas deslocam a variedade supercrítica, isto é, aumentar a presença policial faz com que nuns casos o crime se desloque para outros locais e outras vezes se consiga erradicar o crime.

Do ponto de vista matemático, os dois tipos de resposta face à presença policial pode ser estudada através de uma análise matemática relacionada com a teoria das bifurcações.

Segundo Bertozzi, mesmo que o modelo esteja idealizado, os parâmetros podem conhecer-se de forma muito precisa para assim poder obter-se um prognóstico fiável. Já foram utilizados dados dos últimos dez anos pelo departamento de polícia de Los Angeles.

O que talvez seja mais interessante é que o modelo poderia ser capaz de predizer onde se estão a formar os pontos quentes subcríticos permitindo assim à polícia atacar o problema antes dele piorar. No entanto, os autores mostram-se mais cautelosos que optimistas.

Como este tipo de estudo está ainda no início, os investigadores irão necessitar de alguns anos até que se compreenda a dinâmica fundamental dos sistemas onde ocorrem os crimes para poderem fazer bons prognósticos e conceber estratégias adequadas. A Biologia e a Engenharia têm vindo a trabalhar sobre este tipo de modelos há décadas e já estão mais avançados.

Entre os objectivos destes investigadores estaria explicar porque, depois de uma casa assaltada, seria possível tal voltar a acontecer ou ser assaltada a casa do vizinho. Talvez os ladrões se sintam bem na vizinhança.

Sustentam que o cálculo que existe por trás desse comportamento, de entrar numa área onde acham que conseguem escapar impunes, é o mesmo que existe nas pessoas que procuram brigas em bares ou planeiam atentados terroristas com bombas.

No fundo, o comportamento humano nestes casos não é tão complexo como se pensa, sobretudo quando não se pretende explicar tudo (não se pretende dizer se um indivíduo concreto cometerá um crime).

Há aspectos do comportamento humano que podem ser entendidos facilmente com uma estrutura matemática formal. Segundo os autores, são precisamente estas regularidades do comportamento as que se podem compreender matematicamente.







Criado em: 01/03/2010 • 12:56
Actualizado em: 01/03/2010 • 12:56
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO II


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  A quem sabe esperar, o tempo abre as portas  Provérbio chinês
^ Topo ^