Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO II - Como aterra o Space Shuttle



Os passos para aterrar o Space Shuttle começam, literalmente, do outro lado do planeta da pista de aterragem. Dada a ordem, os astronautas têm que:

1. Fechar as portas de carga
2. Activar o Sistema de Controle de Reacção ([RCS]) (na maioria das vezes o Space Shuttle encontra-se em tal posição que é preciso endireitá-lo)
3. Activar o Sistema de Manobra Orbital para baixar a velocidade e iniciar a descida. É um processo que dura aproximadamente 25 minutos
4. Chegado a este ponto, volta a activar-se o RCS para que a parte inferior da nave fique de frente para a Terra.
5. Depois, por razões de segurança, queima-se todo o combustível dado que o aparelho atinge temperaturas superiores a 1.650 graus quando entra na atmosfera.

Neste momento o Space Shuttle encontra-se a cerca de 120 quilómetros de altitude e desloca-se a Mach 25, isto é, 8,2 quilómetros por segundo ou 30.000 quilómetros por hora (25 vezes a velocidade do som).

Por meio de manobras do RCS mantém-se uma inclinação de 40 graus (nariz para cima) para continuar a reduzir a velocidade e tentar reduzir o calor produzido pela fricção causada pela grande velocidade e aumento da densidade do ar.

À medida que desce, o Space Shuttle deixa de comportar-se como uma nave espacial e começa a funcionar como um avião, por efeito do ar.

Se mantivesse uma trajectória de linha recta, com uma inclinação de 40 graus (nariz para cima) seria possível que a nave deixasse de descer (pelo menos por uns minutos) ou até subisse.

Por isso fazem-se quatro manobras em forma de S, muito pronunciadas, mantendo esses 40 graus de inclinação, de tal forma que dissipa a velocidade para os lados. Este é o momento de maior tensão com forças G e temperaturas altíssimas.


Endeavour (STS-130) ao reentrar na atmosfera, fazendo a manobra em S, visto da Estação Espacial Internacional


Finalizadas as quatro manobras em S a nave deverá encontrar-se a cerca de 225 quilómetros da pista de aterragem e a uma altitude de 5,4 Km.

A distância e a altitude são, neste momento, importantíssimas pois o Space Shuttle já não é um avião, é um planador, porque não há motor ou combustível que o impulsione, apenas a velocidade da descida.

Voar muito baixo (mesmo que a distância seja suficiente) poderia levar a nave a não chegar à pista. Voar a uma altitude correcta mas a uma distância superior, causaria o mesmo problema.

Estando a cerca de 40 Km da pista, fazem-se manobras em círculo (com cerca de 5.500 metros de diâmetro) para alinhar a nave e diminuir a altitude.

Na aproximação final, a nave tem um ângulo de descida de -20 graus (sete vezes mais do que um avião comercial).

A 600 metros da pista, aumenta o ângulo de inclinação (nariz para cima) para diminuir a velocidade de descida – com a falta de turbinas, esta é a única forma de controlo – baixa o trem de aterragem, aterra e pára a cerca de três quartos da pista (com ajuda de um pára-quedas).

Durante os 20 minutos seguintes a tripulação inicia procedimentos para desligar os sistemas e aguardam que a nave arrefeça e se dissipem os gases nocivos criados pelo calor extremo.

Por ser um processo extremamente complexo, praticamente toda a aterragem do Space Shuttle é feito com piloto automático assistido por computadores.

A tripulação intervém quando se encontra a 40 Km da pista para as manobras em círculo e aproximação final. Ainda assim, durante as primeiras quatro missões (STS-1, STS-2, STS-3 e STS-4) o processo foi totalmente manual (o piloto tomava os controlos depois da primeira manobra em S).

O astronauta John Young foi o primeiro a fazê-lo. Depois do STS-4, os sistemas de controlo foram reprogramados para que o processo fosse automático.

O Buran (o equivalente russo ao Space Shuttle) foi capaz de descolar, orbitar a Terra e aterrar de forma 100% automática (sem um só humano a bordo).



Simulação da reentrada na atmosfera do Transportador Espacial






Criado em: 25/02/2010 • 08:54
Actualizado em: 25/02/2010 • 08:55
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO II


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original  Albert Einstein
^ Topo ^