Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - Será o mundo como nos mapas?



• A Terra é tridimensional e impossível de ser representada num plano.
• Há mais de 400 projecções cartográficas que servem para modelar a terra num mapa, segundo o fim que se procure.
• Todos os mapas têm filtros técnicos e ideológicos.

Peguemos no mapa do mundo que estudamos na escola (ou veja-se este) e olhemos para a Groenlândia.

Agora, olhemos para o continente africano. Praticamente são do mesmo tamanho, verdade? Na verdade não: a África tem, aproximadamente, uma área catorze vezes maior que a Groenlândia.

Os mapas mentem? Estão enganados? É uma conspiração do mundo desenvolvido para minimizar o "mais pobre" hemisfério sul até nos mapas?

A dificuldade de fazer um mapa

A Terra assemelha-se a um geóide (termo que identifica a figura física do planeta: uma esfera achatada nos Pólos e alargada no Equador), isto é, tem três dimensões, enquanto que um mapa é um plano, de duas dimensões.

Para fazer essa transformação, de três para duas dimensões, é preciso recorrer a cálculos geométricos chamados projecções. Há mais de 400 diferentes e nenhuma representa de forma exacta o nosso planeta.

"Não é possível conservar todos os aspectos da Terra num mapa: obrigatoriamente tem que haver uma distorção, seja na área, nos ângulos, na distância, etc.", explica Isabel del Bosque, engenheira superior em Geodesia e Cartografia, responsável da Unidade de Sistema de Informação Geográfica - CCHS do CSIC. "Trata-se de jogar com as distorções".

Uma das mais conhecidas, e a mais usada até ao século XX, é a projecção de Mercator, realizada no século XVI pelo cartógrafo flamengo do mesmo nome.


Mapa de Peters

Matematicamente, a projecção de Mercator é muito rigorosa e mantém os ângulos, mas tem um problema. "É como se se introduzisse um cilindro no globo terráqueo", de forma a que linha do Equador fosse a única a tocar em todos os pontos do cilindro pela sua parte interior.

"Se se projectassem depois todos os pontos da Terra nesse cilindro e o desenrolasse, as zonas equatoriais seriam os únicas que não se deformariam", porque estão coladas ao cilindro.

Mas, à medida que nos afastamos do Equador, "as áreas deformam-se e aumentam" ao não estarem em contacto com as paredes do cilindro, para encher a zona da superfície do plano", explica Del Bosque.

Daí vêm as deformações como a da Groenlândia ou o facto do Alasca parecer maior que o México, quando não o é.

Peters contra Mercator

Nos anos 70 do século XX, um historiador alemão chamado Arno Peters deu a conhecer um novo mapa do mundo, baseado na projecção de Gall (do século XIX).

A projecção Gall-Peters, segundo o seu criador, mostrava uma visão mais real do mundo porque ilustrava as superfícies de forma real.

Isto suscitou uma grande polémica e teve o seu reconhecimento (o chanceler alemão Willy Brandt e a UNESCO, entre outros, elogiaram-no).

O seu mapa chegou a vender 80 milhões de cópias. Alguns chegaram a chamá-lo o "mapa real do mundo" e Peters vendeu-o como uma "revolução social ", em contraposição a Mercator, que, segundo ele, tinha criado uma visão eurocentrista e colonialista do mundo.

No entanto, apesar do seu sucesso popular, o mapa de Peters não obteve o mesmo reconhecimento entre os cartógrafos.

José Martín López, professor emérito da Escola Técnica Superior de Engenheiros em Topografia, Geodesia e Cartografia da Universidade Politécnica de Madrid, escreveu nos anos oitenta um artigo contra o mapa alemão.

Martín López criticava a intenção de Peters querer transformar a sua projecção na única correcta, em vez de a declarar como mais uma projecção, com as suas virtudes (as superfícies) e os seus problemas (a distorção das formas: a África aparece muito alongada).

Os poucos conhecimentos matemáticos de Peters que patentearam o seu mapa (e fizeram dele um homem rico) não ajudaram a que fosse considerado por alguns cartógrafos.

"Peters era um verdadeiro génio da propaganda. Fez o mapa para o vender ao terceiro mundo", assegura Martín López. Não é raro: Peters centrou a dissertação do seu doutoramento na propaganda política.


Projecção de Winkel-Triple

O objectivo de uma projecção

"É preciso ter muito claro que um bom mapa, para os cartógrafos, é aquele que se utiliza de forma apropriada para a finalidade com que foi criado", explica Isabel del Bosque.

A de Mercator, e já o dizia o seu título em latim, estava destinada ao problema do seu tempo: a navegação por bússola. E por isso, realizou uma projecção que mantinha ângulos e formas. Não o deve ter feito mal porque ainda continua a ser utilizado na navegação.

"Os mapas baseados em projecções cilíndricas, como a de Mercator, não são os mais adequados para a educação porque distorcem as superfícies", explica Felipe Hernando, professor de Geografia da Universidade Complutense de Madrid.

"Por isso adoptou-se o de Peters, que dá uma imagem distorcida, mas mais realista quanto à superfície". Actualmente, à excepção de algumas ONG, poucas instituições utilizam este mapa.

No entanto, Peters acertou numa coisa: no uso ideológico dos mapas que, a propósito, também deu ao seu.

"Os mapas são ideologia. Por trás de cada mapa há uma mensagem: um cartógrafo está subvencionado por um protector, por governos, por exércitos", afirma Felipe Hernando, que conclui, "os mapas fazem-se com finalidades e uma é o controlo e o domínio do conteúdo, do território que representam".

Há mais de 400 projecções e continuam a sair novas: a de Lambert (inicialmente utilizada para a artilharia), a de Robinson, a UTM (utilizada pelo Instituto Geográfico da Espanha), a Winkle-Triple (que é utilizada pela National Geographic Society)...

E para todos os fins pensáveis: para os satélites ou até para realizar mapas para que os fiéis muçulmanos saibam onde está Meca.

O grande dilema: representação ou realidade?

Nem os grandes avanços técnicos conseguiram solucionar este problema da representação. Os MDT (Modelo Digital do Terreno) acrescentam as três dimensões, mas não solucionam o problema.

"Continuam a ser, como os mapas tradicionais, representações simbólicas com códigos", explica Hernando.

"A altimetria exagera-se para tornar visíveis os acidentes geográficos como as montanhas, senão ficaria tudo muito plano". Isto é, não só não se resolveu o problema como este se agravou com mais factores a levar em conta.

"Todos são representações simbólicas que se assemelham à realidade, mas não o são: têm filtros técnicos, ideológicos, etc.", explica este professor de geografia.

Nem o Google Maps (que utiliza uma projecção cilíndrica de tipo Mercator), nem os satélites, são a realidade, "é o dilema do século XXI: realidade ou representação.

Matrix é um filme muito cartográfico porque coloca esse mesmo debate. As pessoas, tal como os geógrafos, confundem às vezes a realidade com os mapas".





Criado em: 24/02/2010 • 11:36
Actualizado em: 24/02/2010 • 11:38
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original  Albert Einstein
^ Topo ^