Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - Ciência forense e televisão

Um cientista forense discute sobre a ciência aparentemente verdadeira que aparece nas séries de televisão.

São inúmeras as séries televisivas sobre casos forenses. Assim, às típicas séries de advogados, policiais e médicos aliou-se uma mistura de todas elas com doses de ciência: CSI em três versões, NCIS, Crossing Jordan, Bones, Dexter e outras.

Mas, é necessária a ciência que aparece nestas séries? Está bem representado o trabalho destes profissionais?

Não são perguntas gratuitas se levarmos em conta que estas séries estão entre as mais vistas da televisão e os espectadores podem ficar com uma impressão errada da ciência forense que nelas vêem.

A questão já se levantou no passado. Poderão os espectadores destas séries que participam em julgamentos como jurados confundir as provas com uma realidade que não existe?

Alguns criminosos aprenderam nestas séries algumas habilidades, deixando provas falsas (beatas de cigarros com DNA de uma pessoa qualquer, por exemplo) na cena do crime.

Robert Shaler foi director do programa científico forense e professor de Bioquímica e Biologia Molecular de Penn State desde 2005, mas foi um cientista forense durante 40 anos.

Foi o encarregado, entre outros casos, de dirigir o reconhecimento dos restos humanos encontrados nas ruínas das torres gémeas de Nova Iorque após o ataque de 11 de Setembro.

Este investigador brinca com os saltos altos e a roupa elegante que Kathryn Willows usa na série CSI. Obviamente que na realidade o vestuário é muito mais prático ao entrar na cena do crime.

Segundo ele, este tipo de séries perpetua uma série de incorrecções ou erros. A estética e o vestuário de última moda são os menos egrégios. Em geral estes erros que se mostram no ecrã levam a ciência para lá dos limites reais ou utilizam-se gráficos de computador para fazer uma ciência que simplesmente não podem fazer.

Pegar num fotograma obtido por uma câmara de vigilância e ampliar sucessivamente uma região da imagem até ver detalhes que a resolução da própria imagem não pode dar é um dos erros mais óbvios.

Como exemplo de erro, Shaler lembra um episódio do NCIS onde os investigadores averiguam um crime numa pista de patinagem. Graças a umas luzes ultravioletas podem ver um rasto de sangue que está embebido no gelo.

Há métodos para fazer com que o sangue se torne fluorescente sob esse tipo de luz, mas por si só não basta. Na realidade é preciso pulverizar os possíveis restos de sangue com agentes químicos especiais para que o faça.

Outro erro típico são as análises de laboratório que nestas séries demoram horas a realizar, quando na realidade demoram dias ou semanas a concluir.

Os métodos que se utilizam para assassinar pessoas nestas séries costumam ser espectaculares, estranhos ou raros.

Pode apanhar-se, por exemplo, a raiva com uma tatuagem ou uma ave de rapina ou deixar restos humanos numa chávena de café.

Segundo Shaler, isto traz dramatismo à série e ingredientes estrambólicos, mas contém pouca ciência. Simplesmente enfeita a realidade que é muito mais aborrecida.

Nos laboratórios forenses trabalha-se com vestígios de sangue, restos de DNA relativos a casos de violação, assassinato ou roubo mais comuns e simples que os que aparecem nestas séries.

Para se ser um investigador forense é necessário uma boa base em Biologia, Química, Física e Matemática. Os estudantes que não dominem estas áreas da ciência devem optar por uma carreira na advocacia ou na polícia.

E para aqueles que perseguem a ciência forense, um segredo importante é saber que a realidade não é como a pintam nestas séries da TV.

“Eu fui uma pessoa de laboratório criminal, mas nunca me identifiquei com aquilo que é mostrado na televisão”, diz Shale. “Essa pessoa não existe na realidade”.




Criado em: 09/12/2009 • 10:53
Actualizado em: 09/12/2009 • 10:53
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°3 

Diego 08/12/2013 • 17:14

Boa tarde! Sou formado em Engenharia Química e entrei para a área de Perícia sem problemas. Também dou palestras sobre Criminologia e perfil vocacional.   Tenho muitos colegas formados e Farmácia e Biologia que fazem praticamente de tudo como peritos. Somos muito bem pagos também. Aconselho a seguirem a área de QUÍMICA, pois vocês podem se encaixar em QUALQUER setor forense, e sem contar que esta é uma das profissões do futuro no Brasil.   A área de medicina legal não é tão promissora assim. A formação é demorada e muitos amigos legistas reclamam do trabalho ser precário e sem nenhum retorno satisfatório, pois trabalham em ambientes sem material e de alto risco de contágio.  Na verdade, quem mais atua no necrotério é o Auxiliar, uma vez que o médico legista faz análises em pessoas vivas. Ou seja, o que se vê nas séries é fantasia pura. E o salário também é um dos piores.   Espero poder ter ajudado na escolha de vocês!   Um abraço!

Comentário n°1 

Angelita 23/10/2011 • 05:34

Bom eu assisto CSI: Crime Scene Investigation, confesso que fico muito empolgada quando estou assistindo essa série da TV. Eu sei que praticamente tudo é mentira, não exatamente como fazem, mais sim como mostrar ser. Sei que as formas utilizadas são verdadeiras, mais não exatamente como mostra, como por exemplo, na velocidade de desvendar um crime, ou na rapidez de encontrar uma comparação de DNA ou digitais, ou na facilidade de achar provas de crimes. Sei que na vida real, isso leva tempo, e nem sempre se acha tudo, como no seriado da TV. Eu gostaria de ser um cientista forense, não só porque eu vi um seriado da TV, mais sim porque me interesso pelo assunto em geral. O único problema é que não sei como me formar nisso, não sei como começar, nem sei se tem como estudar isso aqui no Brasil, eu sou de Brasilia, e preciso de informações de pessoas que entendem do assunto. Como faço pra iniciar uma carreira como está? O que é preciso estudar (Formar) para ser um Cientista Forense? Que tipo de faculdade fazer? Me ajudem!k. Eu quero fazer parte disso.

  O espírito enriquece-se com aquilo que recebe; o coração com aquilo que dá.  Victor Hugo
^ Topo ^