Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_inf.gifUTILITÁRIOS - Informação com data de validade

Roxana Geambasu e Amit Levy, membros da equipa responsável do software. Foto: Universidade de Washington
No mundo globalmente ligado à Internet, a informação que está acessível num certo momento pode ser reproduzida e armazenada em múltiplos lugares.

Mesmo depois do original ter sido apagado, a informação continua a estar disponível a partir de outros lugares.

Pode até acontecer no âmbito de uma mesma rede social. Há casos de utilizadores que publicam fotos no seu perfil e elas continuam vivas entre os seus contactos durante um tempo, mesmo depois de apagadas.

Muitas empresas fazem buscas exaustivas na Internet durante os processos de selecção de pessoal. Uma certa informação que possa resultar comprometedora, seja parte da vida privada ou de um passado relativamente distante, pode influir na obtenção de um posto de trabalho.

Pode ser impossível eliminar totalmente uma certa informação

É problemático, porque é tecnicamente muito complicado, para não dizer impossível, eliminar uma informação concreta se esta foi acedida e replicada na Internet.

Não se trata apenas de apagar os dados dos servidores onde estiveram alojados, coisa que já pode ser muito complexa.

Também existe o problema das caches dos navegadores, das caixas de correio e as réplicas dos próprios servidores.

Todos os registos temporários daqueles lugares por onde passou a informação continuam a guardar uma cópia.

Cientistas do departamento de ciência e engenharia da computação da Universidade de Washington desenvolveram um software que pode solucionar o problema.

"Se se preocupa com a privacidade, a Internet é um lugar de terror.", afirma Tadayoshi Kohno, um dos membros da equipa. "Se as pessoas entendessem as implicações de como e onde se guarda o seu correio na Internet, seriam mais cuidadosos e não o usariam tão frequentemente."

Encriptar e fragmentar a chave

Esquema de funcionamento do sistema. Uma vez encriptada a mensagem, o código K divide-se em fragmentos e depois é distribuído em diferentes servidores. Foto: Universidade de WashingtonO software que desenvolveram permite publicar informação com data de validade. O sistema, chamado Vanish (desvanecer), funciona encriptando a informação.

Uma vez encriptada a informação, o código, que permanece oculto pelo software, é dividido em vários fragmentos. Cada fragmento é então enviado para um servidor aleatório de alguma das grandes redes P2P de partilha de arquivos descentralizadas.

No momento em que apenas um desses servidores se desligue ou purgue o seu sistema, coisa que se realiza frequentemente, já não será possível aceder à parte do código que foi aí deixada.

Então o código perde-se para sempre e a informação que foi encriptada com ele fica inacessível. É apenas uma questão de tempo. É por isso que o acesso à informação tem data de validade.

Código livre para Firefox

A primeira versão do sistema, implementado com código livre, foi publicado como um extra (ou plugin) para o navegador Firefox.

Por enquanto só se publicou a versão beta, que apenas trabalha com mensagens de texto, mas o sistema pode funcionar com qualquer tipo de dados.

É tão simples como dar um clique numa opção do menu de contexto (aquele menu que aparece ao dar um clique com o botão direito do rato) para encriptar ou desencriptar a mensagem.

Com este sistema, não importa a quantidade de cópias da mensagem que exista na rede. Quando uma só parte do código deixar de estar acessível, a informação também deixará de estar.

Por isso funciona para as redes sociais e também funciona para os serviços de email normais e para qualquer outro tipo de informação que seja publicada na Internet.

"Uma mensagem na areia"

Os criadores deste sistema gostam de o comparar a uma mensagem escrita na areia da praia com a maré baixa. É só questão de tempo para que a mensagem desapareça por si só.

Não é necessária nenhuma acção especial por parte do autor ou do servidor onde esteja hospedada. Simplesmente desaparecerá quando a maré subir de novo.

Como diz outro membro da equipa, Roxana Geambasu, "uma característica importante é que os utilizadores não necessitam de confiar em nós, nem em nenhum fornecedor de serviços, para que os dados se apaguem".

Hank Levy, também investigador do projecto, comenta: "o nosso objectivo era encontrar um sistema que pela sua própria natureza fizesse desaparecer os dados após um certo período de tempo".

Este sistema possibilita também uma maneira simples de comunicar de forma relativamente segura pela Internet.

Muitos utilizadores preferem usar o telefone para comunicar coisas importantes, com receio das suas mensagens ficarem registadas.

Com este sistema, qualquer registo da informação ficará inacessível numa questão de horas, se assim se desejar. Nem sequer o autor original da mensagem poderá recuperá-la.

Rubén Caro





Criado em: 01/09/2009 • 08:23
Actualizado em: 01/09/2009 • 11:40
Categoria : UTILITÁRIOS


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Até recear não o poder fazer, nunca gostei de ler. Não se gosta de respirar.  Harper Lee
^ Topo ^