Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - Porque é que os russos nunca chegaram à Lua?

Os soviéticos começaram com vantagem. Em Outubro de 1957 puseram em órbita o Sputnik 1 e, um mês mais tarde, o Sputnik 2 entrava em órbita com uma cadela a bordo: a Laika. Em 1959 lançaram a Luna 2, satélite que colidiu, por erro, com a Lua e tiraram a primeira foto da face oculta da Lua com a Luna 3.

No dia 12 de Abril de 1961, Yuri Gagarin fez uma órbita em volta da terra na Vostok, o que doeu bastante ao presidente John Kennedy que, no dia 25 de Maio de 1961, deu início ao programa americano para colocar um homem na Lua. Lyndon Johnson considerou-o prioridade absoluta para a NASA.

Sergei Korolev, principal responsável da Vostok (a que levou Gagarin), lembrou, em 1959, a Nikita Khrushchev, que o programa espacial soviético estava muito descentralizado e não tinha objectivos a longo prazo.

Mas a proposta para reorganizar todo o programa soviético foi ignorada e, como não gostou de ouvir aquela verdade, Khrushchev decidiu favorecer um concorrente, Vladimir Chelomei, especialista em mísseis militares, mas não em foguetes espaciais, chefe directo do filho do próprio Khrushchev.

Chelomei iniciou um programa espacial paralelo ao de Korolev, liderado por Mstislav Keldysh e Valentin Glushko (inimigo acérrimo de Korolev). Em 1962, Khrushchev encarregou o grupo de Chelomei de preparar uma missão que levasse um homem a orbitar a Lua.

Não havia um interesse específico para que um russo pisasse a Lua. Korolev preparou um programa similar, baseado em naves Soyuz, que incluía como parte final, um russo na Lua, mas foi rejeitado em 1963. Khrushchev decidiu favorecer Chelomei.

Até 3 de Agosto de 1964 nenhum programa foi iniciado. O objectivo foi alcançado em 1968, antes do programa Apolo. Os americanos já levavam 3 anos de vantagem.

Como primeiro passo, decidiu-se que Chelomei iria iniciar um programa para que dois cosmonautas orbitassem a Lua em Outubro de 1967, por altura do 50º aniversário da revolução bolchevique.

Em paralelo, Korolev liderava um programa para pôr três cosmonautas na órbita da Lua numa nave Vostok melhorada (no dia 12 de Outubro de 1964 essa nave fez uma órbita em volta da Terra).

O politburo destituiu Khrushchev e o novo primeiro ministro Leonid Brezhnev estava ainda menos interessado nas missões espaciais tripuladas.

Ainda assim, Alexei Leonov deu o primeiro passeio espacial, no dia 18 de Março de 1965 (a última missão espacial tripulada durante os 2 anos seguintes).

O programa lunar soviético tinha 3 responsáveis, separados e independentes (os americanos, um único programa, Apolo).

Korolev defendia mandar um homem à Lua em 1968 (aprovado em Maio de 1965) utilizando foguetes L3 (L de Lenin).

Chelomei defendia a colocação de um homem em órbita lunar, mas isso não agradou a Brezhnev, porque estas propostas estavam “politicamente” próximas de Krushchev, entretanto afastado, e no dia 27 de Abril de 1966 o programa foi cancelado.

Finalmente, Babakin centrou-se em levar veículos não tripulados à superfície lunar. As 3 missões separadas tinham como objectivo 1968.

Korolev morreu numa operação cirúrgica no dia 14 de Janeiro de 1966 e foi substituído por Vasili Mishin (cuja confirmação como projectista chefe do programa de Korolev teve de aguardar até Maio de 1967).

Apesar das muitas tensões políticas, o programa espacial soviético seguia em frente com sucesso. Em Janeiro de 1967, a nave não tripulada Luna 9 alunou e tirou 8 fotografias da superfície.

Luna 10, no dia 2 de Abril, foi o primeiro satélite artificial a orbitar a Lua. Em 1967, Leonid Brezhnev decidiu concentrar os esforços do programa lunar soviético baseado na Soyuz, sob a direcção de Babakin, como contrapartida ao programa americano Apolo.

Mas a desgraçada morte do cosmonauta Vladimir Komarov a bordo da Soyuz 1, em Abril de 1967, foi um duro golpe tanto para o programa Soyuz como para o programa soviético no seu conjunto.

O programa americano contava com um enorme financiamento e tinha um objectivo claro: retransmitir a façanha pela TV e humilhar publicamente os soviéticos, cujo programa iniciado tardiamente apresentava terríveis problemas de última hora.

Três dias depois da Luna 15 arrancar para a Lua, Neil Armstrong, Edwin Aldrin e Michael Collins entravam na Apollo 11 perante milhões de pessoas do mundo inteiro. Entretanto os americanos tratavam de saber o que ia dentro da  Luna 15 (não havia pessoas, apenas um robot lunar).

Por coincidência e azar, esta sonda estatelou-se na Lua no dia 21 de Julho de 1969, no mesmo dia em que Neil Armstrong se tornou no primeiro homem a pisar a Lua.

Os soviéticos tinham perdido a corrida e o objectivo atingido: americanos triunfadores - russos humilhados.

Mishin conseguiu que o programa não fosse cancelado. Não seriam os primeiros, mas sim os melhores. Luna 16, após muitos fracassos, regressou à Terra, no dia 12 de Setembro de 1970, com amostras recolhidas do solo lunar (Mar da Fertilidade).

Em Outubro de 1970, Luna 17 conseguiu alunar um veículo robótico, o Lunokhod 1, que durante 9 meses percorreu aproximadamente 11 km em solo lunar realizando análises científicas e recolhendo amostras.

Um grande feito se tivermos em conta que o projecto soviético Luna custou 10 vezes menos que o projecto Apolo.

Entre 1970 e 1972 os soviéticos tentaram colocar um russo na Lua. Vários erros repetidos com os foguetes em finais de 1970 e princípios de 1971, levaram Mishin a acreditar que seria impossível chegar à Lua. O seu apoio político foi diminuindo exponencialmente.

A Apolo 17, em Dezembro de 1972, foi a última missão americana do programa homem na Lua. O objectivo agora eram as naves espaciais.

Em Maio de 1974, Mishin foi destituído e substituído por Valentin Glushko (o grande inimigo de Korolev) que suspendeu o programa lunar imediatamente.

A última sonda lunar soviética partiu em Outubro de 1976, mas os soviéticos já estavam a desenvolver a sua própria concorrência contra as naves espaciais americanas. A era lunar tinha chegado ao fim.






Criado em: 23/07/2009 • 08:01
Actualizado em: 23/07/2009 • 08:01
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°1 

felipe 24/03/2010 • 03:33

Me contaram que os soviéticos tb chegaram.

  Beijar é cultura; só assim se conhece várias línguas  Anónimo
^ Topo ^