Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifCoisas e loisas da língua portuguesa - Copo de água ou copo com água?

Aqui há umas semanas dirigi-me a uma loja, a um quiosque onde vendem tabaco e fósforos, e pedi uma caixa de fósforos.

Uma donzela amável, sorridente, feliz, respondeu: «Não temos.»
«Ora essa! - volvi, estupefacto. - Parece-me que estão ali.»
«Não, não - replicou a donzela com ar feliz. - Aquilo não são caixas de fósforos; são caixas com fósforos».

Mas logo a seguir, por uma espécie de intuição que nos anima nestes assuntos, disse-lhe: «Faz favor dá-me um "maço de cigarros da marca tal.» Ela, pressurosa e amável, entregou-mo.

Ó minha senhora, não estou a perceber bem o que há pouco me disse. Pedi-lhe uma «caixa de fósforos e respondeu-me que não tinha; e que só tinha «caixas com fósforos». Agora peço-lhe um «maço de cigarros» e, pelos vistos, tem-nos. Ora se tem «maços de cigarros» (que contêm cigarros), parece-me que também pode ter «caixas de fósforos» (que contêm fósforos).

O mesmo se passa em relação ao «copo de água» e ao «copo com água», que tanto se ouve por aí.

Como surgem estas divergências que ganham foros de ciência popular oferecida aos balcões e mesas de café? A resposta é simples: o desconhecimento e confusão no emprego das preposições.

A preposição de em português possui abundantes e nítidos valores. Podemos contar nada menos que dezoito valores significativos múltiplos e concretos.

Designa o fim, indica o conteúdo, etc., e não só a "matéria", o modo de ser, do objecto.

Quando nos referimos a "escova de dentes" não queremos significar uma escova feita de dentes (matéria), nem a uma escova com dentes, uma escova dentada (modo); pretendo designar uma escova para lavar ou limpar os dentes (fim).

Do mesmo modo, a expressão «garrafa de vinho» indica o conteúdo (a garrafa contém vinho), ou o fim (garrafa para nela deitar vinho); não indica de maneira nenhuma a matéria (garrafa feita de vinho).

O mesmo acontece se dissermos um «frasco de compota». Se nos dirigirmos a uma pastelaria ou confeitaria a pedir um «frasco de compota» de pêssego ou de maçã, o empregado traz um boião com o conteúdo da fruta pedida.

Mas se entrarmos num estabelecimento de loiças e frascaria e pedirmos «frascos de compota», o vendedor compreende muito bem e apresenta-nos frascos à escolha para compota: é esse o fim a que se destinam e para isso servem.

Enfim, a expressão «copo de água» significa não só o conteúdo (com água), mas também o fim, a finalidade (para água); e não significa a matéria (feito de água). Igualmente, «caixa de fósforos» não designa a matéria (caixa feita de fósforos), mas, sim, e principalmente, conteúdo (com fósforos).

Inúmeras expressões designam quer independente, quer simultaneamente, o conteúdo e a finalidade, usadas com a preposição de: cabaz de morangos, cesto de uvas, taça de espumante, lagar de azeite, barril de vinho, etc.

Concluindo, devemos utilizar as expressões «copo de água» ou «caixa de fósforos».

Raul Machado - Programa Charlas Linguísticas na RTP

Criado em: 21/07/2009 • 14:35
Actualizado em: 21/07/2009 • 14:35
Categoria : Coisas e loisas da língua portuguesa


Imprimir Imprimir

Comentários


Comentário n°1 

Alex 29/11/2010 • 19:20

Só tenho algo a dizer: se cheguei até aqui, procurando este conteúdo, é pq foi muito importante!

n


  O galo pode cantar, mas é a galinha quem põe o ovo  Margaret Thatcher
^ Topo ^