Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifCoisas e loisas da língua portuguesa - Palavras de torna-viagem

Nós em Portugal encontramos e possuímos algumas palavras de «torna-viagem», palavras de ida e volta. São palavras exportadas que, ao regressarem com indumentária estrangeira e se fixarem alguns anos na língua portuguesa, foram depois, com toda a razão e louvor, despojadas das suas vestes estranhas e vestidas de novo com as galas nacionais.


Em primeiro lugar, Samatra. Trouxemos nós do Oriente, com as especiarias, o nome da ilha de Samatra. Entre nós tomou viço e louçania, em livros e escritos de língua portuguesa.

Depois, os ingleses, que andavam então na nossa peugada e seguiam os nossos vestígios, acolheram a palavra e, para a adaptarem e pronunciarem - honra lhes seja! -, à sua maneira, escreveram a primeira sílaba Su, para darem o som Sa-matra.

Rolaram anos no dobrar dos séculos. Portugal, sem já se lembrar de que havia cá na nossa terra a palavra Samatra, começou a folhear livros, revistas e monografias inglesas, e descobriu o nome da ilha de Sumatra. Era palavra de «torna-viagem» que regressava à terra de origem. E durante anos só se conhecia cá em Portugal o termo inglês.

Deu-se, porém, reacção meritória, rejeitou-se a Sumatra anglicizada e voltou à primeira origem com a forma, actualmente usada, como a antiga, Samatra.

Do Oriente trouxemos outrossim a palavra com que baptizamos umas ilhas longínquas, as Malucas. Também os ingleses grafaram na sua língua, para se adaptarem à pronúncia portuguesa, com a forma Molucas.

Mais uma vez os portugueses a viram na língua inglesa, acharam-na original e trouxeram-na. Nos nossos escritos e livros se pavoneou durante anos, na sua «torna-viagem», mas, ainda bem, já se vestiu de novo à moda antiga portuguesa - Malucas.

Maior reperucssão no aspecto linguístico teve a palavra francesa fétiche, com o seu derivado fétichisme. Livros, tratados de história das religiões, manuais de filosofia, revistas coloniais, difundiam a esmo o fétiche e o fétichisme.

Até em discursos de oratória empolada e comicieira se lançavam no ar, como foguetes que se desfazem num estoiro e num borrão de fumo, frases deste teor: que fulano é um fétiche, que os seus partidários são fetichistas, que tudo é produto e resultado de fetichismo.

Afinal, o fétiche com os seus aderentes é palavra de «torna-viagem», tomada pelo francês à língua portuguesa.

Viram os franceses a palavra lusa feitiço, com feiticeiro e feitiçaria, importaram-na para os seus livros, tratados, monografias e histórias das religiões, e serviram-se dela com profusão, sob as formas adaptadas fétiche e fétichisme.

Era palavra da moda filosófica e da oratória, vestida à parisiense, e usaram-na como roupagem elegante. Apareceu mesmo, em vocabulários e dicionários, como termo genuíno da língua portuguesa.

Por fim, desde há uns anos, foi repudiada essa palavra adulterada, de «torna-viagem», para se implantarem de novo os termos nacionais, feitiço, feiticeiro, feitiçaria...

Ao menos temos isto de bom: protestamos e reagimos contra a adulteração despropositada de algumas palavras nossas.

Caso mais recente deu-se com a palavra Florida. Nome geográfico, no Sul dos Estados Unidos da América, foi-lhe imposto pelos espanhóis, por ser região florida e, sobretudo, por ser descoberta por ocasião da Páscoa florida, a nossa Páscoa, que em Espanha se contrapõe à Páscoa de Navidad, o nosso Natal.

Nós, que andámos também naquelas andanças e naquelas paragens, chamámos-lhe igualmente a Florida.

Os nossos autores clássicos empregam para a Páscoa da Ressurreição, como em espanhol, a designação de Páscoa florida.

A Florida, não há dúvida, era o termo genuíno e castiço de carácter geográfico para indicar aquela península espanhola, que foi espanhola até há dois séculos, situada ao sul da América do Norte.

Depois de que os americanos se assenhorearam daquela região e dela fizeram mais um estado da União, como não lhe sabiam pronunciar bem o nome a espanhola, começaram a chamar-lhe, no sotaque da língua inglesa, Flôrida (Flórida).

Em Espanha e em toda a língua espanhola não se ligou importância à toada inglesa da palavra, e manteve-se persistentemente a pronúncia Florida (-rí-). Lojas e locandas de venda, hotéis e restaurantes, marcas de produtos, ostentam, em tabuletas e etiquetas, bem claro o nome La Florida, em recordação constante daquela península que fora do domínio espanhol.

Mas em Portugal, obliterados o conhecimento e a origem do termo hispano-luso, pegamos na Flôrida anglo-saxónica e introduzimo-la, mais ou menos inglesada, sob a forma Flórida, na língua portuguesa. Cá está ela de regresso, em «torna-viagem», a nossa bela Florida (-rí-).

A Flórida, como viajante e turista americano, andou a passear em Portugal, em livros e revistas, compêndios de geografia e mapas de regiões coloridas... De tal maneira se ia enraizando e implantando, no solo pátrio, a flor exótica, que até as pessoas cultas receavam pronunciar bem a palavra Florida, e diziam, a medo, Flórida.

Há casos destes com outras palavras em que as pessoas cultas não pronunciam bem certas formas linguísticas com pavor de que as acoimem de ignorantes.

Mas, como acontecera já com a Sumatra, com as Molucas, com o fétiche, ergueu-se também  o tolle, que se vai tornando geral, contra a Flórida: os bons tratadistas e especialistas apontam razões e anotam vincadamente que é Florida, e não Flórida.


Prof. Doutor Raul Machado - Do programa da RTP Charlas Linguísticas

Criado em: 20/07/2009 • 08:29
Actualizado em: 30/10/2011 • 17:02
Categoria : Coisas e loisas da língua portuguesa


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Quem fez o trabalho? Aquele que o terminou...  
^ Topo ^