Menu
Qui Quae Quod

Fechar Responsabilidade Social Corporativa

Fechar ARTIGOS DE OPINIÃO

Fechar Justiça Restaurativa

Fechar Multiculturalismo

Fechar Dossier Europa

Fechar ARTIGOS DE FUNDO

Fechar ARTIGOS DE FUNDO II

Fechar ARTIGOS DE FUNDO III

Fechar TENDÊNCIAS 21

Fechar CIBERDIREITOS

Fechar No gesto da procura

Fechar Os erros do ditado

Fechar Para ler e deitar fora

Fechar O canto dos prosadores

Fechar UTILITÁRIOS

Fechar Apresentações

Fechar Barra JURIS

Fechar CANCIONEIRO de Castelões

Fechar Coisas e loisas da língua portuguesa

Fechar DIVULGAÇÃO DE LIVROS

Fechar Delitos Informáticos

Fechar Encontros

Fechar JURISPRUDÊNCIA

Fechar Livros Maravilhosos

Fechar MANUAL DE REQUERIMENTOS

Fechar NeoFronteras

Fechar Nova Lei das Rendas

Fechar O canto dos poetas

Fechar Vinho do Porto

Fechar Workshops

Relax
Pesquisar



Visitas

   visitantes

   visitantes online

PREFERÊNCIAS

Voltar a ligar
---

Nome

Password


SOS Virus

Computador lento?
Suspeita de vírus?
Fora com eles!
AdwCleaner

tira teimas!
--Windows--

Já deu uma vista de olhos pelas gordas de hoje?


Desde 2004
news_artigo.gifARTIGOS DE FUNDO - É possível saber o que os outros pensam de nós

Não é segredo para ninguém. As pessoas gostam de saber o que os outros possam pensar delas para medir os níveis de aprovação dos seus actos e da sua forma de ser, até para terem uma ideia geral da forma como são percebidas a partir de fora.

E esta ideia que se forma a partir de simples conjecturas é realmente importante, porque influi no comportamento da pessoa em questão e nas suas relações com os outros.

É preciso dizer que não é nada fácil acertar quando pretendemos saber o que se passa na cabeça do vizinho ou do companheiro de trabalho a nosso respeito, mas um estudo dos professores Nicholas Epley, da Escola de Negócios da Universidade de Chicago, e Tal Eyal, da Universidade de Ben-Gurion do Negev, traz novos contributos que facilitam o trabalho permitindo melhorar as relações interpessoais.

Os professores salientam a importância da percepção, principalmente dos companheiros de trabalho, já que, segundo explicam, o que pense um simples conhecido ou um estranho na rua será diferente do que pensem os familiares e os mais próximos, havendo mais possibilidades de ser discutido e aclarado, ao contrário de uma empresa, onde as impressões podem tornar-se conclusivas e causar problemas e lacunas de comunicação.

Entrar na mente dos outros

Realmente não é necessário muito, pelo contrário. Não é preciso ser muito de pormenor, mas aprender a ver aquilo a que chamam the big picture, o panorama geral… É o que Epley e Eyal explicam: quando uma pessoa quer saber como a vêem, primeiro, dá uma olhada à imagem que tem de si mesma que, com toda segurança, é muito mais detalhada que aquela que os outros possuem.

Cada um sabe muito mais sobre as coisas que faz, acredita e imagina, já que está permanentemente presente e é testemunha de todos os seus actos.

Mas nós apenas vemos e conhecemos pequenas partes da realidade do outro ser humano. Por isso, a imagem que se forma é muito mais geral do que essa pessoa imagina.

Isto quer dizer que o erro e o que impede alguém de decifrar as opiniões dos outros a nosso respeito está em acreditar que se é observado com o mesmo cuidado e partindo da mesma quantidade de informação que temos de nós mesmos.

Por isso, segundo afirmam os professores, não é preciso darmos tanta importância aos detalhes positivos ou negativos para assumir que devido a eles os outros terão uma opinião melhor ou pior sobre nós.

“Se nos vemos pela óptica de um microscópio, enquanto os outros nos vêem de binóculos, estaremos a entender tudo de forma errada.

Preocupamo-nos com pequenas coisas com que não devíamos preocuparmo-nos e sentimo-nos orgulhosos com pormenores de baixo nível a que os outros não dão valor”, afirmam Epley e Eyal.

O que devemos fazer então? Livrarmo-nos de tanta informação e observarmo-nos de forma geral, sem levar em conta coisas muito específicas. Poderemos, assim, sair da própria mente ficando no lugar de quem só tem acesso a uma mínima parte da nossa vida.

Ler mentes para trabalhar melhor

Como já se disse anteriormente, o trabalho é um excelente lugar para aplicar esta capacidade de entrar nas mentes dos outros e assim conhecer as suas percepções, já que, de acordo com os investigadores, quando uma pessoa não sabe bem o que os companheiros de trabalho pensam dela, o seu esforço e energias podem orientar-se de maneira errada.

Para um executivo, por exemplo, é muito importante e pode significar grandes avanços no fortalecimento da capacidade de conhecer os seus colaboradores e saber o que pensam dele e como o percebem, já que assim terá uma ideia mais clara da forma de se aproximar deles para estabelecer uma comunicação efectiva e relações humanas de qualidade, o que, muito provavelmente, se repercutirá num ambiente laboral melhor e numa maior produtividade.

Nem sempre os pormenores e a informação específica são os que permitem acertar; nesta altura é o panorama geral, e não o primeiro plano, a ferramenta adequada para aceder a outras visões e actuar em conformidade. A primeira visão que temos é sempre a da floresta e não da árvore em particular.

Catalina Franco R.





Criado em: 26/05/2009 • 10:45
Actualizado em: 26/05/2009 • 10:59
Categoria : ARTIGOS DE FUNDO


Imprimir Imprimir

Comentários

Ainda ninguém comentou.
Seja o primeiro!


  Não me importo de viver num mundo de homens desde que me permitam ser Mulher  Marylin Monroe
^ Topo ^